segunda-feira, 31 de outubro de 2011

De alma lavada



Diluindo sonhos.
Resignando-me à realidade.
Colho alegrias.

Rubricando novo existir...
Em magia  alquímica,
testo novas fórmulas, e
acrescento saudáveis prazeres.

Deixo-me levar pelos alísios,
desfilo por alhures.

Sua voz, meu aconchego, uma oração.
Seu olhar, a certeza do seu amor.
Protegem-me da insegurança.

Migrando feito pássaro
sobrevoo a poesia - lenitivo para viver.

Célia

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Colaborem, por favor!





Amigos!

Segue o link para que possam votar no desenho da aluna Mariline Schab (2° ano EM). Ele foi selecionado e está entre os dez melhores do Brasil para ser premiado no concurso artístico referente ao Ano Internacional da Química, promovido pela UNESCO.


O desenho é acompanhado com a frase: “O homem é o responsável pela evolução do universo e a diminuição da ignorância, e das dores da humanidade”.

Contamos e, agradecemos, sua valiosa colaboração!
Colégio Marista Pio XII

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Não nasci à toa... sei a que vim.



Da infinitude celeste
um meteoro,
vida nova.

Nos sonhos
símbolos,
novas metáforas.

Nova percepção
na solidão,
a sabedoria.

No silêncio
esperar
novas emoções.

Pensamentos
entrelaçados,
vida que perdura.


Célia Rangel.


segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Próxima parada

Celebrar e agradecer

Hoje, quero celebrar minha próxima parada, rumo ao quilômetro 66 da vida. Em alguns momentos, em marcha lenta, entristecida por acontecimentos; em outros, recobrada e amparada pela fé, amigos e meu meditar, avanço o sinal verde para prosseguir minha obra terrena. Construir meu paraíso aqui e agora. No sinal amarelo retenho-me em atenção a fatos e atos.  A sabedoria indica-me com serenidade o vermelho “PARE”... e quando puder, prossiga. 
Uma vida completa. Com sabores e dissabores normais a todo ser vivente não vegetativo. A todos eles agradeço, pois com os momentos de felicidade alegrei-me contagiando aos meus; e  com os menos alegres aprendi a viver no enfrentamento dos desafios.

Muitas foram as finalizações em minha vida. Nem todas satisfatórias. Mas, divinamente necessárias. Internalizadas, todas.

Ficou em mim a ternura pelo viver na contemplação e expressão do Criador, de pessoas queridas, de textos e livros de grandes autores, dos meus rabiscos pessoais e, na suavidade das músicas que preenchem o meu existir.

Divido com você, amigo, amiga, não doces, festas ou brindes, mas sim a magnitude de viver a colheita de uma vida singela e harmônica que jamais imaginou estar entre vocês, da blogosfera!
Obrigada! E, sejamos felizes, com a obra de arte de cada amanhecer, que gratuitamente, nos oferta milhões de novas possibilidades.

Célia.




sábado, 22 de outubro de 2011

Mais um desafio...

Conviver e atuar na blogosfera é receber diariamente, desafios! Durante a semana o blog http://euprecisotecontar.blogspot.com  convidou-me a responder perguntas com enfoque em minha pessoa. Missão difícil: falar de você, por você mesmo! Deixo livre a participação de outros blogueiros. É só indicar o blog onde leu o "desafio", respondê-lo publicando em seu espaço. Eis:

* O que mais gosto em mim:
- Minha autenticidade.

* O que menos gosto em mim:
- Quando a emoção supera a razão.

* Citar 10 itens sem os quais não viveria:
- Saúde / Amor / Meditação / Fé / Serenidade / Prudência / Dignidade / Ombro Amigo / Abrigo / Alimento... isso tudo com excelente trilha sonora!

* Significado do blog para mim:
- Responsabilidade, aprendizado, troca de experiências, lazer, entre outros...

* O que é beleza para mim:
- É o diálogo do olhar.

* Frase que marcou minha vida:
- "Começar de novo... e contar comigo... vai valer a pena ter sobrevivido"... Na realidade é uma música que cantarolo demais em minha vida; até porque, após finalizações, sempre recomeço, sem medo, mas com garra e coragem...



Obrigada! Célia Rangel.

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Invasores












Noite longa... intensa demais.
No alvo das paredes e portas,
tateando chego à janela!

Ambíguos passam pela rua,
no desencontro do seu eu.

Outrora, ouvia serenatas!
Hoje, gritos de insanos tomados pelas drogas.

Mais um giro e busco relaxar...
O revirar-se do milho até à pipoca,

é mais suave que minhas reviravoltas no leito.
Pensamentos invasores!

Por que não caem fora?
Sequer os chamei!

Usurpadores do meu silêncio.
Da entrega da minha alma.

Um pouco mais e os primeiros silvos...
Passarinhos aportam no beiral da minha janela.

Novo dia.
Encerra-se assim, o mistério de mais uma noite insone.


Célia.

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Dia do Poeta












Reverencio-me a um dos meus poetas preferidos... Mário Quintana.

"...Nem faltará algum leitor metido a profundo que me julgue à tona das coisas ao me ver tão ocupado com palavras. Escusado lembrar-lhe que a poesia é uma das artes plásticas e que o seu material são as palavras, as misteriosas palavras..."  (Caderno H - Mario Quintana)

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

As histórias de Emília

Amigos!
Tive a honra de ser convidada para um enfoque no inteligente blog da Emília sobre "Liberdade de Expressão".  Tema essencialmente polêmico. Convido-os a participarem! Segue o link:
http://historiasdeemilia.blogspot.com/2011/10/4-por-4liberdade-de-expressao.html#!/2011/10/4-por-4liberdade-de-expressao.html

Abraço da Célia.

terça-feira, 18 de outubro de 2011

Dia do Médico.












Uma tarde
Encontrar-me com você foi bom demais!
Um ano se passou sem nos vermos.
Ouvi-lo dizer-me: como você está bem!
Trouxe-me lembranças de um período
De muitas tensões, de poucas esperanças…
Em que me dizia: cuide-se.
E hoje, você feliz, faz essa comparação:
Agora, você faz o que gosta
Por isso irradia felicidade!
Do passado ao presente!
Você, vovô! Uma família linda…
Abençoada. Anjos os protegem
Você que acolhe a tantos
Que dá condições para o dom da vida
Que segue o caminho da sua vocação
E vive uma vida de dedicação e amor.
Não foi um encontro profissional…
Foi um momento acima de tudo,
De amigos.
Com carinho, ao Dr. Fernando Barros!
Célia Rangel .

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Além de...













Ir...

Apagar a luz...

Sair...

Para não mais voltar.

Voar longe...

os pensamentos.

Destituir do coração,

o direito à tristeza.

Que o seu toque

seja de paixão

embriagante.

Somente ir...

E, que no reencontro,

entenda meu existir

por você.


Célia

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Professora, sim!

 “Da folha de zinco ao computador: os voos pedagógicos no caminhar de uma educadora.”

Desde minha infância, brincava com uma lousa feita pelo meu adorado pai, de folha de zinco pintada de piche. Minhas bonecas de espiga de milho, ou de bom bril,  eram minhas alunas, e eu dava aula durante o dia todo. Chegava do grupo escolar e repetia tudo o que havia acontecido na escola. Desde 1952, como aluna, até 2006, enquanto professora quantas peripécias educacionais vivi! De uma folha de zinco ao computador... alcei voos não só pedagógicos, mas voos ao longo de toda minha vida. E não paro, não desisto, não me contento com pouco... Ainda me lembro do medo que tinha de enfrentar um computador! Meus alunos, hábeis de dar inveja, fizeram-me calçar a cara e ir procurar um professor de informática! Hoje já não vivo sem ele! Quanto aprendi em termos de tecnologia... e ainda tenho muito a aprender! Um mundo de imensas possibilidades!
“Sonhar... mas um sonho possível...” (versão: Chico Buarque e Ruy Guerra)... Menina- moça, normalista, vinda de uma cidadezinha, bem interiorana, década de 60, cheia de  incertezas, tímida,  mas  com muitos sonhos e muita coragem para realizá-los. Uma trajetória pessoal, cheia de obstáculos sociais e financeiros, mas nunca mental. Sempre tive mente sonhadora e realizadora.

Ler, estudar, observar, analisando a tudo e  a todos, era o que eu mais fazia. Por não ter condições financeiras para adquirir livros, convertia-me em “rato de biblioteca”. Nas escolas que frequentava, vivia emprestando livros de mestres generosos, para deles alcançar sabedoria e aprendizado.

Hoje, compro meus livros, ou em livrarias e editoras, ou sebos ou faço meus downloads. Mas, ler é meu combustível. Não frequento boutiques, shoppings, joalherias, cabelereiros... Fujo dos supérfluos. Invisto em livros.

Toda minha experiência profissional sempre foi calcada no amor vocacional e na troca de aprendizado. Muito aprendi com meus alunos, com as famílias, com meus colegas e superiores. E, a nossa troca dava-se na tranquilidade da sabedoria adquirida. Preparava minhas aulas como se fosse um espetáculo a ser apresentado. Sempre busquei renovar-me, atualizar-me com as novas visões educacionais. Por várias vezes retornei aos bancos escolares como aprendiz da educação. Precisava abastecer-me sempre.

Atualmente, no recesso do meu lar, vejo meus ex-alunos em altos postos, encontro-os como profissionais na área da saúde, da mídia e da educação, entre outros.  Traz uma sensação de efetiva contribuição para o encaminhamento pessoal e profissional de um ser a nós confiado.

Realizei-me profissionalmente. Tudo o que sou e uma certa tranquilidade de vida que tenho, devo sim à minha profissão de educar acima de tudo... Sobrevivi  aos exíguos salários, às condições estruturais, ao puxar de tapete, às mesquinharias e comentários maldosos... Sempre soube enfrentar situações quando necessário, aprender com meus erros e sublimar , pois, revanchismo, não se harmoniza com a nobre missão de uma educadora, assumida em sua totalidade.

“Aos mestres, meu carinho”.








Célia

(Fragmento adaptado da monografia publicada no Caderno de Pedagogia “Multiculturalismo e Currículo – Tendências e Perspectivas" – por Célia Rangel – pág.:90)


quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Em nós









Você mora em mim.
Abro a janela, e você  entra com o vento.

Pela porta, você me diz: - bom dia!

Na sala, senta comigo e, ouvimos nossas musicas!
Transcendo em sonhos e encantamentos...

De um encontro assim...

Faço minhas orações, você é pano de fundo.
Nas minhas refeições, mesa vazia, você a fertiliza.

O ar que respiro é contaminado pelo seu perfume.

À noite, ao me deitar, olho pra lua e, sua estrela

levemente num piscar, tremula: - boa noite!

Amanhã, outro dia,  outras andorinhas, outros bem-te-vis,

outro sol, outra energia, a única – a do Amor!









Célia




quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Presente da Yayá

No Dia das Crianças... coloquei minha criança interior para brincar e apresento-lhes "um pouco do que gosto"... Há muitas outras, mas a brincadeira pede "10 itens com ilustrações"... (viva o Google!)... Eis:


Minha vida!




Minha religiosidade e fé!



Um lindo amanhecer!


Amor & Amigos & Família!


Ouvir belas músicas!




Cuidar da saúde.


Vinho, massas e frutas.




Intimidade... silêncio... meditar...


Ler, pesquisar e produzir meus textos.


Aprender com pessoas inteligentes.


Colocar o link de quem te enviou http://arteseescritas.blogspot.com/
- Postar 10 fotos das coisas que mais ama
- E passar para 10 blogs amigos.
 Boa diversão a todos!
Célia.

terça-feira, 11 de outubro de 2011

Metamorfosear









Com tempo livre vivo somente o amorosamente gratificante.
A pureza de coração resplandece em pensamentos,
já extirpada da obrigatória máquina produtiva da civilização,
busco na intimidade dos meus hábitos e prazeres, sem máscaras,
a magia de viver simplesmente pelo ato da vida.


Introspectivamente curvo –me sobre mim e me revelo:
apta a ser e a renascer a cada novo dia, nova chance,
na incessante busca da paz interior sem medos ou culpas.


Minha intimidade devassada e minha fraqueza concebida,
em mutação sempre, sem ignorar minha essência,
adapto-me a novos tempos, novas esperanças, novas assimilações.


Transito em meu ser com passagem livre para transformações.
Sigo o voo da águia!
Jogar fora o bico velho, arrancar as velhas penas, e recomeçar.
Época de metamorfose!



Célia




domingo, 9 de outubro de 2011

Convite

Recebi da Carla Ceres, do blog "Algo além dos livros" -  http://carlaceres.blogspot.com/  um convite para participar de uma brincadeira que está rolando na blogosfera: fazer uma lista ilustrada de 10 coisas das quais não gosto. Difícil tarefa, pois ultrapassa a casa "10"... Vou me conter. Não necessariamente, nesta ordem, mas lá vai:


MENTIRA



AGRESSÃO





POLUIÇÃO SONORA



PEDOFILIA



DESCASO NA SAÚDE


DESNUTRIÇÃO


INSEGURANÇA

DROGAS


EDUCAÇÃO SUCATEADA



PRECONCEITO

Célia
(Estendo o convite a quem mais se interessar!!
Ilustração disponível na internet)

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

Despertar



Aquecer minha alma com meu sol interior.
Ter comigo um gesto de carinho e gentileza.
Purificar-me das indelicadezas.
Afagar minha vida para sobreviver.
Ser capaz de dar e receber amor.
Iluminar –me humanamente,
persignando-me,
a cada amanhecer exuberante!
Entregando-me
a cada crepúsculo vivido!  
 
Célia


quinta-feira, 6 de outubro de 2011

Esse é nosso!



Nicolelis anuncia descoberta do "tato virtual"
Isaac Lira - repórter

O grupo coordenado por Miguel Nicolelis deu mais um passo em direção ao objetivo de fazer um tetraplégico andar, utilizando uma veste robótica, no projeto conhecido como Walk Again. Se antes o neurocientista tinha feito um macaco movimentar um robô apenas com a força do pensamento, agora, segundo estudo publicado na revista Nature, o primata consegue sentir aquilo que toca com um "braço virtual". De acordo com Nicolelis, esse é um passo fundamental para a concretização do projeto Walk Again, que será sediado em Natal, segundo anúncio a ser feito na próxima semana pelo Governo Federal.
Miguel Nicolelis chefia equipe de cientistas norte-americanos, brasileiros, britânicos e suíços.
Os resultados divulgados hoje pela revista científica Nature demonstram uma via de mão dupla na interação cérebro-máquina. Até então, os cientistas da Universidade de Duke, coordenados por Miguel Nicolelis, haviam conseguido fazer uma macaca movimentar um robô "com a força do pensamento". Da mesma forma como o cérebro do macaco "ordenava" o movimento de suas próprias pernas, ele enviava as informações através de um computador para um robô, que executava o movimento. Tratava-se da mente enviando informações para uma espécie de prótese, um aparelho externo. Dessa vez, deu-se o contrário.

Uma macaca conseguiu identificar uma textura através do movimento de uma mão virtual no computador. Ao invés de somente enviar a informação, a macaca conseguiu receber e processar uma informação do ambiente através de uma "prótese". Dessa forma, fica estabelecida uma "mão dupla", onde o cérebro interage com o ambiente, enviando e recebendo informações a partir de um aparato estranho ao seu próprio corpo.

Na experiência anterior, a prótese era um robô. Na pesquisa divulgada ontem, uma mão virtual numa tela de computador. "O cérebro conseguiu processar informações a partir de um canal tátil artificial", explicou Miguel Nicolelis em entrevista à TRIBUNA DO NORTE. O cientista que chegou a denominar o feito de descoberta de um "sexto sentido".

Além disso, o resultado significa mais uma fase alcançada para a concretização do projeto Walk Again. Para entender melhor: como poderíamos caminhar, por exemplo, sem conseguir sentir o chão sob nossos pés? Como poderíamos segurar um copo sem sentir a resistência do material para poder aplicar a força necessária? Miguel Nicolelis afirma que um paciente tetraplégico poderia recuperar a "sensação" das mãos e pés através de uma veste robótica. Diz o texto enviado à Nature: "Aqui nós demonstraremos uma experiência com uma interface cérebro-máquina que pode restabelecer o sentido de tato nos seres humanos". Dessa forma, o usuário da veste robótica poderia identificar o terreno no qual está pisando ou o objeto que está segurando.

A intenção é utilizar o mesmo princípio para dar mais complexidade à experiência. Os cientistas já conseguiram provocar movimentos e "criar" uma sensação tátil. A esses dois atributos, pode-se adicionar a capacidade de perceber a temperatura do ambiente, por exemplo, tornando a interação com o ambiente a partir de uma prótese mais próxima da experiência direta do corpo humano com o mundo ao seu redor.

O Projeto Walk Again é realizado numa parceria entre cientistas brasileiros, norte-americanos, britânicos e suíços. A demonstração de um adolescente brasileiro com a veste robótica será realizada na abertura da Copa do Mundo de 2014, segundo intenção de Miguel Nicolelis e de seu grupo de pesquisas.
Ao terminar minha leitura de seu fantástico livro: "Muito além do nosso eu" - Miguel Nicolelis - deparo-me ontem, no Jornal da Cultura com essa notícia! Orgulho para nós, sermos destacados por tamanha honraria, em um momento em que nos vemos rodeados de corrupções diversas...
Célia Rangel. 

Reverencio-me!



terça-feira, 4 de outubro de 2011

Vozes que clamam







(Imagem:Revista saude-blogspot.com )

revista-saude.blogspot.com

Ainda sou um embrião... Mas já recebo  desamor.

Planos torpes, malígnos e, como esperma descartado, serei depositado em sacola plástica, caçamba... em lixeira... sem direito à vida!

 Meu berço futuro!

Assim se projeta uma nação.. Onde nem pão, nem circo chegam à cobertura da lona da vida,
esburacada, destruída, mal amada. Circo falido!

Minha infância!

Perdida nas cracolândias da vida... Imagem distorcida da pureza divina, de uma manjedoura para os lixões de um país, de uma cidade onde se devaneia progresso material e o consumismo.

Mas o material mais precioso – o humano – descartado por inúmeros preconceitos.

Dia da Criança?

Não seria todo dia? Se ela cresceu e se tornou um adulto feliz, jamais deixará morrer a criança que traz consigo; caso contrário, será ela que retornará para dentro de condomínios, casas, carros, escolas, shoppings, de arma na mão, buscando a dignidade que lhe foi tirada.

Sem apologia, apenas a visão da realidade que caminha conosco, dentro de nossas casas, nos noticiários, nas novelas, nas manchetes que sensacionalizam, banalizam a tristeza e a imundície de uma sociedade que nós, os abastados, contribuimos para gerar.

E, no vácuo da infância, até por questão condizente a que se destina a educação - o educador e o educando – aparece no calendário -  o Dia do Professor... cujo embrião da vocação, também foi esmagado no ninho dos bancos escolares. A lousa, o giz, os livros, o saber, o aprender, o ser, o fazer juntos, os pilares da educação, timidamente se anularam e deram lugar ao descaso, às aviltantes remunerações, às agressões das armas e tantas outras, das merendas contaminadas, de toda uma formação deteriorada de quem em altos postos públicos, se dignam a “governar a pasta da educação” (?)

Nas mãos de que gestores estão nossas crianças e nossos professores?

No embalo de tamanha desordem de valores, vem a Nossa Mãe Aparecida para abençoar o Brasil e seu povo! Mas, há muito fanatismo na imagem e pouca sensibilidade ao humano que em seu altar diário reza e pede proteção para viver com dignidade. Sem flores. Sem velas. Sem donativos ou caridade alguma. Sem piedosos à sua volta. Conta apenas consigo mesmo.

...”Sou caipira pirapora... nossa senhora de aparecida... ilumina... como eu não sei rezar... só queria mostrar meu olhar... perdido em pensamentos de sonho e de pó...” (Fragmentos/Romaria/Renato Teixeira)

Célia.



revista-saude.blogspot.com

domingo, 2 de outubro de 2011

Transformar é preciso















(*Junco: símbolo mês de outubro)


Chegamos à página 10 do ano... Outubro de 2011.
Quantas emoções na passagem do ano de 2010 para o ano de 2011... Quantas promessas, pedidos feitos... E, ai? Quantos realizamos? Já estamos às portas do 2012 e novamente tudo se repetirá? Fomos surpreendidos ou surpreendemos? Afinal, é  magia da vida “surpreender”!
Intimamente, sinto uma saudade penetrante: pessoas lindas que por mim passaram e me ensinaram a viver. Riram e choraram comigo. Por impossibilidades naturais da vida, compromissos diversos, situações inusitadas de impotência, por completarem seu ciclo, distanciaram-se.

Lembranças!

Doces lembranças sustentam hoje um coração descompassado, arrítmico.  Há o cansaço natural de mandos e desmandos. De certos e errados, segundo nossa ótica. De repente, o que fazia sentido, o que era endeusado toma outra consistência.
Ah! A volubilidade dos valores!

Há um novo caminho a ser percorrido. Novo ritmo. Há que se respeitar a dinâmica interior de cada um. Há uma espera por novos ciclos. Vê-se ao longe, um horizonte ora “arcoirizado”, ora nebuloso; um meigo crepúsculo, ou um amanhecer tempestuoso.

Ciclos! Apenas ciclos!
Em cada um deles, restaurar o desejo de amar e deixar-se amar plenamente, sem reservas ou medos. Ser vulcão e expelir o que não diz mais nada. Fluindo como as lavas, fertilizar o ambiente das certezas adquiridas no velocímetro/2011.

Com serenidade, recolho-me analisando mudanças. Aceitá-las é o mais difícil. Ainda assim, desenterrar disposição abnegada e na rotina reinventar a magia do cotidiano.
Seguir. Prospectar. Epitafista, jamais! 

 Texto: Célia Rangel

 *Junco: aconselha uma ação direta, ou seja, ir direto ao ponto em relação ao assunto requerido. http://www.templodeavalon.com/modules/articles/article.php?id=55  

sábado, 1 de outubro de 2011

Espiritualidade e Religião

Espiritualidade é diferente de religião.
A religião é para aqueles que necessitam que alguém lhes diga o que fazer, querem ser guiados.
A espiritualidade é para os que prestam atenção à sua voz interior.
A religião tem um conjunto de regras dogmáticas.
A espiritualidade o convida a raciocinar sobre tudo, a questionar tudo.
A religião ameaça e amedronta.
A espiritualidade lhe dá Paz interior.
A religião fala em pecado e culpa.
A espiritualidade lhe diz: “aprenda com o erro”.
Tudo é aprendizado.
A religião inventa.
A espiritualidade descobre.
A religião não indaga nem questiona.
A espiritualidade questiona tudo.
A religião lhe busca para que acredite.
A espiritualidade, você tem que buscá-la.
A religião segue os preceitos de um livro sagrado.
A espiritualidade busca o sagrado em todos os livros.
A religião é humana, é uma organização com regras.
A espiritualidade é Divina, sem regras.
A religião é causa de divisões.
A espiritualidade é causa de União.
A religião reprime tudo, faz-lhe falso.
A espiritualidade transcende tudo, faz-lhe verdadeiro.
A religião não é Deus.
A espiritualidade é Tudo e, portanto, é Deus.
A religião se alimenta do medo.
A espiritualidade se alimenta na Confiança e na Fé.
A religião faz viver no pensamento.
A espiritualidade faz viver na Consciência.
A religião sonha com a glória e o paraíso.
A espiritualidade nos faz viver a glória e o paraíso aqui e agora.
A religião vive no passado e no futuro.
A espiritualidade vive no presente.
A religião se ocupa com o fazer.
A espiritualidade se ocupa com o Ser.
A religião alimenta o ego.
A espiritualidade nos faz transcender.
A religião nos faz renunciar ao mundo.
A espiritualidade nos faz viver em Deus, não renunciar a Ele.
A religião é adoração.
A espiritualidade é Meditação.
A religião enclausura nossa memória.
A espiritualidade liberta nossa Consciência.
A religião crê na vida eterna.
A espiritualidade nos faz conscientes da vida eterna.
A religião promete para depois da morte.
A espiritualidade é encontrar Deus em nosso interior durante a vida.

ü  Texto de Flávio Girol
http://portal.medicinaoriental.com.br/modules/news/article.php?storyid=37
ü  Projeto “Bom Dia Coração” – Nada faz sentido nesta vida se não tocarmos o coração de uma pessoa. Que o seu dia hoje seja repleto de pequenas e constantes alegrias. Das pequeninas coisas é feita a vida...