quarta-feira, 23 de junho de 2010

O Vento

Soprando levemente meu rosto Deixa uma carícia na pele Envolvente como sua mão Acariciando-me tepidamente.
Ou, como um furacão Na voluptuosidade do desejo Sensação ardente Arrebatando corpo e alma Na tranquilidade da brisa Que acalma e aquece O ninho dos amantes Contemplando a calmaria do amor. Vento, a sensação do prazer! Célia

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário evidencia o seu 'pensar'.
Saiba que aprendo muito com você.
Obrigada, meu abraço,
Célia Rangel,
Autora responsável pelo blog.
Obs.: NÃO POSTAREI COMENTÁRIOS ANÔNIMOS.