sexta-feira, 18 de maio de 2012

Acolher sempre





Realmente não dá para viver sem a ternura:

- De um olhar

- De uma compreensão

- De uma relação doadora

- De palavras e gestos incentivadores

- Do amor sem exigências ou cobranças

Isso tudo são alimentos essenciais

Ao prazer pelo simples acontecer

Ao segredo das palavras não ditas

Para recriarmos ambientes de crescimento

Para almas que se complementam

No silêncio da ternura.

Célia Rangel, autora.
*Cia dos Blogueiros
*Clube de Autores

18 comentários:

  1. Oi, Célia! Acho que é por esse motivo que tantas pessoas solitárias têm animais de estimação. Sem ternura, não se vive. Beijos!

    ResponderExcluir
  2. Oi Célia, ontem mesmo em uma pregação ouvi coincidentemente falar muito sobre ternura, aí ele citou isto.... vem alguém e te pede um pedaço de pão, você não dá só o pão, passa nele uma geléia, manteiga, ou algo assim. Achei legal! Seu poema está lindo! Beijos

    ResponderExcluir
  3. Olá, Célia
    É com a maior ternura que convido vc a apreciar a homenagem que prestei às Mães brasileiras, no passado dia 13.

    Beijinho GRANDE

    ResponderExcluir
  4. CÉLIA RANGEL
    por Regilene Rodrigues Neves

    Acolhi sua amizade em minh’alma
    Afaguei-a como flor perfumada
    Exalando sua essência fraternal
    No meu íntimo...

    Sua doce fragrância se impregnou
    Nas paredes sensíveis do meu coração
    Dilatando versos em seu nome...

    Entre rimas aleatórias
    Ouvia o som do amor
    Ecoando-me em versos de amizade
    Cultivados entre uma jardineira fiel
    E suas flores e assim seu aroma inconfundível
    Penetrou em minha vida...

    Sua poesia derramou seiva no meu peito
    Qual bálsamo suas palavras cheias de lenitivo
    Escreveram dentro de mim versos para não chorar
    E um sorriso alargou-me de felicidade
    Tamanha grandeza que emanas...

    Sempre amiga se agiganta
    Para doar-nos sua bondade...

    Em cada gesto seu
    Vislumbro uma mensagem de ternura
    Carinho que perpetua-nos em amizade
    Que se faz poesia ao seu contentamento...

    Assim hei de lembrar-lhe em cada verso meu
    Como um poema escrito da alma
    Para dizer-lhe como é grande minha admiração
    Por esta mãe, mulher vivida,
    Orante, amiga, amante da vida!

    Além de uma mestra
    Operária da educação brasileira
    Que por quarenta e três anos
    Dedicou seu amor a arte de ensinar.

    Esse é seu legado amiga
    Doadora incansável
    Do qual me orgulha sua amizade!

    Em 18 de maio de 2012

    ResponderExcluir
  5. Obrigada, pela demonstração poética sublime!
    Ternurizou-me, sem medidas!
    Bj. Célia.

    ResponderExcluir
  6. Sem acolhimento e essa ternura a vida não tem sentido.
    Adorei o poema Célia.
    Desejo um ótimo fim de semana cheia de coisas especiais.
    Grande abraço!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  7. Olá Célia, realmente não dá p viver, já dizia Mozart, quem nunca teve um grande amor não sabe o que é a vida! Lindo poema! bjoooss e ótimo fim de semana!

    ResponderExcluir
  8. Quanta delicadeza de sentimentos você tem expressado nestes versos lindos, gostei. Um abraço, Yayá.

    ResponderExcluir
  9. Olá Célia.

    Acolher incondicional para o incondicional colher da vida. Tornar terno os dizeres e gestos. Fazer florir, colher, acolher a ternura.

    Um abração e bom fim de semana.

    ResponderExcluir
  10. Célia Parabéns pela sua postagem!
    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  11. Célia, Querida

    Lugar onde habite o Amor, aí se encontra a harmonia. O Amor conduz á Vida.
    Um belo texto repleto de verdades.

    Beijos

    SOL
    http://acordarsonhando.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  12. Nos seus versos, a ternura transborda, são tão suaves e belos.
    Obrigada, Célia, por compartilhar esses maravilhosos sentimentos.
    Beijinhos,
    da Lúcia

    ResponderExcluir
  13. Célia Boa Noite, tenha uma ótima semana!
    E que Nra. Auxiliadora interceda sempre por você!!!
    Abração!

    ResponderExcluir
  14. Olá, amiga Célia!
    A vida nos oferece condições necessários para termos uma vida terna, mas nosso egoísmo e idiossincrasia tendem a nos afastar daquilo e das pessoas que amamos.
    Poema engendrado com beleza e sageza de sempre!
    Seu comentário no meu blog foi um dos mais brilhantes.
    Obrigado pelas visitas frequentes!

    Abraços do amigo de sempre!

    ResponderExcluir
  15. Olá Célia,

    A ternura torna brandos os corações e viver com ela, recebendo e doando,
    é viver em paz e aconchegado nos braços do amor.

    LINDO! Repleto de ternura.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  16. O que não dá mesmo pra viver é sem pessoas como você por perto, a nos lembrarem todas essas verdades. Um beijo e parabéns, Célia.

    ResponderExcluir
  17. Adoráveis e docemente ternos, os seus versos, Célia...
    Linda semana querida, beijos,
    Valéria

    ResponderExcluir
  18. Extraordinário poema que fala do tempo presente e passado em nós. O difícil é o discernimento da razão, quando somos ou estamos um feixe de emoções! Gostei!

    Muito grata pela visita ao Sementes Preciosas , tão aguardada por mim.

    Feliz final de semana !

    Bjosss

    ResponderExcluir

Seu comentário evidencia o seu 'pensar'.
Saiba que aprendo muito com você.
Obrigada, meu abraço,
Célia Rangel,
Autora responsável pelo blog.
Obs.: NÃO POSTAREI COMENTÁRIOS ANÔNIMOS.