terça-feira, 28 de maio de 2013

A VIDA EM PARALELAS


‘Freezerou-se’ meu ser
Petrificada vaguei pelo meu interior
Aos olhos projetou-se linda lua
Soberanamente só e dominante
Você alojou-se no pensamento
Bem macabros por sinal
Em um canto solitário
Adormeci...
 
 
Sonhei que
Entre folhas cinzentas e ressequidas
Caminhávamos olhar no olhar
Suas mãos afagavam meu rosto
Aconchegando meu gélido ser
Seguimos sem destino
O trajeto era o do amor
Ternura...
 
A luz do sol despertou meu corpo
Extasiada em outra realidade
Seguimos por sólidos caminhos
Que não se descongelam
Somos paralelas fugidias
Fantasiamos nossas esperanças
Já que não assumimos
Fugimos...
 
Célia Rangel.





20 comentários:

  1. Roubei palavras de um livro, mas elas fugiram de mim. Questionamentos invadiram minha mente exclamativa.
    Fechei o livro o mais depressa que pude na esperança de detê-las... só me restaram as incoerências.

    (Agamenon Troyan)

    ResponderExcluir
  2. Parabéns pela postagem Célia, surpreendendo-nos sempre!
    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  3. Bela postagem querida!
    Desejo a vc uma quarta-feira abençoada em nome de Jesus amém!!

    ResponderExcluir
  4. OI CÉLIA!
    QUANDO HÁ AMOR, MESMO SEGUINDO PARALELAMENTE,AINDA É POSSÍVEL DAR-SE AS MÃOS E SEGUIR-SE JUNTO...
    LINDO TEU TEXTO.
    ABRÇS
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Admirável, Célia.
    O que desperta o sentimento amor. É o próprio Amor.
    Adorei.
    Parabéns.
    Estou grato, por ter comentado no meu blogue.
    Beijos, querida.

    ResponderExcluir
  6. que as paralelas unam-se logo ali na frente e não bifurquem-se.
    Mas se assim acontecer, que sigam paralelas, mas unidas, servindo como caminho aos que buscam reencontros.

    ResponderExcluir
  7. As separações existem para nos fazer melhores, separar não significa enfrentar, antônimo de fugir, significa escolher o seu caminho. Um abraço, Yayá.

    ResponderExcluir
  8. " Seguimos sem destino
    O trajeto era o do amor
    Ternura..."
    Muito bonito ! Excelente !

    ResponderExcluir
  9. Olá, Célia.

    Como sempre, nos presenteando com seus belos versos. Na geometria da vida, as paralelas podem se encontrar antes do infinito.

    Um abração.

    ResponderExcluir
  10. Amiga Célia, a Vida tem suas razões, nem sempre se é o que se deseja, caminhar da vida em paralelas talvez seja a saída de quem sabe que, se viver com alguém sem nunca poder dizer que juntos foi o melhor, seguir em frente mesmo assim, eis o que é escolhas!
    Abraços amiga!

    ResponderExcluir
  11. Já que não assumimos,fugimos...amei esse final!Amores assim paralelos deixam saudade.Lindo poetar e adoro essa canção tb.bjs,

    ResponderExcluir
  12. Célia, que coisa linda aconteceu agora! Cheguei aqui e ativei direto o vídeo. Mal o violão começou a tocar, iniciei a leitura do seu poema e terminei exatamente quando o canto começou. Foi muito bonito seu poema sobre fundo musical. Combinou perfeitamente. Não sei se, em outra pessoa, o efeito seria o mesmo, mas eu adorei. Poema lindo demais! Beijos!

    ResponderExcluir
  13. Muito hermoso poema, Celia.
    Abracos.

    ResponderExcluir
  14. Célia bom dia, este poema está simplesmente lindo!!!
    Não é só as esperanças que nós fantasiamos amiga, quantas vezes a realidade também precisa ser um pouco fantasiada....
    beijos
    anacosta

    ResponderExcluir
  15. A luz do sol desperta caminhos...! Que canção bonita, me causou uma sensação que desconheço! abraços

    ResponderExcluir
  16. Lindo e triste poema! Amor cantado em alegrias e tristezas! Beijos

    ResponderExcluir
  17. Lindo amiga! Vim lhe desejar um ótimo final de semana, beijos!

    ResponderExcluir
  18. Boa tarde, Célia. Ainda existe a esperança para que esse amor seja assumido, uma vez que ainda mora firme no peito!
    A fuga não serve para nada, a não ser para aumentar o nosso sofrimento.
    Lindo!
    Beijo grande e tudo de bom!

    ResponderExcluir
  19. Parabéns, aproveitando o friozinho para compôr notas frias ao estilo lagarteano, ahha.
    Quem bom que o sol nasceu, não conseguiria morar na Holanda.
    Abraço, Célia, bem quente.
    Camilo

    ResponderExcluir

Seu comentário evidencia o seu 'pensar'.
Saiba que aprendo muito com você.
Obrigada, meu abraço,
Célia Rangel,
Autora responsável pelo blog.
Obs.: NÃO POSTAREI COMENTÁRIOS ANÔNIMOS.