quinta-feira, 30 de junho de 2011

Se fosse outra...

Como seria meu projeto de vida?
Meu ideal em qual estereótipo?
Minha vocação e minha missão?
Sei que teria você.
Imprescindível.
Sem descartes, sem reciclos.
Originalidade.
Ternura.
Afagabilidade.
Elementos pulsantes de vida.
No encontro ou na despedida,
Fica sempre o querer:
Ter... Ser... Dar...
Sigo assim sendo eu com você,
Ou sem você...
Solto-me nas andanças da vida,
Completo-me.

Célia.

quarta-feira, 29 de junho de 2011

Sagrado

Eu e você, sagrados.
Nós.
Tecemos em finas teias
Eles.
Que depois se vão...
Soltam-se das amarras...
Voam longe!

Mas sempre há o retorno
Deles.
Desorganizam tudo
Em nós.

Perdeu-se o espaço do amor
Sagrado.
Houve mancha e cicatriz,
Eterna marca.

Das paixões e submissões.
Dos medos do oculto,
liberto-me,
caço-me,
encontro-me.

E, na tocaia observo-te...
Frágil em sua alcova...
Sedento de aconchego...
Perdeu-se!

Célia.

terça-feira, 28 de junho de 2011

Raízes

Recriando raízes recordo-me dos “abacaxis” (frutas) que meu pai descascava, fatiava e nos servia sempre com um sorriso no olhar. E, dava-nos uma lição: ... “todas as frutas têm sementes... se o homem comesse a fruta e jogasse a semente na terra nunca nos faltaria o alimento”... Enquanto mamãe empavonava-se com pratinhos e garfinhos para a sobremesa, nós já estávamos deliciando na porta da cozinha, pezinhos no chão sentados na escada que nos conduzia ao quintal. Aliás, nosso quintal era um pomar! Tinha de tudo um pouco e aprendemos a cuidar para nunca faltar.

Ele era sábio! Apenas de observar! Não teve escolas. Nem livros. Muito menos títulos. Mas era o “menino do dedo verde da família”... Plantava e colhia. Alimentava-nos e ainda doava para os vizinhos. Adorava fazer o bem.

Deixou-nos grande lição pelo exemplo e simplicidade. Aliás, era muito reflexivo. Extraia dos acontecimentos lições para a vida. Orgulha-me tê-lo tido como meu pai. 

Célia

segunda-feira, 27 de junho de 2011

Oração à  Nossa Senhora do Perpétuo Socorro
 

Ó Mãe do Perpétuo Socorro, nós vos suplicamos, com toda a força de nosso coração, amparar a cada um de nós em vosso colo materno, nos momentos de insegurança e sofrimento; que o vosso olhar esteja sempre atento para não nos deixar cair em tentação; que em vosso silêncio aprendamos a aquietar nosso coração e fazer a vontade do Pai. Intercedei junto ao Pai pela paz no mundo e em nossas famílias. Abençoai todos os vossos filhos e filhas enfermos.


Iluminai nossos governantes e representantes, para que sejam sempre servidores do grande povo de Deus. Concedei-nos ainda muitas e santas vocações religiosas, sacerdotais e missionárias para a maior difusão do reino de vosso Filho Jesus Cristo. Enfim, derramei nos corações dos vossos filhos e filhas a Vossa bênção de amor e misericórdia. Sede sempre o nosso Perpétuo Socorro na vida e principalmente na hora da morte. Amém.










sábado, 25 de junho de 2011

"Pai, começa o começo"...

Quando eu era criança e pegava uma tangerina para descascar, corria para meu pai e pedia: - “pai, começa o começo!”. O que eu queria era que ele fizesse o primeiro rasgo na casca, o mais difícil e resistente para as minhas pequenas mãos. Depois, sorridente, ele sempre acabava descascando toda a fruta para mim. Mas, outras vezes, eu mesmo tirava o restante da casca a partir daquele primeiro rasgo providencial que ele havia feito.

Meu pai faleceu há muito tempo (e há anos, muitos, aliás) não sou mais criança. Mesmo assim, sinto grande desejo de tê-lo ainda ao meu lado para, pelo menos, “começar o começo” de tantas cascas duras que encontro pelo caminho. Hoje, minhas “tangerinas” são outras. Preciso “descascar” as dificuldades do trabalho, os obstáculos dos relacionamentos com amigos, os problemas no núcleo familiar, o esforço diário que é a construção do casamento, os retoques e pinceladas de sabedoria na imensa arte de viabilizar filhos realizados e felizes, ou então, o enfrentamento sempre tão difícil de doenças, perdas, traumas, separações, mortes, dificuldades financeiras e, até mesmo, as dúvidas e conflitos que nos afligem diante de decisões e desafios.
Em certas ocasiões, minhas tangerinas transformam-se em enormes abacaxis...

Lembro-me, então, que a segurança de ser atendido pelo papai quando lhe pedia para “começar o começo” era o que me dava a certeza que conseguiria chegar até ao último pedacinho da casca e saborear a fruta. O carinho e a atenção que eu recebia do meu pai me levaram a pedir ajuda a Deus, meu Pai do Céu, que nunca morre e sempre está ao meu lado. Meu pai terreno me ensinou que Deus, o Pai do Céu, é eterno e que Seu amor é a garantia das nossas vitórias.
Quando a vida parecer muito grossa e difícil, como a casca de uma tangerina para as mãos frágeis de uma criança, lembre-se de pedir a Deus:

“Pai, começa o começo!”. Ele não só “começará o começo”, mas resolverá toda a situação para você.
Não sei que tipo de dificuldade eu e você estamos enfrentando ou encontraremos pela frente neste ano. Sei apenas que vou me garantir no Amor Eterno de Deus para pedir, sempre que for preciso: “Pai, começa o começo!”.




Autor: NIELSEN - Categoria(s): REFLEXÕES PENSAMENTOS
(Colaboração: Ana Tereza Naspolini, in Alpes - Itália) 



sexta-feira, 24 de junho de 2011

"Livro de cabeceira"...

Mulheres que correm com os lobos - de Clarissa Pinkola Estés - tornou-se meu livro conselheiro. Destaco hoje esse fragmento (pág.: 355) para meditarmos:

..."A mulher tem de se afastar, ficar sozinha e examinar, para início de conversa, como ficou presa a um arquétipo. É preciso resgatar e desenvolver o instinto selvagem básico que determina os limites "só até aqui e nem um passo a mais, só esse tanto e nem um passo a mais". É assim que a mulher se mantém norteada. É preferível voltar ao lar por algum tempo, mesmo que isso irrite os outros, em vez de ficar, para se deteriorar e acabar indo embora rastejando, em frangalhos. Portanto, mulheres que estão cansadas, que estão temporariamente cheias do mundo, que têm medo de tirar uma folga, têm medo de parar, acordem imediatamente... Embora não se possa realmente voltar para dentro do útero, pode-se retornar ao lar da alma. E não é apenas possível; é indispensável"...

Pensem nisso com carinho: mulheres e homens.

quinta-feira, 23 de junho de 2011

Aquecendo o Inverno

C A C H E C O L

Com muito carinho no

Artesanato de minhas mãos

Confeccionei pensamentos em

Horas meditativas

Enlevando-me em orações

Com a finalidade de aquecer

O seu inverno na diversidade das cores

Liame das nossas existências!

Célia

quarta-feira, 22 de junho de 2011

Retorno

Na estrada da vida é difícil encontrarmos um retorno

que seja seguro, viável, tranquilo e acolhedor.

Nas trombadas poucos se salvam e, quando salvos,

esquecem rapidinho o ocorrido.

Então tudo se repete “slow motion”.

Só que a quilometragem finda, e você não progride...

Não vai a lugar nenhum.

Fica no acostamento vendo outros fluírem!

Sua vida, sua obra, seu valor onde está?

Se essa consciência só chega na terceira idade,

Quero minha infância de volta!

Célia


segunda-feira, 20 de junho de 2011

Vagabundeando

Um coração vagabundo

Anda, vaga, esmola
Torna-se mendicante.

Revolta-se e cala-se.

Até um dia...

Em que nada mais importa

Então, vida pra quê?

Deixa-se centrifugar.

E, vai ponderando,

O que vale e o que não vale.

Perde a energia vital.

E, incólume estende-se

À espera da grande amiga.

Célia.

sexta-feira, 17 de junho de 2011

Km 65









Ter com quem dividir sonhos!
Transcender em ebulição de mentes.
Há um desejo envolto em nuvens
de partilhar almejos,
reformar minha casa interna.
Corre perigo de desabamento...
Mas como recebi carinho
fortaleço minha solidão,
no escuro da noite...
Encontrando-me.
Jamais virtual.
Real e chega a doer.
Muitas interrogações (?)
Poucas respostas.
Por que me transformar em trapo
se posso ser um linho cobiçado?
Minha simplicidade desvirgina-se
sob a erupção de um mundo cobrador.
Escrevo, e assim, na confissão, fortaleço-me.
Trombo com minha existência,
às vezes, apavorante outras instigante.
Já não me preocupo mais com minhas falhas.
Não as maquio - existem e me fazem bem.
Apreendo o meu viver...
Depois?
Ah! O depois... quiçá?
Parada obrigatória.

Célia.

segunda-feira, 13 de junho de 2011

Colorindo a vida







Protagonizando minha vida
uso paleta multicor e variados pincéis.
A cada momento - uma cor:
o amor em azul,
a tristeza em cinza,
as paredes internas
consagro em vermelho.
O olhar em verde esperança
de um saber viver em amarelo ouro.
Na meditação um roxo contido
que pisa no marrom terra firme.
A vida, um arco-íris completo!
Sá assim me consagro
como "bonne vie".
Purifico-me em branco para não ser devorada
por uma decadência de intelectos sanguessugas...
E assim, pratico a sagrada arte da despreocupação,
destituindo-me dos bens materiais e entulhos viventes.
Acrescento o impensável vivendo e irradiando amor...
Nada mais!

Célia. 

domingo, 12 de junho de 2011

Plagiando Roberto...






O meu amor por você

 ... “Eu tenho tanto pra lhe falar

 E com palavras e gestos eu sei dizer

 Como é grande o meu amor por você

 O céu, as estrelas, o mar, o infinito e

Deus...

São testemunhas desse amor

Como é grande o meu amor por você”...


Célia






quarta-feira, 8 de junho de 2011

AMAR ou RAMA?

(... plante AMOR e sua árvore distribuirá lindas ramas...)











Quem ama não precisa de um dia
para nutrir seu amor, mas de todos!
Amor é energia que move a vida.
E vida é constante.
Assim como cuidamos da mesma
devemos cultivar o nosso amor...
Um amor inteiro, doado,
nunca cobrado ou mendigado...
Ama-se simplesmente
sem amarras...
Ama-se com liberdade!
O precioso sêmen do amor
não vem de nenhuma genitália.
Aporta-se na alma ejaculando no coração.
É a força da vida que de repente
escapa-nos entre os dedos.

Célia

domingo, 5 de junho de 2011

Habita-me uma estranha...







Ao vacilar de uma vida
pouso sobre um tênue fio
e, me vejo especulando
fisionomias, formas, saberes,
e, sentimentos...

Às vezes me vejo múltipla.
Outras tantas, um acaso.
Estranho-me.

Reconsidero em autoanálise
e percebo minha evolução
em tentáculos espirituais
fortaleza para meu ego.

Saudades de mim...

Célia

quinta-feira, 2 de junho de 2011

Expertise













Meu Yin meu Yang
Equilíbrio
Vida.

Yin Yang
Lua e Sol
Luminosidade.

Yin Yang
Sintonia única
Maravilhamento.

Yin Yang
Poros amorosos
Cumplicidade.

Yin Yang
Força duplicada
Simbiose.

Yin Yang
Incompatíveis
Desuniões.

Yin Yang
Claro, dócil.
Escuro, inflexível.

Yin sóbrio
repousa-me.

Yang agitado
clarifica-me.

Yin contemplativo
complexa-me.

Yang criativo
racionaliza-me.

Yin Yang
Minha vida mental
Sonhos.

Yin Yang
Espectadora ou Participante?
Biófila.

Célia.

quarta-feira, 1 de junho de 2011

Itinerante








Andei pelo mundo
e só você
trouxe-me a alegria de viver.

Cantei em minha vida
e só você
soube entoar meu tom.

Sofri em minha existência
e só você
soube cicatrizar-me.

Desfragmentei vidas passadas
e só você
faz parte da minha vida hoje.

Sem manipulações mentais
amo
só você.

Célia