domingo, 3 de junho de 2012

Sobrevivente



Sem fórmula ou receita, nasci...

Acrescentaram ingredientes

Incorporei alguns...

Estimularam, exigiram

Perfeição, habilidade e competência,

De preferência em destaque sempre.

Afeto, contato, amor eliminados.

Não achava instruções em como ser livre,

Desvencilhei-me desse labirinto inútil,

Alcei voo, aprendi errando,

Descartei tralhas, incinerei traumas,

Refiz-me na ternura do seu olhar.

Mulher madura, tranquila e fiel a si própria.

Apago holofotes, fecho cortinas, último ato.

Sobrevivo em paz interior.


*Célia Rangel, autora.
*Cia dos Blogueiros
*Clube de Autores

19 comentários:

  1. O mais importante nisso tudo, foi o desfecho, sobrevives com paz interior.
    Isso é de grande valia.

    Uma poesia que se encaixa pra muitas pessoas, e que você deixou fluir lindamente.
    Amei Célia!
    Beijos de um delicioso final de noite e de uma semana de muitas alegrias.

    ResponderExcluir
  2. Amei a parte do ser livre: acho que tanta liberdade não é legal! abraços

    ResponderExcluir
  3. Célia, que lindeza de poema querida... você soube fazer o seu próprio caminho e o importante, encontrou em si, paz interior.
    Boa semana amiga, beijos,
    Valéria

    ResponderExcluir
  4. Celia,muito profunda e bela poesia de transformação e amadurecimento!Gostei do apagar holofotes...rss..tb apago os meus!bjs e boa semana!

    ResponderExcluir
  5. Essa é a vantagem da maturidade! Tinha que ter algo de positivo não?!!!

    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Olá!Boa tarde!
    Tudo bem?
    ...quero caminhar rumo a esse futuro ainda incerto. Caminhando nessa viagem evolutiva e de amadurecimento, sem pressa de chegar...
    ... passar por grandes desafios, unindo a força conjunta de contestação e transformação, atuar na busca pelo equilíbrio entre o impulso incontrolável e a liberdade...
    Obrigado pelo carinho da visita!
    Boa semana!
    beijos com carinho!

    ResponderExcluir
  7. Pelo visto, começamos do mesmo jeito, Célia. Espero evoluir também. Beijos!

    ResponderExcluir
  8. Bien, buenisimo poema. A paz interior, a liberdade. o tempo trae liberdade as mulheres, ya e suficiente de mandatos. Um abraco afetuoso.

    ResponderExcluir
  9. Uma amiga muito especial
    hoje marca a postagem do meu blog.
    Um ser divino que em pouco tempo conquistou corações nesse mundo virtual.
    O meu foi quase um dos primeiros a ficar apaixonado pelo carisma ,
    e grandeza de seu coração.
    Convido você a deixar seu carinho e fazer parte dessa preciosa amizade.
    Espero em Deus ter saúde o suficiente para conhece-la pessoalmete
    em 2012.
    Vou ficar agradecida com sua doce presença.
    Uma linda e abençoada semana.
    Beijos ternos e carinhosos.
    Evanir.

    ResponderExcluir
  10. Amiga, nada como a paz interior para nos sentirmos livres! Belo poema! Beijos

    ResponderExcluir
  11. Último ato?!... Isso é que era bom! Há ainda muitos atos para representar.
    Boas representações...

    Beijinhos.

    ResponderExcluir
  12. Amiga Célia,
    Antes de tudo, somos eternos sobreviventes.
    Se somos moldados com amor, carinho, fé e sabedoria, tornaremo-nos seres mais justos.
    O poema é belo, poético e nos traz grande sabedoria.

    Abraços sinceros do amigo!

    ResponderExcluir
  13. Oi Célia
    Sem peso num vôo empirico
    o improviso de um ser experiente
    que sabe viver...se resolvendo.

    ResponderExcluir
  14. Oi Celinha, que linda poesia. Sobreviver vivendo livremente.
    Um otimo dia, bjks em seu coraçao de poeta.

    ResponderExcluir
  15. OI CÉLIA!
    UMA LINDEZA DE TEXTO.
    O AMADURECIMENTO É ALGO LINDO, NOS DÁ ESTA PERCEPÇÃO CALMA E SEGURA DA VIDA, PODEMOS TUDO, QUEREMOS TUDO, MAS EM NOSSO PRÓPRIO TEMPO E MEDIDA.
    ABRÇS

    zilanicelia.blogspot.com.br/
    Click AQUI

    ResponderExcluir
  16. Que lindo este texto Celia. Parabens pelas palavras.
    Olha eu aqui dando uma espiadinha nos vizinhos queridos. Sinto falta do blog, mas ainda estou meditando com meus botões...
    Obrigada por seu carinho e por entender meu lado.
    Amigos são para isso mesmo, sempre entendem o que vai ao nosso coração.
    Obrigada Célia.
    Beijos grandes
    Canela Castela

    ResponderExcluir
  17. Devemos sobreviver mantendo nossa paz interior!
    Grande abraço Célia!

    ResponderExcluir
  18. A Paz interior é a raiz da sabedoria. A perturbação, pelo contrário, apenas diminui a nossa capacidade de Amar.

    Beijos

    SOL

    ResponderExcluir
  19. És, pois, a Renascença com estilo próprio!
    És a arte em todos os sentidos latentes.

    ResponderExcluir

Seu comentário evidencia o seu 'pensar'.
Saiba que aprendo muito com você.
Obrigada, meu abraço,
Célia Rangel,
Autora responsável pelo blog.
Obs.: NÃO POSTAREI COMENTÁRIOS ANÔNIMOS.