sábado, 10 de julho de 2010

Cegueira

Pessoas ou coisas passam por nós e não vemos! Só depois quando não mais estamos juntos é que avaliamos o quanto era bom! Indefinível sentimento esse da cegueira e insensibilidade... Causa uma profunda dor e não há cura imediata Tempo! Mais uma vez ele – o tempo – dá-nos o espaço favorável para o preenchimento de vazio. Suspiramos! Condenamo-nos! De nada mais adianta, pois ficou perdido... na distância da contemplação... momentos por nós descartados. Parecemos autômatos em busca de uma hipócrita felicidade. Pois, se não sabemos valorizar quando estamos nela inseridos, como construí-la? Espaço para desfrutarmos de tudo o que é belo temos, mas preferimos muitas vezes reduzi-lo a lamúrias e sonegações de um amor próprio rançoso... Abrir janelas da alma e do coração! Deixar a brisa encantadora da vida bafejar luminosidade feliz em você... No mínimo, perfeito acolhimento, Em seu celeste intimista. Célia

Um comentário:

Seu comentário evidencia o seu 'pensar'.
Saiba que aprendo muito com você.
Obrigada, meu abraço,
Célia Rangel,
Autora responsável pelo blog.
Obs.: NÃO POSTAREI COMENTÁRIOS ANÔNIMOS.