segunda-feira, 22 de outubro de 2012

Revendo Conceitos...










 
 
 
 
 
 
Queime tudo o que puder, aconselha Lêdo Ivo ao poeta.
Não confie a ninguém o seu segredo, a verdade não pode ser dita.

 A queimada

Queime tudo o que puder:
as cartas de amor
as contas telefônicas
o rol de roupas sujas
as escrituras e certidões
as inconfidências dos confrades ressentidos
a confissão interrompida
o poema erótico que ratifica a impotência
e anuncia a arteriosclerose
os recortes antigos e as fotografias amareladas.

Não deixe aos herdeiros esfaimados
nenhuma herança de papel.
Seja como os lobos: more num covil
e só mostre à canalha das ruas
os seus dentes afiados.

Viva e morra fechado como um caracol.
Diga sempre não à escória eletrônica.
Destrua os poemas inacabados, os rascunhos,
as variantes e os fragmentos
que provocam o orgasmo tardio dos filólogos e escoliastas.

Não deixe aos catadores do lixo literário nenhuma migalha.
Não confie a ninguém o seu segredo.
A verdade não pode ser dita.

Lêdo Ivo

19 comentários:

  1. Célia querida, lindo texto, bem escolhido,nossa acho que todos nós temos algo assim, que queremos que seja queimado, eu mesma já pensei em escolher tudo e tentar entender porque adoro escrever,mas nem sempre gosto do que escrevo, nem sempre, mas mesmo assim insisto!!!
    Qual será a verdade que não pode ser dita de Lêdo Ivo?
    Só ele sabe né amiga!!!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  2. Tem coisas que não dá p rasgar mesmo Célia tem que queimar que é p não deixar nenhum vestígio! Lindo texto! bjooss

    ResponderExcluir
  3. Essa queima, apesar de necessária e vital, muitas vezes é por nós adiadas..
    Lindo e reflexivo texto.

    Beijos querida Célia.

    ResponderExcluir
  4. Célia, é uma espécie de libertação interior, o que me parece passar o texto. Profundo e preciso nas palavras, eu diria. Sem rodeios. Um beijo no seu coração.

    ResponderExcluir
  5. Célia querida! Já havia ouvido falar de Ledo Ivo, mas confesso nunca ter tido o privilégio de ler algo escrito por ele... Adorei! Forte, marcante e verdadeiro!
    Um início de semana iluminado!
    Abraço fraterno e carinhoso!
    Elaine Averbuch Neves
    http://elaine-dedentroprafora.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Belo poema! E como concordo com o seu conteúdo! Só que eu não consigo fazer como o poeta aconselha... Custa-me muito desfazer-me das minha coisas íntimas.

    Vou copiar o poema de tanto que gostei de o ler.

    Beijinho

    ResponderExcluir
  7. Sem dúvida alguma é um poem bem intenso, acho que chega a pegar fogo realmente, rs

    Abraços

    ResponderExcluir
  8. Oi Célia querida


    Linda escolha...

    Beijos e um semana maravilhosa
    Ani

    ResponderExcluir
  9. Olá!Boa noite!
    Célia...
    em tese,não deixamos espaço para o que há de vir, por isso a desilusão e a sensação que o bom ficou no passado...
    na prática, “Queime tudo o que puder”. O difícil é determinar o "possível".
    Obrigado pelo carinho da visita!
    Boa semana!
    Beijos

    ResponderExcluir
  10. Muitas coisas não devem sequer ser escritas e, se forem, devem ser queimadas.
    Não poderia concordar mais com este conceito, visto que se assemelha muito com o meu.
    Gosto de ler o que tem por aqui, Célia, e gosto de seus pontos de vista nos comentários que deixa em meu blogue, temos muito em comum, eu percebo.

    => CLIQUE => Escritos Lisérgicos...

    ResponderExcluir
  11. OI CÉLIA!
    JÁ CONHECIA DE NOME ESTE AUTOR EMBORA, NÃO LEMBRE DE TER LIDO NADA DE SEU TRABALHO.
    GOSTEI MUITO, POR SUA INTENSIDADE NA ESCRITA.
    ABRÇS

    zilanicelia.blogspot.com.br/


    Click AQUI

    ResponderExcluir
  12. Oi Célia!
    É a primeira vez que entra no meu blog?
    Gostei demais do seu blog.
    Marquei G+
    Como a música: Joga fora no lixo
    Beijos
    Lua Singular

    ResponderExcluir
  13. Apoiado! Esse poema, pelo alto teor de ranzinzice, é a minha cara, Célia. :) Adorei. Mas hoje estou feliz demais, por causa da Tania. Beijos!

    ResponderExcluir
  14. Intenso e tenso...Mas com uma dose muito grande de mágoas...
    Aposto que passados algum tempo ele ficou mais leve, menos implicante kkkk.

    Um grande abraço!
    Hoje fui limpar meu Spam e seus comentários estavam lá (nem imagino por que?).

    Beijão

    ResponderExcluir
  15. Grande escrito, sensatas reflexões desse objetivo autor. Não devemos deixar "restos" do que não deve restar.

    Obrigado Célia.

    Um abração.

    ResponderExcluir
  16. Oi Célia,

    Tudo bem? Lêdo Ivo sempre será um destemido e um vanguardista, pois acreditava que o começo de um homem era o seu posicionamento. Lembro de uma frase dele que é mais ou menos assim: "Na vida precisamos sempre usar máscaras, pois ninguém nos reconheceria se nos apresentássemos de rosto nu". Sou maceioense como ele e acredito que o que não ensina, nunca deveria ter sido escrito.

    Ademais, obrigada pela lição do pato lá no blog, pois já desacomodei a intimidade e abri as janelas.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  17. Eu entendi que a gente se liberta de certas coisas que apegamos tocando fogo e deixando virar pó.
    Só assim mesmo para livrarmos.
    Gostei deste post.
    Beijos grandes
    Ü

    ResponderExcluir
  18. Forte... verdadeiro... intenso!e para realizar esta queima, é preciso coragem e desprendimento. Um beijo, amiga-escritora

    ResponderExcluir

Seu comentário evidencia o seu 'pensar'.
Saiba que aprendo muito com você.
Obrigada, meu abraço,
Célia Rangel,
Autora responsável pelo blog.
Obs.: NÃO POSTAREI COMENTÁRIOS ANÔNIMOS.