terça-feira, 5 de junho de 2012

Procura-se


















Em qual esquina me esqueci?
Percorro veias latentes,

Busco encontros nos desencontros,
Amores nos desamores,

Afetos nos desafetos,

Grito!

Quero ouvir o meu eco
Em busca de mim.

Ali...  Aqui...  Alhures

Encontro-me e desconheço-me.

Desintegro-me.

Em qual esquina ficou meu protótipo?



*Célia Rangel, autora.
*Cia dos Blogueiros
*Clube de Autores

20 comentários:

  1. Célia, minha linda amiga, quantas vezes me vi assim, a procura de mim mesma, parece que de vez em quando nos sentimos assim, eu me perco de mim mesma muitas vezes, mas ainda bem que nos reencontramos, nem sempre como queremos nos ver, mas sempre nos reencontramos, não é mesmo?
    Abraços amiga de alma linda, amo ler seus posts, sempre me dizem algo, sempre!!!
    Ivone

    ResponderExcluir
  2. Às vezes nos perdemos no labirinto de nós mesmos!
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. E ao encontrar a si, não temos mais que flores nas mãos! abraços

    ResponderExcluir
  4. Célia, que felicidade e prazer poder, ainda que com pouca frequência por aqui, pois meu tempo é corrido demais, poder me deliciar com que escreve, sempre que nas oportunidades que tenho, posso está por aqui. Um beijo no seu coração.

    ResponderExcluir
  5. Olá Célia,

    Suas poesias são sempre surpreendentes pela qualidade de conteúdo e pela sua linda forma de versar.
    Gosto muito.
    É comum nos perdermos de nós mesmos. O bom é que conhecemos a maneira de nos reencontrarmos, não é verdade?

    Beijo. (Somente agora detectei seu comentário em minha caixa de email's e o transferi
    para o blog).

    ResponderExcluir
  6. Já me perdi, de mim mesma, tantas vezes.
    Me buscava e não sabia onde me encontrar.
    E quantas vezes me encontrei e de mim não gostei...me esqueci, me deixei de lado...a busca continua, quero encontrar-me totalmente nua, pra quem sabe assim me revestir de sentimentos mais puros e verdadeiros.

    Que você se encontre e que seja o que procura.

    Beijos Célia querida.
    Tenha uma noite de paz.

    ResponderExcluir
  7. Muito lindo seu poema!
    É bom de vez em quando, nos perdermos... para asssim, depois nos encontrármos.

    Um abraço e obrigada pela visita ;)

    ResponderExcluir
  8. Oi Célia querida, a vida é uma constante procura por nós mesmos! Bjooosss

    ResponderExcluir
  9. Numa esquina nos encontramos e na primeira curva nos perdemos novamente....

    É bem por aí...

    Adorei o texto!

    Bjos

    ResponderExcluir
  10. Deve haver uma Célia perfeita no mundo das ideias. Era mais ou menos isso que nosso tio Platão dizia. :) Beijos, querida!

    ResponderExcluir
  11. Seu protótipo é tão perfeito que, num piscar de olhos, vai encontrá-lo.
    Se é que o perdeu? Deve estar apenas "encantado"...

    Beijos, Célia,
    da Lúcia

    ResponderExcluir
  12. Olá, Célia. Belos versos e perfeita sensibilidade. Obrigada pelo carinho! Um bom feriado pra vc. Bjos!

    ResponderExcluir
  13. Olá Célia, boa noite!
    Penso que somente os seres despertos pra realidade de "SER", é que buscam por si mesmos, e realizar essa busca poeticamente é uma forma de tornar mais suave o caminho a percorrer até o nosso interior, onde realmente nos encontramos!

    Muito grata, Célia, pos sua visita sempre tão esperada por mim.

    Beijos no coração!

    ResponderExcluir
  14. Sempre me encontro em suas palavras Célia tamanha lucidez que elas nos transmitem... Com o tempo essa procura vai se aquietando na alma e a vida encontra sua leveza nas páginas escritas ao longo dos nossos anos...

    Deixo-lhe flores para perfumar nossa amizade!

    Regilene

    ResponderExcluir
  15. Oh, Pai... Fazei que eu procure mais, consolar que ser consolado, compreender que ser compreendido...
    Ao outro é muito mais fácil, a nós? É esse o mistério.
    Use a tua literatura, ela a ajudará nesse reencontro, pois não é ela(litertura) um divã ?

    ResponderExcluir
  16. Nova postagem sobre nossa casa, a importancia de cuidar de algumas coisinhas. Da uma olhadinha ?! http://grandeigualdavi.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  17. Celia,sempre uma linda e profunda poesia!Nos caminhos da vida,muitas vezes perdemos o rumo de casa!Adorei sua msg!bjs e meu carinho,

    ResponderExcluir
  18. Tantas vezes que não sabemos de nós, não é querida Célia? Mas, pelo que tenho lido de ti, não me parece que sejas mulher para "andar perdida"... Só que às vezes, acontece.

    Beijinho

    ResponderExcluir
  19. Vez ou outra, temos a sensação de que ficamos em alguma esquina desconhecida da vida. Olhamos e não nos encontramos com a realidade que se nos apresenta. Mas só o fato de fazermos a indagação já significa que estamos no caminho de nossa reconstrução. Bjs.

    ResponderExcluir
  20. Muio grato, Célia, por esse poema inquietante e verdadeiro. Obrigado ainda pela presença sempre fiel em Pretextos-elr - leitora de primeira hora que V. é, privilegiando-me com sua generosa perseverança.
    Abraço grande.

    ResponderExcluir

Seu comentário evidencia o seu 'pensar'.
Saiba que aprendo muito com você.
Obrigada, meu abraço,
Célia Rangel,
Autora responsável pelo blog.
Obs.: NÃO POSTAREI COMENTÁRIOS ANÔNIMOS.