domingo, 17 de junho de 2012

Assimetrias




Desigual,
Opulência e fome total
Toques gestados
Amores diluídos
Sonhos e milagres desfeitos

Poeta esfomeado de amor
Calado mendigo de ternura
Remói dor sem paliativo
Que no fundo da alma se instala
Estranho sintoma de tristeza inacabada

Soluço engolido voz trêmula
Prisão de sentimento camuflado
Diversidade não digerida
Identidade de um amor extasiado no tempo
Emoldurado no quadro de toda uma existência.


Célia Rangel, autora.
*Cia dos Blogueiros
*Clube de Autores






20 comentários:

  1. Olá amiga, muito bonito Célia, confesso que tive que reler p entender rsr as vezes sou meio devagar rsr Tenha um bom domingo! Bjoooosss

    OBS: A partir de amanhã, Meu Blog vai sair do ar por 2 ou 3 dias p/ uma repaginada, não sei se vou conseguir fazer visitas nesse período! Abraços

    ResponderExcluir
  2. Tudo perfeito poema e imagem adorei!!

    ResponderExcluir
  3. Sempre o amor! Que bom, Célia!

    Boa semana e bons pensamentos.

    ResponderExcluir
  4. Ah, o amor... Fonte de inspiração para todas as pessoas, mentes e corações.
    Parabéns, minha querida.


    Te desejo uma excelente e abençoada semana.
    Um grande abraço.
    Tati.

    http://tatian-esalles.blogspot.com.br/

    Att.

    ResponderExcluir
  5. Amor...combustível pra vida...lindo!!!

    ResponderExcluir
  6. Bom dia Célia, lindo poema para começar a semana, versos ricos que definem o amor!
    Abraços e boa semana amiga querida!

    ResponderExcluir
  7. De uma profundidade impressionante seu poema, Célia...
    Boa semana amiga, beijos,
    Valéria

    ResponderExcluir
  8. Quanta dor!!! Será que vale a pena amar assim?
    Se for correspondido tudo bem, mas se não for é
    sofrimento puro!

    Beijão amiga!

    ResponderExcluir
  9. Celia,que lindeza de poesia!Assimetria comovente!bjs e boa semana!

    ResponderExcluir
  10. O amor é o tempero da vida, mas por vezes é dolorido demais.

    Beijos e ótima semana!

    ResponderExcluir
  11. Sem essas assimetrias dolorosas, ninguém se torna poeta, Célia. A felicidade produz, no máximo, rimadores. Beijos!

    ResponderExcluir
  12. Célia, belíssima poesia!
    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  13. Célia querida! Obrigada por tuas palavras amáveis! De toda e qualquer maneira, sem amor não se vive.... Um abençoado início de semana!
    Abraço fraterno e carinhoso!
    Elaine Averbuch Neves
    http://elaine-dedentroprafora.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  14. Oi Célia,

    Tão belo quanto doído!

    Obrigada pelo carinho das palavras em meu recanto.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  15. Célia, escreves com alma e me passa o sentimento puro dessa poesia, que apesar de triste, linda.
    Beijos com meu carinho.

    ResponderExcluir
  16. Somos assimétricos por natureza. Nenhum lado coincidente, nem conosco nem com os outros. Sorte de quem souber lidar melhor com esses desajustes... Bom texto, bom quadro. Um grande abraço, Célia.

    ResponderExcluir
  17. Olá!Boa noite!...
    ... podem se amar demais, mas cada um vai lidar de forma diferente a emoção de acordo com sua capacidade de lidar com suas próprias emoções e não vai saber expressar esse amor pelo seu par. A forma da pessoa se inserir neste contexto de amor e consigo mesmo,é que pode "trazer" a simetria, nesta relação...
    Boa semana!
    Beijoa

    ResponderExcluir
  18. O amor
    Esse incansável gigante que nos incendeia
    Nos seus versos
    Se torna verdadeiro, real, concreto

    beijos

    Leila

    Amiga, Eu estou bem, obrigada por se preocupar. Agora estou na fase de recuperação dos movimentos. É demorado, mas vai dar tudo certo!
    Beijos

    ResponderExcluir
  19. Lindo, mas um pouco triste! Mas se pensarmos bem, para viver temos que driblar a tristeza, pois ela está estampada nos acontecimentos. Beijos

    ResponderExcluir

Seu comentário evidencia o seu 'pensar'.
Saiba que aprendo muito com você.
Obrigada, meu abraço,
Célia Rangel,
Autora responsável pelo blog.
Obs.: NÃO POSTAREI COMENTÁRIOS ANÔNIMOS.