segunda-feira, 20 de junho de 2011

Vagabundeando

Um coração vagabundo

Anda, vaga, esmola
Torna-se mendicante.

Revolta-se e cala-se.

Até um dia...

Em que nada mais importa

Então, vida pra quê?

Deixa-se centrifugar.

E, vai ponderando,

O que vale e o que não vale.

Perde a energia vital.

E, incólume estende-se

À espera da grande amiga.

Célia.

5 comentários:

  1. Oi. Tudo blz? Estive por aqui e agradeço a visita. Muito legal aqui. Gostei. Apareça sempre que quizer. Beijos e abraços.

    ResponderExcluir
  2. "À espera de uma grande amiga."
    Partimos sempre em busca das amizades...o dificil é encotrar a amiga!!!!!!!!!!!!!
    Bjsssssssss

    ResponderExcluir
  3. A grande amiga mora dentro de você, se escute. Gostei do seu blog! Um abraço, Yayá.

    ResponderExcluir
  4. Essa amiga do final ficou meio incógnita pra mim... mesmo assim, um belo poema, pleno de sensibilidade. Parabéns, Célia.

    ResponderExcluir
  5. Não foi dos meus preferidos...desculpe a sinceridade...E no momento certo ela aparecerá...sem pedir licença ou autorização, portanto, vamos arregaçando as mangas e recarregando as energias!! beijão

    ResponderExcluir

Seu comentário evidencia o seu 'pensar'.
Saiba que aprendo muito com você.
Obrigada, meu abraço,
Célia Rangel,
Autora responsável pelo blog.
Obs.: NÃO POSTAREI COMENTÁRIOS ANÔNIMOS.