sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

ENCANTAMENTO POR VIVER

(Imagem google)

Simples, assim...

Segundos nos distanciam de uma solução. Ação de coragem ou arrependimento. Depende da nossa atitude. O saldo, credor ou devedor será depositado na coluna dos sentimentos.
 
A espera até pode ser longa, mas a tomada de decisão tem que ser breve.  Tudo o que passa do tempo no ninho, deteriora, morre.
Ingrediente correto para isso é o diálogo terno, amoroso, envolvendo coração > emoção > razão, em primeira instância. Depois, o olhar, linguagem maior, definitiva com a alma em doação total. Agindo assim, não há barreira que intercepte o melhor momento das decisões humanas.
Afinal, temos uma vida inteira para o entendimento. Saibamos desfrutar. É o que importa. O mais são detalhes que compõem a cena.
Já sabemos por experiência própria que no teatro da vida, não há ensaios: “A vida é uma peça de teatro que não permite ensaios. Por isso, cante, chore, dance, ria e viva intensamente, antes que a cortina se feche e a peça termine sem aplausos”. (Charles Chaplin)
Pode haver sim, troca de personagens, de figurantes... Sempre chega alguém para o lugar daquele que era insubstituível, inesquecível...
Imponência, soberba, autonomia, autoridade, supremacia caem por terra... Por quê? Oras, desmando nosso ou desígnios divinos. Há o verso e o reverso de toda uma situação. Podemos até discordar dos mesmos, mas são avassaladores quando nos atingem. Destroem engrenagens do poder, do ter. Ficam as correntes do amor, da paz, da alegria e da cumplicidade entre aqueles que se enlaçam na única causa da nossa sobrevivência: - dignidade e amorosidade -... O resto é perda de tempo!
Desagregar é fácil, rapidíssimo, em segundos... Agregar, dar liga consistência, pode levar toda uma existência e, ao vermos o porto de chegada, percebemos o quanto somos falíveis. Se fotogênicos ou não, é o retrato da nossa missão aqui e agora. Não há a ajuda da parafernália tecnológica do fotoshop. Somos únicos. Nada mais. 
Sabendo contornar obstáculos, retornaremos na estrada de encontros felizes. Basta que nos deixemos contagiar pela alegria epidêmica de viver nossas emoções.
Célia Rangel


12 comentários:

  1. Oi Célia,

    Tudo bem?

    Descobri que me torno simples quando não tento ganhar aplausos. Claro que a simplicidade chega na vida sempre depois de algumas perdas, mas salva-se o resto. Penso que conviver com o simples desprende menos energia, menos movimento emocional, e principalmente, mas disposição para experimentação do novo. Simplicidade não é sinônimo de fuga ou de solidão, mas de aceitação, de crescimento e de mudança. Tal opção é talvez a solução para a busca da crise de infelicidade que vejo tantos passando, com o emprego dos sonhos, família linda,reconhecimento na sociedade, mas sem saber a direção.

    E viva o encantamento no viver...

    Beijos.

    ResponderExcluir
  2. Célia, um beijo no seu coração. Mágicas são as suas palavras no desenrolar desse texto e verdadeiras as lições que a belíssima publicação nos passa. Parabéns mina querida.

    ResponderExcluir
  3. Célia, sempre lindo seus textos, nos faz refletir sobre a Vida, assim como faço sempre,pois é dando valores ao que realmente o têm, a alma sabe sim o que é bom, seguir a intuição da alma que sabe bem que o simples é sempre o que nos dá paz, o dia-a-dia vivido com calma, sem grandes expectativas!
    A citação de Charles Chaplin é mesmo para nos fazer pensar, viver é mesmo uma linda incógnita, cada dia ao seu dia, paz e amor vem disso eu creio!
    Grande abraço minha linda amiga, desejo tudo de bom para ti no Natal feliz e no Novo Ano juntamente aos seus!

    ResponderExcluir
  4. Oi Célia
    Obrigada pelo carinho no meu blog. Linda crônica! Tenho aprendido da pior maneira possível a contornar os obstáculos para voltar as estradas felizes.
    Bjos. Fique com Deus! Um ótimo 2013 para vc e sua família!

    ResponderExcluir
  5. Hola, interesante espacio el tuyo, un placer.
    ya llegan estas fechas tan entrañables deseo que la paz y la ilusión llamen a la puerta
    de tu hogar, que las disfrutes.
    un abrazo.

    ResponderExcluir
  6. Depois de tudo isso, já me sinto contagiado pela alegria epidêmica de viver nossas emoções. Meu beijo.

    ResponderExcluir
  7. Oi Celia, ótimo post, muito bom querida! Devemos aprendeer a superar os obstáculos comuns do dia-a-dia.
    Tenha um ótimo fds, bjs!

    ResponderExcluir
  8. Que a Santa Alegria nos transforme, desde já Feliz Natal para você e a sua família. Um abraço, Yayá.

    ResponderExcluir
  9. Oii Célia, Belo texto, uma ótima mensagem e incentivo para adoção de novas posturas em 2013 a favor de nós mesmos! Adorei! Bjooooss

    ResponderExcluir
  10. Oi Célia,
    Dei uma passadinha pra apreciar sua postagem, gostei muito.
    A simplicidade me fascina. Gosto muito de conviver com o simples.
    Um grande ensinamento seu texto.
    Desejo uma ótima semana!
    Aproveito desde já, pra te desejar um Natal cheio de muitas alegrias, e que o espírito do Natal te guie durante o ano novo que está para começar. Feliz Natal e Próspero Ano Novo!
    Beijos!

    Refletindo com a Smareis

    ResponderExcluir

  11. Oi Célia,

    Muita linda sua crônica.
    Gostei muito da colocação final: "Sabendo contornar obstáculos, retornaremos na estrada de encontros felizes. Basta que nos deixemos contagiar pela alegria epidêmica de viver nossas emoções".
    Perfeito. Nada a acrescentar.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  12. Célia, o título de sua crônica já chama atenção, e ao te ler o encantamento por viver foi tomando forma.

    Destaco essa parte, "Ficam as correntes do amor, da paz, da alegria e da cumplicidade entre aqueles que se enlaçam na única causa da nossa sobrevivência: - dignidade e amorosidade -... O resto é perda de tempo!", que muito me tocou.
    Que saibamos discernir, sempre, os rumos que se apresentam em nosso caminhar.

    Meu carinho e um beijo.

    ResponderExcluir

Seu comentário evidencia o seu 'pensar'.
Saiba que aprendo muito com você.
Obrigada, meu abraço,
Célia Rangel,
Autora responsável pelo blog.
Obs.: NÃO POSTAREI COMENTÁRIOS ANÔNIMOS.