quinta-feira, 20 de setembro de 2012

Um tesouro









 

 

 
 
  
Única!
Muitas brincadeiras ao seu redor e sobre ela.
Com seus frutos alimentava-nos.
Com sua sombra abrigava-nos.
Na escola aprendíamos seu valor.
E no quintal usufruíamos:
- A Árvore!
Hoje ela é raridade.
Tem que desocupar lugar para a modernidade.
Para lucros das grandes empresas...
Resultado?
Clima insuportável e aridez das construções:
- Cimento. Concreto. Ferro. Vidro.
O verde da natureza da 'minha terra tinha palmeiras'...
Encontra-se em fase terminal nos canteiros de obras.

 

Célia Rangel.

13 comentários:

  1. Verdade Célia, estamos cada vez mais mergulhados na natureza de concreto! Bjoooosss

    ResponderExcluir
  2. Boa tarde Célia! Linda poesia! Palavras que descrevem uma dura realidade! E mesmo assim as árvores continuam a ser assassinadas! Um abençoado e feliz final de semana!
    Abraço carinhoso!
    Elaine Averbuch Neves
    http://elaine-dedentroprafora.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Minha querida amiga Célia, lindo seu poema, propício ao dia da árvore, me fez também lembrar que plantávamos uma árvore todos os anos nesse dia!
    Que pena né amiga que elas não são mais consideradas tão importantes, eu as tenho plantadas em vasos grandes, mas na minha infancia as tinha em um grande quintal, que saudade!
    Abraços amiga!

    ResponderExcluir
  4. É minha amiga, as arvores que cai pelas mãos dos homens nos deixam cada vez mais sem suas sombras para nos proteger do sol que castiga cada vez mais quente. Não sabemos até quando! Uma poesia de lamento, parabéns!!

    Bj

    ResponderExcluir
  5. Olá!Boa noite!
    Célia!
    Lindo mesmo e uma grande homenagem ao dia da Árvore...e um dia,estava pesquisando sobre árvores, e li sobre os motivos para "defender e plantar" uma árvore...que elas formam uma parede que impede a propagação dos ruídos.E nesse mundo cada vez mais frenético, um silêncio ...hum!
    Obrigado pelo carinho da visita!
    Boa sexta feira!
    beijos

    ResponderExcluir

  6. Oi Célia,

    O título está perfeito. Realmente um tesouro que não está sendo preservado conforme deveria e merecia, para o nosso bem e para o bem estar do planeta. Quando acordaremos???
    Suas palavras ecoam como um grito. Que ele ressoe no coração de todos!

    Beijo.

    ResponderExcluir
  7. Nem me fale,Celia! Estou morando no meio de um canteiro de obras com a construção do metro.Muitas árvores já foram derrubadas!bjs,

    ResponderExcluir
  8. Célia
    Seu poema é um grande alerta, o homem não tem limites, a natureza vem respondendo suas ações. Precisamos de mudanças, urgente, precisamos ajudar nosso PLANETA. Bjs

    ResponderExcluir
  9. Já estamos sentindo o prejuízo disto; que será mais para frente? Calor, sol ardente, mudanças climáticas repentinas. Que pena de nosso planeta, que pena de nós!

    ResponderExcluir
  10. Olá Célia..

    Escreveste e descrevestes lindamente a árvore em seus frutos e suas grandes limitações..Que sejamos dóceis ao ponto de sentir necessidade em preservar o que nos é dado pela tão sublime natureza...

    Venho de blogs amigos e por aqui fico se me permitir...

    Beijos e lindo final de semana pra ti

    ResponderExcluir
  11. É... Se não tomar cuidado vai acabar pior do que Célia está pintando.
    Com cores fortes!
    Abraço,
    Jorge

    ResponderExcluir
  12. Rogo para o homem deixe de ser tão imbecil a ponto de não dar
    mais valor à natureza...
    Lindos versos que mais parece um apelo em prol do meio ambiente...


    Beijão

    ResponderExcluir
  13. Olá Célia, cara amiga, bom dia!
    Vim para me deleitar com suas magníficas postagens, e aproveito pra lhe deixar, além do meu abraço, os votos de um final de semana esplendoroso.
    Sejas feliz e até mais!

    ResponderExcluir

Seu comentário evidencia o seu 'pensar'.
Saiba que aprendo muito com você.
Obrigada, meu abraço,
Célia Rangel,
Autora responsável pelo blog.
Obs.: NÃO POSTAREI COMENTÁRIOS ANÔNIMOS.