quarta-feira, 14 de novembro de 2012

Minha Proclamação

 
(Google images)
 
 
 
 
No meu amanhecer filosófico
Estaciono-me em certos pensares
Do existir... Do amar... Do ser e ter...
No meu país.
 
Avalio se me pauso nos mesmos
Ou me entrego aos faróis do meu olhar
Em novos horizontes.
 
Que o iluminar me seja favorável
É minha exigência
Afinal, século XXI.
 
De tropeços e cegueira me bastam
Qualidade e essência me emolduram
Vou à luta.
 
Insaciável explodo e provoco mudanças
O limite é o processo de maturação da ideia
Desfrutemos não como máquinas, mas como humanos
Dignidade é a meta.
 
Célia Rangel


14 comentários:

  1. Oi Celinha, como seres humanos sim, sempre. Lindo pensar.
    Bjks e otimo feriado

    ResponderExcluir
  2. Olá, grande amiga Célia!
    Sua proclamação é repleta de beleza, sabedoria e, sobretudo, poesia ímpar.
    Temos de exaltar sempre a dignidade humana.
    Ah, fiquei maravilhado ao ver sua fotografia no perfil. Confesso-lhe que tinha imaginado que era assim, simpática e elegante, como é em sua escrita.

    Parabéns pelo talento e inspiração!

    Abraços fraternos do amigo de sempre.

    ResponderExcluir
  3. Célia, não somos máquinas, seres humanos é que somos, diria o Chaplin. A mensagem genuínamente humana é sempre presente. Abç.

    ResponderExcluir
  4. Linda tua proclamação,Célia!! Linda poesia e inspiração! beijos,chica

    ResponderExcluir
  5. Dignidade tão almejada e construída. abraços

    ResponderExcluir
  6. Bom dia minha amiga das letras!!!!!
    Amei ver seu blog de cara nova...renovação é preciso,eu não gostava daquela versão optada por vc,apesar de ser o mais moderno,pra mim sentia a falta de algo para completar.Agora me sinto em casa,com amigos blogueiros de ladinho dando cobertura.Sua foto de perfil deu o complemento final.Por favor!Conserva assim que me fará feliz,sempre feliz toda vez que te visitar.
    Como sempre tua colocação em datas comemorativas faz da tua intelectualidade um resgate para boas lembranças.Amei mais um dos teus escritos...
    bjsssssssssssssssss e parabéns pela roupa nova que destes de presente ao teu cantinho!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  7. Oi Célia,

    Tudo bem? Embora o dia não seja mais que um feriado no sentido figurado do lazer, penso que o tema sempre é adequado para se pensar na luta e nas batalhas diárias. Entendendo a mudança como algo que constrói a dignidade, esquecendo a indignação e lembrando o que merecer ser lembrado.

    Bom feriado e beijos.

    ResponderExcluir
  8. OI QUERIDA
    Vim retribuir sua visita.Não se sinta triste por um momento que já passou, mas sinta-se feliz pelos momentos que estão por vir. Pois a felicidade e um dom todos possuímos, mas poucos de nós sabemos utiliza-los. Sinta-se feliz por tudo que a vida já lhe proporcionou por todos esses anos de sua existência!Um feliz feriado repleto de muitas alegrias.
    Um bj
    Ana

    ResponderExcluir

  9. Olá Célia,

    Adorei poder visualizar a sua imagem. É sempre bom quando falamos virtualmente com algum amigo tendo em mente a imagem de quem está do outro lado da telinha.
    Você é mesmo bem filosófica e se dedica a pensares importantes. Confesso que não me detenho neles, pois o saldo recolhido me deixa ansiosa.
    "Desfrutemos não como máquinas, mas como humanos". Isto é fundamental.
    Sua proclamação está valiosa assim como a imagem escolhida é maravilhosa.

    Excelente feriado.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  10. Não resisto a Comentar com as tuas magníficas palavras: "[...]O limite é o processo de maturação da ideia
    Desfrutemos (...) como humanos.
    Dignidade é a meta."
    Nobre e belo.


    Beijos


    SOL

    ResponderExcluir
  11. CÉLIA RANGEL

    Vendo sua fotografia
    Avistei sua alma...

    Traços suaves de amor
    Em volta do peito
    Dando formas ao seu coração
    E um olhar tênue cheio de sorrisos
    Suavizando de alegria seu semblante...

    E da alma ouvi sua voz:
    A poesia exalando-nos sua proclamação...

    Seus versos soaram
    Tantos sentimentos
    Que insaciável explodiram
    Provocando-nos mudanças
    Para desfrutarmos não como máquinas,
    Mas como humanos
    Porque dignidade é sua meta...

    Voltei-me ao seu olhar
    Tão azul
    Que enxerguei o céu
    Suas asas nele alçam voos
    Plenos de sabedoria...

    E o poeta Bento Sales como eu lhe enxergou
    Traduzindo toda beleza da sua fotografia
    Cheia de elegância e simpatia
    Como é sua escrita e poesia...

    Magníficas suas palavras
    Ecoaram todo processo de maturação
    E o que lemos ganhou asas na imaginação
    Em sua belíssima proclamação...

    Desta junção poesia e fotografia
    Dedico-lhe esta inspiração... Regilene

    ResponderExcluir
  12. Nossa, quantos comentários já tem aqui, Célia! Bem, tá certo, eu sou a centésima a dizer que adorou o poema. Centésima, porém sincera. :) Beijos!

    ResponderExcluir
  13. Dignidade sempre!
    Este é o verdadeiro processo da maturidade!

    Um grande abraço!

    ResponderExcluir

Seu comentário evidencia o seu 'pensar'.
Saiba que aprendo muito com você.
Obrigada, meu abraço,
Célia Rangel,
Autora responsável pelo blog.
Obs.: NÃO POSTAREI COMENTÁRIOS ANÔNIMOS.