domingo, 13 de janeiro de 2013

Depois de uma vida





Único...



Sabia que mais nada importava. Andava pela casa em busca de um recanto

acolhedor. Até ouvir um som que arrebatou sua respiração.  Tateando pelas 

paredes, movia-se na dificuldade das limitações ósseas. Sentou-se. Percebeu 

que o som ora estridente, ora sonoramente envolvente acariciava- lhe os 

pensamentos.
Reviveu toda a trilha sonora de sua vida.

Encantamento foi a sensação amorosa obtida.
Como aprendizado do seu tempo só, colheu do silêncio toda a magia de sons 

que, no turbilhão da correria da vida, não conseguira assimilar.


Acolher as manifestações diversas do som! Que prazer indescritível!
Madrugada.


Abriu a janela e respirou profundamente. Sentiu a voz do vento em seu rosto. 

Galhos das árvores sonorizavam acordes como violinos uivantes.
Imaginou-se Julieta. Imaginou o seu Romeu. Reencantou-se com o som que a 

arrebatou. Encontrada no amanhecer desvanecida com a foto de seu grande 

amor. No verso, a dedicatória: - “espero-te...” e, na vitrola os últimos acordes 

“The End”.




Célia Rangel

21 comentários:

  1. Célia, eu não me recordo em ter lido algum texto seu em prosa e gostei muito do trecho:

    "Sentiu a voz do vento em seu rosto. Galhos das árvores sonorizavam acordes como violinos uivantes."

    É uma prosa poética, sem dúvida.

    => CLIQUE => ESCRITOS LISÉRGICOS...

    ResponderExcluir
  2. Esse "depois", se insere na própria vida. E que vida!
    O texto "traduz": missão cumprida,vida sem pressa,romântica,feliz...

    Um beijo, Célia,
    da Lúcia

    ResponderExcluir
  3. Muito lindo Célia, e esta canção caiu perfeita para o desfecho.
    bjs. Um bom domingo pra você.

    ResponderExcluir
  4. O tempo só assopra tantas poesias em nossos ouvidos, não? abraços

    ResponderExcluir
  5. "Quem ouve música, sente a sua solidão de repente povoada."

    Beijo.

    ResponderExcluir
  6. Muitos vêem no fim a possibilidade do reencontro.
    ... Que assim seja!

    Preciosa a sua crônica querida Célia!

    beijos e obrigada pelo carinho de sempre no Palavras

    Leila

    ResponderExcluir
  7. Olá Célia.

    O tempo passa, mas somos nós atemporais. Em cada fim um recomeço. A vida, como a música. Ecoa no infinito, baila ao som da eternidade, eterna idade.

    Um abração e uma boa semana.

    ResponderExcluir
  8. Belíssima esta canção! Dos meus belos tempos de adolescente... O texto é um pouco perturbador, mas o final é feliz! Ainda bem.

    Beijinhos e boa semana.

    ResponderExcluir
  9. Oi querida,
    passei para agradecer o apoio e fui presenteada com seu lindo texto, acompanhado do incrível Earl Grant. Às vezes, tudo o que queremos é um lindo fim, com cachoeiras, borboletas, carinho, respeito e amor. Abençoados os que conseguem.
    Mil beijos,
    Tania Pinheiro.

    ResponderExcluir
  10. Oi Celinha querida, maravilhosa prosa-poetica, fiquei encantada.
    Bjks e linda semana pra voce.

    ResponderExcluir
  11. Olá Célia, pela espera, a força de toda uma vida...Belo, belo!!
    Um texto lindo, tão bem descrito que pode-se "ver" e apreciar esse derradeiro momento de amor.
    Parabéns!!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  12. Bela lavra, regida pelo som. A gente pede bis. Parabéns, Célia.

    ResponderExcluir
  13. Um texto muito bonito, um pouco inquietante, mas com um final tão feliz como a bela música de Earl Grant (uma voz única).

    Boa semana.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  14. Olá! Boa tarde!
    Célia
    Tudo bem?
    Obrigado pelo carinho!
    ...os dias que se acumulam em meses, que por sua vez se transformam em anos, faz residir dentro de nós as recordações de muitos momentos vividos a dois e que hoje apenas se manifestam em trilhas sonoras. Neles, manifestam-se duas vidas que outrora se uniram numa só e que tiveram que separar... resta contentar-se apenas com o mínimo para manter-se...,missão cumprida,vida sem pressa... uma vez que não somos só corpo, também somos imaginação, sensibilidade e alma.
    Gostei de ouvir.
    Bela semana!
    Beijos

    ResponderExcluir
  15. Oi Célia minha querida


    Amei o poema.

    Beijos
    Ani

    ResponderExcluir

  16. Nossa, que coisa mais linda!
    A música deu um toque especial à emoção que o lindo texto desperta.
    Adoro esta música.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  17. OI CÉLIA!
    ADOREI...
    SEM EXPLICAÇÃO A BELEZA DESTE TEU ESCRITO.
    EU O RELI, POIS A PRIMEIRA VEZ FOI SEM O SOM, DEPOIS O FIZ COM A MÚSICA, DEU VONTADE DE CHORAR.
    ABRÇS
    http zilanicelia.blogspot.com.br/ClickAQUI://

    ResponderExcluir
  18. querida Célia obrigada pelo carinho de sua visita.
    Tenha um lindo dia coberto de muita Alegria e Paz! Abraço amigo.
    Maria Alice

    ResponderExcluir
  19. Admirável, Célia.
    Admirável, o seu texto. Lindo. Belo. Magníficio.
    Estou feliz, feliz e, feliz, por ter comentado no meu blogue.
    Um abraço, querida. Força, e, Saúde.

    ResponderExcluir
  20. Que arrepio ler um texto lindo assim e, em seguida, terminar com essa música! Célia, você é mesmo refinada (e nada periguética). Pa-ra-béns!!!

    ResponderExcluir
  21. Meu Deus! Este poema, esta música ao entardecer! Uiiiii, me deixou arrepiada! Eita poeta romântica! Beijos

    ResponderExcluir

Seu comentário evidencia o seu 'pensar'.
Saiba que aprendo muito com você.
Obrigada, meu abraço,
Célia Rangel,
Autora responsável pelo blog.
Obs.: NÃO POSTAREI COMENTÁRIOS ANÔNIMOS.