sábado, 16 de março de 2013

Sensibilidades



Relações passadas
concretadas todas na saudade,
eternizadas ainda em vida.
Na busca de prazeres mundanos
reconhece-se agora sua finitude
e o desperdício de tempo
com banalidades.
Ah! As vaidades! O status e o poder!
Faz-se entulho dos mesmos...
Total inutilidade.
Pensando em dimensões infinitas,
no que pode atravessar o tempo e os obstáculos,
as tristezas e saudades, só encontra-se como resposta,
o amor, despretensioso, sem dominantes ou dominados,
apenas no ‘pluriamar drumondiano’ ...
Célia Rangel


13 comentários:

  1. Quem dera, querida Célia, que tudo fosse simples assim...

    Beijinhos pela sua humildade e simplicidade.

    ResponderExcluir
  2. ...a maturidade expressada
    de forma doce e certeira.

    obrigada!

    beijo

    ResponderExcluir
  3. Bom dia, Célia. A saudade eternizada em vida, não sei se ficou muito bem no passado.
    Parece que quando vivemos assim, não damos chance para o presente, é como se alguma questão não estivesse bem resolvida!
    Tenha um fim de semana de paz!
    Beijos na alma!

    ResponderExcluir
  4. Lindo poema, a saudade é doída, sempre que sentimos sofremos e sendo assim é preciso tentar viver, e muito bem, o presente.
    Grande abraço amiga poetisa querida!

    ResponderExcluir
  5. Como um dia li algures, "No entardecer da vida só a amor verdadeiro permanece". Belissimo poema.
    Beijinhos
    Maria

    ResponderExcluir
  6. Belo amiga Célia! Admirável sensibilidade. Maria disse tudo: Só o amor verdadeiro permanece! Bjos e ótimo domingo.

    ResponderExcluir
  7. ...a vaidade não passa de entulho! Divina poesia, abraços

    ResponderExcluir
  8. " Na busca de prazeres mundanos
    reconhece-se agora sua finitude
    e o desperdício de tempo"
    Belas palavras Célia,
    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  9. Oi Célia
    Simplesmente maravilhoso! Como desperdiçamos tempo com banalidades mesmo kkkkk.
    Bjos.

    ResponderExcluir
  10. Belo e preciso, como sempre, Célia. As banalidades, ainda por cima, nos tomam o tempo de ser feliz. Beijos!

    ResponderExcluir
  11. Celia,é mesmo uma pena quando olhamos para trás e vemos que desperdiçamos tanto com banalidades!Muito linda sua poesia!bjs,

    ResponderExcluir
  12. Oii Célia, muito lindo, as pessoas estão preocupadas em alcançar as inutilidades e a essência da vida que é o amor anda ficando p segundo plano, dá medo viu! bjooooss

    ResponderExcluir
  13. Lindo poema que fala sobre a brevidade de nossa vida e ao que devemos valorizar! Parabéns! Beijos

    ResponderExcluir

Seu comentário evidencia o seu 'pensar'.
Saiba que aprendo muito com você.
Obrigada, meu abraço,
Célia Rangel,
Autora responsável pelo blog.
Obs.: NÃO POSTAREI COMENTÁRIOS ANÔNIMOS.