segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Cantigas de roda

Minha trilha sonora na infância já me dizia muito! Só agora é que fui me dar conta das minhas brincadeiras com as cantigas de roda! E, o muito que elas me diziam, desde então!
“Aonde vai Maria... Oh! Mariazinha entrará na roda, ficará sozinha...”
“Ciranda, cirandinha... vamos todos cirandar... vamos dar a meia volta, volta e meia vamos dar... O anel que tu me destes era vidro e se quebrou... o amor que tu me tinhas era pouco e se acabou...”
“O cravo brigou com a rosa debaixo de uma sacada, o cravo saiu ferido e a rosa despedaçada”...
“O pião entrou na roda o pião... o pião entrou na roda o pião... roda pião... bambeia o pião...”
“A barata diz que tem sete saias de filó... É mentira da barata, ela tem é uma só...Ah ra ra, iá ro ró, ela tem é uma só”... “Quem quer casar com a senhora baratinha que tem fita no cabelo e dinheiro na caixinha”... “A canoa virou... Pois deixaram ela virar...Foi por causa de Maria... Que não soube remar...
Se eu fosse um peixinho... E soubesse nadar... Eu tirava a Maria... Do fundo do mar”... “Escravos de Jó jogavam caxangá... Tira, bota deixa o Zé Pereira ficar... Guerreiros com guerreiros fazem zigue zigue za”... “Eu sou pobre, pobre, pobre... De marré, marré, marré... Eu sou pobre, pobre, pobre...De marré desci... Eu sou rica, rica, rica... De marré, marré, marré... Eu sou rica, rica, rica... De marré desci”... “Samba Lelê está doente... Está com a cabeça quebrada... Samba Lelê precisava... De umas boas lambadas...Samba , samba, Samba ô Lelê... Pisa na barra da saia ô Lalá”... Assim... é a vida entre canções e sufocos vamos “como se fora brincadeira de roda” – composição de Gonzaguinha na voz da Elis Regina - ... A memória... o jogo do trabalho... o suor dos corpos... Magia! Que acaba nas lambadas da vida... do Samba Lelê... doente e fragilizado... Pueril e melancólico...
Célia ©Direitos Reservados

domingo, 30 de janeiro de 2011

Dia da Saudade...

Saudade, ... De você, ... De mim, ... De nós. União marcada por um amor, Que de tão grande Não coube em nossas vidas. Partiu metade. A outra metade busca por ... Você. Tropeçam-se muitas vezes em pensamentos, Uma e outra metade. O amor? Grande ainda... Enorme! Vibra no coração! Morada de uma grande saudade. Infinitamente carinho. Infinitamente paixão. Infinitamente adoração. Infinitamente... Nada nos separa... Juntos, seguiremos ao infinito! Célia.
©Direitos Reservados

sábado, 29 de janeiro de 2011

Amor incondicional

Silenciei-me e, conclui que, ser boazinha, Disciplinada, submissa... elimina a alma da mulher. Retorno com a altivez do aprendizado. Fecho meus sentidos para o destrutivo... Ao invés de tentar viver com ele, extermino-o. Mais reflexiva, menos animalesca, Retiro-me da primariedade do ser E, invado a planície da sabedoria e da serenidade. Encontro a paz! Reajo, mostro, mudo, combato, tolero muito mais O que não está certo... o que não é justo, Valores passados de geração em geração, nem sempre convincentes, Floresce a apatia, o tédio, a complacência, a cegueira, a aceitação... Valorizo imensamente a liberdade, o fluir do outro em sua completude... Sem meias palavras... sem meias atitudes... entrego-me... Ao amor, à arte, à fé, a uma vida lentamente construída na dignidade. Não quero, não posso viver uma vida pela metade... Sou inteira... pouco resta... Célia
©Direitos Reservados

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Reflexão...

BIG BROTHER BRASIL (Luiz Fernando Veríssimo) Que me perdoem os ávidos telespectadores do Big Brother Brasil (BBB), produzido e organizado pela nossa distinta Rede Globo, mas conseguimos chegar ao fundo do poço...A décima primeira (está indo longe!) edição do BBB é uma síntese do que há de pior na TV brasileira. Chega a ser difícil,... encontrar as palavras adequadas para qualificar tamanho atentado à nossa modesta inteligência. Dizem que em Roma, um dos maiores impérios que o mundo conheceu, teve seu fim marcado pela depravação dos valores morais do seu povo, principalmente pela banalização do sexo. O BBB é a pura e suprema banalização do sexo. Impossível assistir, ver este programa ao lado dos filhos. Gays, lésbicas, heteros... todos, na mesma casa, a casa dos “heróis”, como são chamados por Pedro Bial. Não tenho nada contra gays, acho que cada um faz da vida o que quer, mas sou contra safadeza ao vivo na TV, seja entre homossexuais ou heterosexuais. O BBB é a realidade em busca do IBOPE... Veja como Pedro Bial tratou os participantes do BBB. Ele prometeu um “zoológico humano divertido” . Não sei se será divertido, mas parece bem variado na sua mistura de clichês e figuras típicas. Pergunto-me, por exemplo, como um jornalista, documentarista e escritor como Pedro Bial que, faça-se justiça, cobriu a Queda do Muro de Berlim, se submete a ser apresentador de um programa desse nível. Em um e-mail que recebi há pouco tempo, Bial escreve maravilhosamente bem sobre a perda do humorista Bussunda referindo-se à pena de se morrer tão cedo. Eu gostaria de perguntar, se ele não pensa que esse programa é a morte da cultura, de valores e princípios, da moral, da ética e da dignidade. Outro dia, durante o intervalo de uma programação da Globo, um outro repórter acéfalo do BBB disse que, para ganhar o prêmio de um milhão e meio de reais, um Big Brother tem um caminho árduo pela frente, chamando-os de heróis. Caminho árduo? Heróis? São esses nossos exemplos de heróis? Caminho árduo para mim é aquele percorrido por milhões de brasileiros: profissionais da saúde, professores da rede pública (aliás, todos os professores), carteiros, lixeiros e tantos outros trabalhadores incansáveis que, diariamente, passam horas exercendo suas funções com dedicação, competência e amor, quase sempre mal remunerados.. Heróis, são milhares de brasileiros que sequer têm um prato de comida por dia e um colchão decente para dormir e conseguem sobreviver a isso, todo santo dia. Heróis, são crianças e adultos que lutam contra doenças complicadíssimas porque não tiveram chance de ter uma vida mais saudável e digna. Heróis, são aqueles que, apesar de ganharem um salário mínimo, pagam suas contas, restando apenas dezesseis reais para alimentação, como mostrado em outra reportagem apresentada, meses atrás pela própria Rede Globo. O Big Brother Brasil não é um programa cultural, nem educativo, não acrescenta informações e conhecimentos intelectuais aos telespectadores, nem aos participantes, e não há qualquer outro estímulo como, por exemplo, o incentivo ao esporte, à música, à criatividade ou ao ensino de conceitos como valor, ética, trabalho e moral. E ai vem algum psicólogo de vanguarda e me diz que o BBB ajuda a "entender o comportamento humano". Ah, tenha dó!!! Veja o que está por de tra$$$$$$$$$$$$$$$$ do BBB: José Neumani da Rádio Jovem Pan, fez um cálculo de que se vinte e nove milhões de pessoas ligarem a cada paredão, com o custo da ligação a trinta centavos, a Rede Globo e a Telefônica arrecadam oito milhões e setecentos mil reais. Eu vou repetir: oito milhões e setecentos mil reais a cada paredão. Já imaginaram quanto poderia ser feito com essa quantia se fosse dedicada a programas de inclusão social: moradia, alimentação, ensino e saúde de muitos brasileiros? (Poderiam ser feitas mais de 520 casas populares; ou comprar mais de 5.000 computadores!) Essas palavras não são de revolta ou protesto, mas de vergonha e indignação, por ver tamanha aberração ter milhões de telespectadores. Em vez de assistir ao BBB, que tal ler um livro, um poema de Mário Quintana ou de Neruda ou qualquer outra coisa..., ler a Bíblia, orar, meditar, passear com os filhos, ir ao cinema..., estudar... , ouvir boa música..., cuidar das flores e jardins... , telefonar para um amigo... , visitar os avós... , pescar..., brincar com as crianças... , namorar... ou simplesmente dormir. Assistir ao BBB é ajudar a Globo a ganhar rios de dinheiro e destruir o que ainda resta dos valores sobre os quais foi construída nossa sociedade. Um abismo chama outro abismo.

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

...de fragilidades... e fugacidades...

Fanatismo Minh’alma, de sonhar-te, anda perdida Meus olhos andam cegos de te ver! Não és sequer razão de meu viver, Pois que tu és já toda a minha vida! Não vejo nada assim enlouquecida… Passo no mundo, meu Amor, a ler No misterioso livro do teu ser A mesma história tantas vezes lida! “Tudo no mundo é frágil, tudo passa…” Quando me dizem isto, toda a graça Duma boca divina fala em mim! E, olhos postos em ti, vivo de rastros: “Ah! Podem voar mundos, morrer astros, Que tu és como Deus: princípio e fim!…” (Florbela Espanca)

terça-feira, 25 de janeiro de 2011

SAMPA

Saber amar essa megalópole é necessário muito pouco. Cultivar paciência e muita ilusão... como em todo amor!
Acolheu-me para desenvolver meus sonhos e ideais pessoais, emocionais e, profissionais. Nela aprendi a ser gente. Cresci.
Maior que seu tamanho são seus problemas! Talvez, por ser o berço das diversidades. É inclusiva, por excelência.
Palpita noite e dia... não dorme... um coração gigante... sofre de taquicardia, hipertensão, refluxos diversos e, muita muita agressividade!
Amo-a no tamanho certo de suas dificuldades e defeitos... Muito usada requer revisão e recall constante... mas a gestão da mesma é muito deficitária. Os gestores amedrontam-se diante de seu gigantismo. Célia

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Licença para amar

Espaço sóbrio entre pessoas. Nobre, entre seres de luz. Infinito, entre almas. Templo único, no olhar. Redimensiona imagens, Reflete interiores, Aprofunda relações. No amor amigo... No amor cúmplice... No amor doação... Que cuida, zela e acaricia. Neurônios espirituais... Alimentando-os nessa e na outra vida. Não há licença mais sublime! Que a invasão amada e possuída. Eterna!
Célia

sábado, 22 de janeiro de 2011

Crônica ao anoitecer...

O Chapeuzinho vermelho... Os Sapatinhos de cristal... O Romeu e a Julieta! De todas nós... Ah! Minhas amigas... se a vida fosse um conto de fadas!! Maravilha seria! O chapeuzinho muda de cor; os sapatinhos viram sandálias havaianas; e o Romeu e Julieta vira goiabada com queijo... É isso mesmo. Sem tirar nem por. É a grande realidade! Frustrante? Não sei. Mas é a verdade nua e crua! O principal é não deixar morrer nossa perspicácia em detectar os predadores em nossas vidas. Claro que somos capazes de mudar a cor do nosso chapeuzinho... Fugirmos do lobo mau... Usarmos grife com classe... Apenas é uma questão de escolha. De bruxa e de fada todas nós temos muito. Sabemos despertar qualquer uma das facetas. Num passe de mágica vamos do céu ao inferno. E, com um detalhe... carregamos quem estiver próximo! Tempo da mulher escrava, submissa ao “seu senhor” há muito está em desuso, apesar de ainda alguns machos animalescos. São vidas frágeis que só se encontram subjugando ou no poder de chefia empresarial ou doméstica. Mas a mulher saiu e foi em busca de sua vida profissional além de cama, mesa, pilotar fogão e ser babá... Hoje ela estuda, se prepara disputa ombro a ombro com o masculino sem perder sua feminilidade e um detalhe, gosta e muito do afeto, do apoio, do ombro amigo de um homem que a complete. Ai sim se torna um ciclo vital e saudável para ambos. Complementa dessa forma uma família autêntica onde seus parceiros “cúmplices” se envolvem em direitos, deveres, responsabilidades tudo regado com amor pleno e sábio. Pense nisso. Célia.

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

Reinventar-se

Gerados de uma forma. Criados de outra. Moldados segundo costumes... Educação recebida nem sempre ideal... Guinada de 360º e, refazer-nos. Pensar em um novo modelo. Dar vida, vez e voz ao mesmo. Registrar sua patente, única! Sendo o que mais você quis: Seu desejo. Sua vontade. Sua aspiração. Às favas desejos alheios! Apenas os meus bastam... Assim, sou feliz e completo, Distribuo energia e exemplo, De uma existência íntegra! Agora, reconheço-me!
Célia

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

Meu reino encantado

Interessante que na minha terceira infância... resolvi brincar diferente! Na primeira, eu balbuciava e engatinhava... Na segunda, ajuntava letrinhas e corria o mundo... De repente, percebo o quanto de alegria, expressividade, disponibilidade na leitura, no ato de escrever e dizer o que quero e como quero na maturidade da terceira infância!
Como é bom brincar, mesmo que agora, em marcha lenta! O lúdico ainda me atrai! Sem limites! E, brincar com palavras, mais ainda! Elogiar, raciocinar, filosofar, alfinetar, orientar, amar através e além das palavras é encantador! Um tesouro que poucos valorizam. Livros, teclado, lápis e papel, meus melhores brinquedos!
Quando leio transporto-me à fantasias nostálgicas ou alegres, que me invadem. Sonhos, que se misturam à realidade! Quanto aprendi e aprendo através das leituras! Assim, plasmei minha vida: no transcendentalismo...
No dia em que as pessoas descobrirem que também precisam alimentar mente e espírito, verão a potência em que se transformarão...
Pensamento livre! Coerência nas ideias e nos ideais. Posicionamento seguro. Sem manipulações. Exercício real da liberdade de expressão. Isso é show! Fantástico!
Na tranquilidade dos meus olhos, das minhas mãos, da minha mente vou devorando imagens mentais, verbais e extraverbais... Herança, patrimônio que é só meu... Não há senha, não há depósito bancário, não há como sequestrar, não há roubo. Exclusividade que sinalizo a todos para que sigam por esse caminho... Aquisição do conhecimento enriquece o espírito de tal forma, que o corpo rejuvenesce. Fica lindo!Pleno!Mágico!
Célia.

terça-feira, 18 de janeiro de 2011

Vida & Catástrofes...

Brinquedos esfacelados... Vidas interrompidas... Olhares assustados ... Passos divagantes... Desespero atroz... Mãos suplicantes... Lágrimas sangrentas, Jorram de espíritos sofridos. É o Planeta destruído pelo Homem! E, os magnatas em seus gabinetes Reúnem-se para tomada de posições! Esquecem-se que enquanto burocráticos, Carne, ossos, pessoas gemem, apodrecem, sofrem No mais alto grau de desconsideração humana! A melhor das casas, suas vidas... ruíram-se! Até quando esse filme? Célia

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

Alienada ou seletiva

Há meses atrás estávamos diante de altares com “santos” que benignamente prometiam... Eleitos foram... salários polpudos... e o povo, ó... tudo novamente se repete... mudam-se as moscas, mas a ... é a mesma!! Envolvido nas promessas de dias melhores, o povo correu às lojas e endividaram-se nos cartões e boletos para um Feliz Natal e um Ano Novo Fabuloso... Que nada! Amanheceu o dia, passou-se o Natal e o papai-noel deixou dívidas espalhadas por todo canto... Ai para camuflar isso tudo, a posse! Festas. Luxo. Pompa. E tudo volta a ser como antes... o povo nos subúrbios, nos metrôs, nas megalópoles lutando contra o relógio vencendo desafios do trânsito cada vez mais caótico para chegar ao emprego... Única forma de amenizar tantas dívidas! Mas, calma minha gente: veja bem... Ronaldinho vem ou não vem? Quanto vale? Dou-lhe uma... dou-lhe duas... dou-lhe três... bateu-se o martelo! Incrível salário onde assalariados mínimos correrão aos estádios em busca de um lazer e, assim, colaborar para engordar a conta bancária de quem quer voltar para o Brasil, mas a peso de euros! Fora da nossa realidade! Nisso tudo corre por fora a “Plim-Plim” “passionata em sua passione” e seu IBOPE... Então eis que surge o 'Big Bosta Br'... ai sim completou a alienação... Socorro parem o mundo que eu quero descer... Tragédias naturais? Temporais? Deslizamentos? Mortes? Mais uma vez palco de politicagem! Há quantos anos ouço, vejo discursos sobre intempéries e solução necas! À beira mar... à beira rios... o povo foi morar: uns por necessidade e, outros pelo luxo de ter sua casa de praia, de campo! Em segundos... tudo foi lama abaixo! Deus, onde está? Ou, estaremos nós em habitat errado? Ah! Como tudo isso me entristece, pois sou mais uma a gritar no deserto! Realmente, tá na hora de juntar meus trapos e dar o fora... pois ser seletiva causa asco para quem nos olha... e ainda somos taxados de alienados! Meu vulcão interior entra em erupção! Não dá. Fui! Célia

quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

Descobertas

Fazer diagnóstico da vida... É descobrir fatos, coisas e pessoas, Que revolucionam toda uma existência. Na serenidade invadem uma verdade Que vivia abafada, consumida, morta... Brota borbulhante e límpida como fonte, Abastece alma e coração, Matam a tranquilidade... Quando tudo parecia arrumado, Desce uma cachoeira de emoções, Que vai moldando rudezas, Transformando sentimentos, Encorajando novos rumos, Novas pistas de fuga. Desvio? É melhor... Ficar na obscuridade que expor-se a novas descobertas? Assim, perde-se no ímpeto da fuga, o prazer de novas sensações! Célia

terça-feira, 11 de janeiro de 2011

O Suficiente

Na transitoriedade da vida Internalizando hábitos de gerações Sempre estamos em busca de... Coisas boas para amparar-nos. Esquecemos-nos de ter somente o suficiente... Aquilo que nos basta para sermos felizes: Um lindo sol que aqueça nossas ilusões e sonhos, Uma calma chuva que germine nossos projetos, Uma magnífica lua que ampare nossa magia de amar... Uma pessoa fiel e cúmplice do nosso ideal de vida, Uma vida inteiramente íntegra para toda sua existência... Pense: basta o suficiente... VOCÊ! Célia

sábado, 8 de janeiro de 2011

Testamento

Para os que me amam, deixo meu coração Carregadinho de sentimentos sensualmente puros. Para os que me odeiam, deixo o meu fígado Intoxicado pelas amarguras que me fizeram. Para os que sabem me olhar, deixo meus olhos Azuis, quando calmos e verdes, quando excitados. Para os que carreguei, deixo minha coluna Sinuosa pelo peso descomunal enfrentado. Para os que amei, deixo minhas vísceras Pois será nas minhas entranhas que nunca os esquecerei.
Para os que me entenderam, ou não, deixo o meu caráter Que soube relevar, reagir e ser muito ético diante das tempestades humanas. Já, a minha alma, não a doo à ninguém... levo-a comigo e, entregá-la-ei a Deus. Vou em paz... não se preocupem... estou bem... estarei sempre bem. O que sobrar como ossos e carne fétidos deverão ser cremados e diluídos no mar. Iemanjá e Nossa Senhora saberão contemplar... Célia

quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

Tudo novo... de novo...

Amanhecia com mil e uma ideias na mente. Queria o diferente. Estava cansada das mesmices. Resolveu então injetar novo ânimo na vida. Foi em busca de... Não sabia bem por onde começar... Apenas sonhava com um ano que realmente fosse novo! Na televisão só via discursos, subidas e descidas de rampas governamentais. Ouvia discussões de que o aumento do salário mínimo quebraria o país se ultrapassasse a faixa dos seiscentos reais! E, comparava com o aumento dos políticos em geral! Quanta discrepância... E, pensava: deveriam orçar o salário deles também no piso salarial dos trabalhadores em geral. Ai sim queria ver! As viagens... as moradias de luxo... os desfiles em carrões... as recepções... enfim, todas as mordomias que vão adquirindo quando de uma gestão política... Quando saem, são onze... doze caminhões de mudança para transportar todos os bens materiais... Até porque bens intelectuais, espirituais, além de não precisarem desse tipo de transporte, os mesmos não os têm! Saem chorosos... onde concluo que a “teta” governamental é abundante! E, as promessas então! Tudo será melhor! Novas propostas. No papel. No discurso. Na prática continuamos vendo moradias de quem nada tem desabar em época das chuvas, estradas abrindo crateras, esgotos a céu aberto, crianças com olhares de pedintes de um dia melhor! Isso tudo sem falar que o papai-noel não anda nessas periferias da vida! Alguns empresários para diminuírem suas cargas tributárias na declaração de imposto de renda correm por ai em ações tidas filantrópicas, distribuindo bonecas, bolas e deficitárias cestas básicas em geral, para matar a fome de um dia apenas... Nos demais, virem-se! Ah! E, o meu povo correndo na rua tomando chuva para ver num Rolls Royce desfile de mais um que sobe a rampa. Bem, dessa vez é mulher. Espero que a sensibilidade da mesma não nos decepcione ao ponto de nos envergonharmos da nossa feminilidade e competência. Ai sim será “tudo novo... de novo”... Damos crédito. Mas, vamos cobrar. Célia

terça-feira, 4 de janeiro de 2011

Paisagens diversas...

Na paisagem da vida Encontros e desencontros Ilusões e desilusões Naturais. Na paisagem da alma Ternura e deslumbramentos De vidas que se doam Espontaneamente. Sábia é a natureza De homens e mulheres Que se doam Apaixonadamente. Na paisagem da meditação Sons que embalam a razão Do existir, da esperança No encantamento. Na paisagem da despedida O afago e a certeza Do reencontro Certamente. Célia

domingo, 2 de janeiro de 2011

Esperança!

“Queridas brasileiras e queridos brasileiros, junto com a erradicação da miséria, será prioridade do meu governo a luta pela qualidade da educação, da saúde e da segurança. Nas últimas décadas, o Brasil universalizou o ensino fundamental, porém é preciso melhorar a sua qualidade e aumentar as vagas no ensino infantil e no ensino médio. Para isso, vamos ajudar decididamente os municípios a ampliar a oferta de creches e de pré-escolas. No ensino médio, além do aumento do investimento público, vamos estender a vitoriosa experiência do ProUni para o ensino médio e profissionalizante, acelerando a oferta de milhares de vagas para que nossos jovens recebam uma formação educacional e profissional de qualidade. Mas só existirá ensino de qualidade se o professor e a professora forem tratados como as verdadeiras autoridades da educação, com formação continuada, remuneração adequada e sólido compromisso dos professores e da sociedade com a educação das crianças e dos jovens. Somente com o avanço na qualidade do ensino poderemos formar jovens preparados, de fato, para nos conduzir à sociedade da tecnologia e do conhecimento”. (Fragmento discurso de posse da presidenta Dilma Rousseff) Como educadora, espero que não sejam apenas promessas... Célia.