sábado, 28 de maio de 2011

Finais confissões

Meu perfume
... é o teu perfume.
O ar cítrico e amadeirado,
reporta-me à
sensações alucinantes.
Na doçura da entrega,
um incenso a nos benzer.
Onde palavras não expressam,
e as músicas não enlevam,
ao momento mágico.
Ah! O coração! Este, descompassado
na arritmia da sensualidade,
degenera-se.
Do diálogo ficaremos no monólogo.
E, na fuga da solidão morrerei
sublimando seu amor.
Silencio-me em sono profundo.
Improviso novo perfume...
O meu - rosas!



Célia

Um comentário:

Seu comentário evidencia o seu 'pensar'.
Saiba que aprendo muito com você.
Obrigada, meu abraço,
Célia Rangel,
Autora responsável pelo blog.
Obs.: NÃO POSTAREI COMENTÁRIOS ANÔNIMOS.