segunda-feira, 1 de outubro de 2012

Várias vidas, uma só...
















 
 

Nossa performance inicia-se na fase uterina
percorre-se longo caminho.
Quantas facetas e falsetas nos acompanham!
Se nos fosse dado escolher
para muitos, a infância, nobre ingenuidade,
a outros nem tanto...
Sofrimento, aviltamento.

 

Desponta-se o dia da criança.
Comércio.
O abusado consumo deteriora a mente
dos pequeninos.
Transforma-os em pequenos adultos.
Com agenda a cumprir,
ou soltos nas ruas,
como “de menor” a matar ou roubar...

 

Consomem-se vidas.
E, em nossa ingratidão,
não cuidamos do nosso vir a ser...

 

Intricados no alto da montanha da maturidade,
antevemos palavras soltas que se configuram
em hinos de euforia por um novo tempo,
aos que chegam e projetam as novas gerações.
Que saibam fazer, com nossos erros, seus acertos.

 

Célia Rangel, autora.
*Cia dos Blogueiros
*Clube de Autores

14 comentários:

  1. Assim seja minha amiga, "...Que saibam fazer, com nossos erros, seus acertos."
    Ah, Dia das Crianças, elas são ainda as que nos faz crer que nada está perdido, há esperança sim!
    Olhando pelo melhor ângulo, é assim que quero e preciso ver e crer!!!
    Abraços amiga Célia!

    ResponderExcluir
  2. Olá, Célia. Um lindo post! Quantas verdadades contida nessas palavras. Obrigada amiga, pela partilha. Uma boa semana e todo carinho pra vc! Beijos.

    ResponderExcluir
  3. Olá Célia, você citou o Dia das Crianças e foi inevitável não continuar pensando em um post que acabei de ler, em que querem tomar a "iniciativa" de "remunerá-las" (sim, exatamente isto!) para que leiam. Eu achei um absurdo. Pessoas querem se isentar da responsabilidade de incentivar as crianças achando que podem comprá-las em todos os quesitos. É muito mais cômodo não?
    Gostei muito do poema. Parabéns e muito obrigado por votar em meu livro.

    => CLIQUE => Escritos Lisérgicos...

    ResponderExcluir
  4. As crianças são os grandes alvos desta agenda crua, pronta a devorar a liberdade! abraços

    ResponderExcluir
  5. Você foi a primeira pessoa a fazer uma reflexão sensata sobre o mês das crianças este ano, Célia. As outras ainda estão presas aos chavões de "criança feliz". Isso sem falar nos incentivadores do consumismo infantil. Beijos!

    ResponderExcluir
  6. Célia, um poema tocante e finalizando, para mim como se fosse um grito, "Que saibam fazer, com nossos erros, seus acertos."
    Que assim seja minha querida.

    Admiro teu poetar.

    Beijos com carinho.

    ResponderExcluir
  7. Minha querida Célia, que bom seria ser criança outra vez! Talvez essa seja a melhor fase da vida de uma pessoa; claro, isso quando não roubam dela esse direito. Um beijo no seu coração.

    ResponderExcluir
  8. Somos o resultado das gerações anteriores e as próximas terão algo do nosso cunho... para o bem ou para o mal...
    Magnífico poema. Gostei muito.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  9. Célia, que linda postagem descrevendo a infância, que infelismente não volta mais...
    Que seu anjo sempre te ilumine!
    Grande abraço e fique com Deus!

    ResponderExcluir
  10. Oi Célia,

    Excelente a reflexão! Somos os formadores das crianças e os nossos excessos ou faltas podem determinar problemas sérias nas personalidades em construção. Penso que é fácil ausentarmos e culpamos terceiros, mas lá existe a certeza do nosso status quo ou das nossas ações sem sabedoria.

    Beijos;

    ResponderExcluir
  11. Oii Célia, ótima reflexão nos trouxe, vamos sendo absorvidos pela ditadura da mídia em consumir e presentear, acho bacana desde que não haja excessos, as datas tem uma razão de ser, lá atras qdo foram criadas não foram criadas p o comércio, nenhuma delas na verdade, todas tem uma história bacana por trás, já pesquisei a respeito qdo estava na Faculdade, porém o comércio se apropriou destas datas, e nós entramos nessa, cabe a nós resgatarmos o verdadeiro sentido delas! Bjoooosss

    ResponderExcluir
  12. Olá, Célia.

    Grande reflexão que me fez lembrar a música "coração de estudante", onde Milton Nascimento nos alerta que é preciso cuidar do broto, para que a vida nos dê flor e fruto.

    Um abração.

    ResponderExcluir
  13. Lindo poema, Célia!
    E linda imagem também, escolhida para ilustrar suas palavras.
    Com o passar dos anos, mais amo as crianças e me preocupo com o mundo. Pra lutar contra o consumismo e a alienação, é preciso haver mais convivência saudável entre as pessoas e com a natureza.
    Parabéns pela reflexão!
    Um abraço...

    ResponderExcluir
  14. Que belo amiga! Dia das crianças para algumas não? Outras a vida os fez adultos em miniatura ou partiu para coisas piores por falta de opção! Que pena! Beijos

    ResponderExcluir

Seu comentário evidencia o seu 'pensar'.
Saiba que aprendo muito com você.
Obrigada, meu abraço,
Célia Rangel,
Autora responsável pelo blog.
Obs.: NÃO POSTAREI COMENTÁRIOS ANÔNIMOS.