segunda-feira, 12 de setembro de 2011

Limites







Não se tem o direito
De roubar sentimentos
Deixe ficar bem
Quem não espera mais nada.

Dourar mentiras
Romancear verdades
Puro jogo de interesses
Na trilha obscura de uma vida.

Remexer profundezas
Almas dilaceradas
Encontro perdido
Qual a saída?

Habitar os limites
Que a vida propôs
Sem poder contestar
Por quê?

Curva-se diante do inusitado
Aceita-se.
Agasalha-se com os retalhos
Corrói-se.

Célia.

14 comentários:

  1. Maravilhosa Célia, quem rouba sentimentos não os consegue para si, tira do outro aquilo que jamais terá, parabéns pelo poema. Temos que resistir a quem deseja nos roubar as afeições e as amizades. Um abraço, Yayá.

    ResponderExcluir
  2. Oi Célia,

    Que belas palavras!! Profundo e de grande sensibilidade!

    Curva-se diante do inusitado. Aceita-se.

    Lindo isso!

    Grande abraço

    ResponderExcluir
  3. Oi, Célia! Também prefiro lidar com a realidade sem enfeites. Nem sempre é fácil, mas compensa. Beijos!

    ResponderExcluir
  4. Estou te visitando e dizer que teu blog está lindo
    Conto com a sua visita.
    ÓTima semana.

    http://in-conditional.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Não podemos apenas conformar-nos: temos de lutar contra aquilo que parece inevitável...pois pode depender de nós o caminho! Não nos devemos curvar...ou deixar "abater"_ sei que é fácil falar...difícil fazer!
    Eu estou a lutar e a rezar para que a saúde do meu marido estabilize! Ele foi operado em Fevereiro a um cancro de intestino e tem de ser novamente operado, em breve; mas eu rezo e tenho Fé: não me deixo "abatar"...por amor a ele.
    Bj
    BShell

    ResponderExcluir
  6. Oi Célia,

    Tão lindos teus versos, como sempre.

    Semear o amor ao vento até pode florescer grandes jardins, mas é da dedicação da rosa que nasce no coração que se obtém as mais belas cores e o mais suave perfume.

    Oferto-lhe um abraço com carinho!

    ResponderExcluir
  7. Minha querida

    Por vezes temos que aceitar as realidades, por mais tristes que sejam.
    Adorei como sempre a profundidade do que escreves e deixo o meu beijinho, agradecendo o carinho que me deixas em cada visita.

    Rosa

    ResponderExcluir
  8. E assim vamos vivendo, não é?
    Muita profundidade, muita compreensão da vida e do momento.

    Parabéns!

    ResponderExcluir
  9. Boa noite venho aqui agradecer os comentários do blog http://drisph.blogspot.com/ parabéns pelo seu blog um abraço e obrigado visite-nos sempre!

    http://drisph.blogspot.com/2011/09/resultado-do-sorteio-do-mes-de-setembro.html#comments

    ResponderExcluir
  10. Célia ler vc é sempre edificante e muito prazeroso, li os outros textos desde meu último comentário para nada perder.

    Curva-se diante do inusitado
    Aceita-se... Profundo!

    Que haja muitas bênçãos em seus caminhos!

    ResponderExcluir
  11. Mahatma Gandhi, Disse. factores que destroem a ser humano.É a Política sem princípios, o Prazer sem compromisso, a Riqueza sem trabalho, la Sabedoria sem carácter, los Negócios sem moral, a Ciência sem humanidade.

    Um beijinho,
    José.

    ResponderExcluir
  12. Bom dia minha linda!
    Depois passarei para comentar seu post...
    agora não dá...só cheiro para absolver o conteúdo...mas eu volto...aguarde!
    bjs de bom dia!

    ResponderExcluir
  13. Célia,
    "Habitar os limites
    Que a vida propôs
    Sem poder contestar
    Por quê?"
    Eu tb gostaria de saber...
    Amei esse seu poema. Parabéns!!!
    Beijos e fique com DEUS!!!

    ResponderExcluir
  14. ...Olá minha amiga das letras !
    Tua poesia chegou como uma navalha na carne...
    "Não se tem o direito
    De roubar sentimentos"...
    Imagine se temos esse poder...como seria nosso universo...amei...
    bjssssssssssssssss

    ResponderExcluir

Seu comentário evidencia o seu 'pensar'.
Saiba que aprendo muito com você.
Obrigada, meu abraço,
Célia Rangel,
Autora responsável pelo blog.
Obs.: NÃO POSTAREI COMENTÁRIOS ANÔNIMOS.