sábado, 25 de março de 2017

Poemas aos Homens do nosso Tempo


Amada vida, minha morte demora.

Dizer que coisa ao homem,

Propor que viagem? Reis, ministros

E todos vós, políticos,

Que palavra além de ouro e treva

Fica em vossos ouvidos?

Além de vossa RAPACIDADE

O que sabeis

Da alma dos homens?

Ouro, conquista, lucro, logro

E os nossos ossos

E o sangue das gentes

E a vida dos homens

Entre os vossos dentes.



Hilda Hilst




quinta-feira, 23 de março de 2017

Ausência


No vazio amoroso
Surge uma música
Ora envolvente em seus tons azuis
Ora alucinante em seu carmim
Avança e cobre de ternura
Espaços
Devaneios percorrem sentimentos
Gravados em alta fidelidade
Nas mentes ausentes
Deste mundo
Ao poeta cabe o registro
A saudade
E nada mais...

Célia Rangel

quarta-feira, 22 de março de 2017

Água, uma riqueza natural desvalorizada...


Amo o líquido que me gerou na bolsa das águas maternais

Guardo em mim as bênçãos da água do meu batismo

Utilizo a mesma lembrando aqueles que dela são privados

Até quando seremos insensíveis?



Célia Rangel

segunda-feira, 20 de março de 2017

DENTRO




Esse outono encontrou-me traduzida

Em vida com sabor de afetos concretos

Sem suposições ou ilusões

Realidades apenas.

Lapido pérolas, descarto bijuterias...

Aprecio e desfolho existências reais.

Há um prazer imenso nessa sedução vital!

Águas amorosas hidratam corações

Que se apegam depois da secura do céu...

Ainda que o vento frio enregele corpos

Debruçados sobre nosso amor

Aqueceremos com nossa radiação

Momentos, além do presumível,

Perto ou longe estaremos presos

Imagens...  Sons... Cheiros... Sabores...

Grades do amor que na Terra desfrutaremos

Do Barro ao PÓ.



Célia Rangel

sábado, 18 de março de 2017

VIAGEM


Dentro de mim mora um anjo
Que se disfarça no celestial
Na verdade ele é o oposto

E vem me fustigar

Fui escolhida e nele vivo

Nem sempre concordo com suas intenções

Mas ele assim o quer

Pulso, debato, aponto direções

Mas há um plano a ser efetivado

De nada ou pouco adianta

Ferver em considerações

Ele tem o manual da viagem

E o coloca em prática

Eu sozinha então me retiro

E me afundo em pensamentos

Escolho um tempo decantado no amanhã

Destilando novos caminhos em outros projetos



Celia Rangel

quinta-feira, 16 de março de 2017

SEM LIMITES 




Suave foi minha brisa de verão

Onde pude ver seu vulto

Vagando amorosamente

Na chuva de verão

Fugi na tempestade do final da tarde

Para amenizar a dor da minha saudade

Enrolei-me nas águas e me perdi

Agora serei folha caída no outono

Mas nada terá o poder de me angustiar

De arrebatar minhas forças com regras sociais

Com tranquilidade o Universo me leva ao seu encontro

Respiro nosso desejo de conexão

Na maravilhosa definição de sua existência

Sem  fuga nossas vidas escolheram-se

Arrebatando-nos para outra dimensão

Onde não seremos cobrados, analisados, avaliados

Livres, eternamente livres em nosso amor



Célia Rangel


quarta-feira, 15 de março de 2017

Reflexão

Perguntaram a Jalal ad-Din Muhammad Rumi, mestre espiritual persa do século XIII:

O que é veneno?
- Qualquer coisa além do que precisamos é veneno.
Pode ser poder, preguiça, comida, ego, ambição, medo, raiva, ou o que for.

O que é o medo?
- Não aceitação da incerteza.
Se aceitamos a incerteza, ela se torna aventura.

O que é a inveja?
- Não aceitação do bem no outro.
Se aceitamos o bem, se torna inspiração.

O que é raiva?
- Não aceitação do que está além do nosso controle.
Se aceitamos, se torna tolerância.

O que é ódio?
- Não aceitação das pessoas como elas são.
Se aceitamos incondicionalmente, então se torna amor.

O que é maturidade espiritual?

1. É quando você para de tentar mudar os outros e se concentra em mudar a si mesmo.
2. É quando você aceita as pessoas como elas são.
3. É quando você entende que todos estão certos em sua própria perspectiva.
4. É quando você aprende a "deixar ir".
5. É quando você é capaz de não ter "expectativas" em um relacionamento, e se doa pelo bem de se doar.
6. É quando você entende que o que você faz, você faz para a sua própria paz.
7. É quando você para de provar para o mundo, o quão inteligente você é.
8. É quando você não busca aprovação dos outros.
9. É quando você para de se comparar com os outros.
10. É quando você está em paz consigo mesmo.
11. Maturidade espiritual é quando você é capaz de distinguir entre " precisar " e "querer" e é capaz de deixar ir o seu querer.
E por último, mas mais significativo!
12. Você ganha maturidade espiritual quando você para de anexar "felicidade" em coisas materiais!