sábado, 3 de dezembro de 2011

Vivemos ou representamos?





A vida nos transforma em:
 
 
- Malabaristas.
- Contorcionistas.
- Equilibristas.
- Trapezistas.
- Mágicos.
- Adestradores de animais.
- Palhaços no picadeiro.
- Apresentadores do imaginário!
Compete-nos descartar com dignidade cada papel,
desligando o piloto automático.
Sermos íntegros e reais não sanguessugas...
Importa-nos, apenas, a autenticidade.

Célia




21 comentários:

  1. Célia

    No que a Vida nos transforma, meu Deus!
    Este teu Poema deixa-nos a reflexão das verdades que fingimos não existirem. Mas somos parte activa e devemos "ouvir" quanto sabemos mas recusamos escutar.
    Parabéns, Amiga.


    Beijos

    SOL
    http://acordarsonhando.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Bom dia Célia querida


    Estamos em constante transformação... sempre!!!
    O que eu acho que é preciso, é que a gente não perca o foco e acabe se transformando no que não somos, só pra agradar...rs

    Adoro seu jeito suave de escrever coisas que nos fazem pensar tanto...

    Beijos e um domingo especial pra você
    Ani

    ResponderExcluir
  3. Celia,que msg mais edificante!Temos mesmo que sair do palco e mostrar nossa verdadeira face!Linda msg!Bjs,

    ResponderExcluir
  4. Olá Célia!

    Mais um bom convite à reflexão. Transformamos a vida e a vida nos transforma. Viver é aprender.

    Um abração e uma boa semana.

    ResponderExcluir
  5. Lindo Célia, a autenticidade é uma forma de viver sem ter de estar o tempo todo preocupado em "ser o que não se é", sendo assim fica mais simples e prático viver!
    Abraços e obrigada por seu comentario em meu blog, pois fiquei feliz de saber que foi professora dos filhos de Sócrates!
    Que honra, pois ele foi mesmo especial, um ídolo!
    Abraços amiga querida!
    Ivone

    ResponderExcluir
  6. Olá Célia!
    Que lindo, nunca tinha pensado nisso, mas vendo bem, acho que já fui um bocadinho disso tudo, e ainda sou, sem o ser, o que mais gostei de fazer, foi educar um cãozinho que encontrei no caixote do lixo, para ai com dois meses de idade, ainda não há um ano que morreu, teve 14 anos na nossa casa, morreu com insuficiência renal. A minha mulher dava-lhe muitos mais carinhos do que eu, e ele obedecia mais a mim do que ala, ela dizia que era de agradecidamente por eu lhe ter salvo a vida, eu creio que era por eu também lhe impor regras. Ainda hoje os meus olhos ficam húmidos quando penso nele.

    Uma boa semana,
    Um beijinho grande,
    José.

    ResponderExcluir
  7. Olá amiga. Belo! Importanos apenas a autenticidade. Vc disse tudo! Bjos no seu coração.

    ResponderExcluir
  8. lindo, perfeito. estamos que estar sempre prontos para todos os "papéis" que a vida nos presentear, e sempre agradecer por cada momento vivido .

    ResponderExcluir
  9. Boa noite, Célia. De fato a vida faz com que atuemos em diversos papéis, deixando vez em quando a autenticidade de lado.
    Ser autêntico é maravilhoso, sermos fiéis ao que sentimos e pensamos, mas muitas vezes somos impedidos em exercer essa virtude.
    Um beijo grande, e excelente semana de paz!

    ResponderExcluir
  10. Minha querida

    Apenas nós sabemos o caminho a seguir...como sempre um convite à reflexão.

    Deixo um beijinho com carinho
    Sonhadora

    ResponderExcluir
  11. Representamos, Célia, representamos. Sempre. Até nos sonhos.

    Beijinho

    ResponderExcluir
  12. Gostei do palhaço no picadeiro.

    Abraço

    ResponderExcluir
  13. BRAVO! CÉLIA... AUTENTICIDADE SEMPRE,NA MEDIDA CERTA PARA NÃO FERIRMOS NUNCA!!!!
    ABRAÇO

    ResponderExcluir
  14. Infelizmente a vida às vêzes nos faz representar papéis, embora lutemos para que não aconteça, quando vemos já estamos representando, temos que lutar e sermos autênticos mesmo nos custando alguns dissabores. Beijos

    ResponderExcluir
  15. Bom dia minha amiga das letras!
    Amiga carinhosa,nas palavras que sempre dirige a mim...
    Fico sempre a me questionar como nos batemos tão bem nesse mundo virtual,kkkkkkkkkkkkk,fazer o que?
    Carregar sempre essa amizade,kkkkkkkk,não é mesmo?
    Vc é divina nas escritas...aplausos querida ...
    Bjs

    ResponderExcluir
  16. Quero fazer o papel de mim mesmo! Ótima reflexão, Célia.

    ResponderExcluir
  17. Muito boa tarde Amiga
    Desculpe pelo meu silencio, não tem sido por esquecimento, mas por conta do momento que estou vivenciando!
    Tem coisas que só o tempo pode curar , para poder voltar a sorrir ao vir lhe visitar.

    Natal
    É a reconciliação com o nosso coração, renovando o nosso interior com a força do Amor.
    Natal
    É aprender a reconhecer nossas faltas e nos perdoar pela nossa imperfeição humana, assumindo o compromisso da nossa renovação espiritual.

    Tenha uma linda Semana coberta de muita paz e amor
    Abraço amigo
    Maria Alice

    ResponderExcluir
  18. Oi Célia,
    Caso contrário viveremos como robôs.
    Importante que sejamos nós mesmos. Ser autêntico é ser verdadeiro.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  19. Oi, grande amiga Célia!
    Cada um tem sua idiossincrasia.
    Acredito que vivemos representado vários papéis inclusive de nós mesmo o tempo todo. Talvez nisso esteja a graça da vida.

    Parabéns pela sabedoria!

    Abraços do amigo de sempre!

    ResponderExcluir
  20. Com certeza,Célia!
    Sou autêntica, honesta, caso contrário como poderíamos escrever? Fazer poemas, artigos, crônicas? Fingir nossas emoções? Seria uma pobreza total! Vale a pena ser honestos, íntegros, independentes dos outros serem ou não. Bjo grande
    Ivana.

    ResponderExcluir
  21. às vezes acho difícil ser eu mesma, face a tantas Ritas que eu carrego em mim.
    Daí o :"mim ser eu mesma".
    Quando sai alguma coisa errada, dou uma de Jane ou de Xita mesmo.
    Grande abraço. Célia!

    ResponderExcluir

Seu comentário evidencia o seu 'pensar'.
Saiba que aprendo muito com você.
Obrigada, meu abraço,
Célia Rangel,
Autora responsável pelo blog.
Obs.: NÃO POSTAREI COMENTÁRIOS ANÔNIMOS.