sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Dia do Palhaço

E eu era criança, Pezinho no chão... Corria atrás do caminhão Que anunciava a chegada do circo na cidade. Se tinha bichos então, mesmo nas jaulas, a sensação era redobrada! A diversão começava bem antes do espetáculo... Até porque dinheiro era pouco, E quando era levada ao mesmo, Era sabor de “disneylândia”!! Pernas de pau... Palhaços... Bailarinas... Domadoras... Globo da morte! A charanga explodindo no picadeiro! A bandinha de pierrôs desafinados! Pirulitos de caramelo, Pipocas e picolés, Tudo tinha outro sabor Na minha infância... Hoje morre isso tudo... Nasce a criança tecnológica! Escrava de um teclado, E de jogos eletrônicos. O circo morreu. Ficou apenas na lembrança... O Arrelia... O Xereta... O Espirro... O Atchim... O Carequinha... O Torresmo... O Carlitos (Charlie Chaplin)... O Tiririca... este se prostituiu... politicamente incorreto! E eu ainda sou criança... Tenho fantasias no picadeiro... Dou meus saltos radicais e acrobáticos, Para seguir na dignidade da vida! Sem palhaçadas... só realidade!

Um comentário:

  1. Ai amiga, parece que ainda sinto o cheiro e o sabor daquilo tudo, imagem viva, não se apaga. Como era bom!!!!!!!!

    ResponderExcluir

Seu comentário evidencia o seu 'pensar'.
Saiba que aprendo muito com você.
Obrigada, meu abraço,
Célia Rangel,
Autora responsável pelo blog.
Obs.: NÃO POSTAREI COMENTÁRIOS ANÔNIMOS.