sexta-feira, 24 de junho de 2011

"Livro de cabeceira"...

Mulheres que correm com os lobos - de Clarissa Pinkola Estés - tornou-se meu livro conselheiro. Destaco hoje esse fragmento (pág.: 355) para meditarmos:

..."A mulher tem de se afastar, ficar sozinha e examinar, para início de conversa, como ficou presa a um arquétipo. É preciso resgatar e desenvolver o instinto selvagem básico que determina os limites "só até aqui e nem um passo a mais, só esse tanto e nem um passo a mais". É assim que a mulher se mantém norteada. É preferível voltar ao lar por algum tempo, mesmo que isso irrite os outros, em vez de ficar, para se deteriorar e acabar indo embora rastejando, em frangalhos. Portanto, mulheres que estão cansadas, que estão temporariamente cheias do mundo, que têm medo de tirar uma folga, têm medo de parar, acordem imediatamente... Embora não se possa realmente voltar para dentro do útero, pode-se retornar ao lar da alma. E não é apenas possível; é indispensável"...

Pensem nisso com carinho: mulheres e homens.

2 comentários:

  1. Parar para refletir que caminho seguir é necessário. Um abraço, Yayá.

    ResponderExcluir
  2. Muito bom meditar neste texto enriquecedor...onde nós mulheres temos o dom aprimorado do conhecimento...bjssssssssss

    ResponderExcluir

Seu comentário evidencia o seu 'pensar'.
Saiba que aprendo muito com você.
Obrigada, meu abraço,
Célia Rangel,
Autora responsável pelo blog.
Obs.: NÃO POSTAREI COMENTÁRIOS ANÔNIMOS.