sexta-feira, 13 de maio de 2011

XVIII

espelhos, espelhos
existe alguém mais narciso que o poeta?

mais danado mais cínico mais cachorro
desprezível avarento?

que entrega o mundo
à mira de um único papel?
que entrega apenas um papel ao mundo?

e se mira rindo como se fora grande
e inventasse tudo?

como se tivesse nos bolsos sonhos
e se os sonhos todos
coubessem no fundo de uma gaveta velha
e se todos os poemas coubessem
no fundo de um prazer profundo

Fonte: "atrás do osso" - Thelma Guedes - (http://pt.wikipedia.org/wiki/ThelmaGuedes )

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário evidencia o seu 'pensar'.
Saiba que aprendo muito com você.
Obrigada, meu abraço,
Célia Rangel,
Autora responsável pelo blog.
Obs.: NÃO POSTAREI COMENTÁRIOS ANÔNIMOS.