segunda-feira, 15 de julho de 2013

A geografia do amor

 
 

Como pode um amor tão grande assim?
 
 
Um amor tão grande assim, não cabe em mim.
Despejou-se mundo a fora à procura de outros corações.
Quer um abrigo, um aconchego, um ficar
Na calma de um conforto amoroso,
Que só outro coração poderá abrigar.
 
Corre feito um rio caudaloso em busca do seu oceano,
E por onde passa, deixa terra fértil preparada.
Segue na busca incessante de uma chegada,
De ser um só – na mistura com outros,
Na sobrevivência com seus afluentes.
 
Percebe que hoje o mundo não é mais o mesmo,
Descrente de tudo e de todos,
Sua oferta não é aceita.
Vê secando suas águas – suas lágrimas,
Deixa assim, de regar os benefícios da paixão.
 
Segue só – seu oceano é de outros rios,
Mergulha nas intempéries de sua mente,
Onde encontra ressacas de um grande amor,
E deixa-se embalar por um despedir-se,
Do sol – das águas – dos rios – do mar.
 
Por um estreito caminho debate-se,
Arranha-se. Machuca-se. Entrega-se.
Secou, na busca e na entrega de um grande amor.
Como pode um amor tão grande assim...
Não caber em mim?
 
Célia Rangel
 

 

 

 

24 comentários:

  1. Olá Célia,

    Bela "Geografia do amor".
    Creio que o mundo não é mais o mesmo exatamente pelo não acolhimento do amor, tão indispensável ao coração do ser humano.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  2. Bom dia, Célia. Só o amor verdadeiro não deixa de amar, mesmo quando sua semente cai em solo infértil. Lindo poema!

    ResponderExcluir
  3. O amor esta sendo ridicularizado pelos grandes pensadores, como se fosse joguete na mão de inocentes, mas como pode caber em mim? abraços

    ResponderExcluir
  4. Lindo....novamente consigo imaginar um texto seu virando letra de música... Parabéns Celinha! bjs

    ResponderExcluir
  5. Célia, lindíssimo poema, as pessoas estão ficando receosas em amar assim como o amor dos seus versos, seria maravilha se todos pudessem entender que o objetivo da vida é viver para amar, principalmente quando diz nas escritas bíblicas, amar ao próximo como a si mesmo, que quer dizer amar a família os amigos os que estão em convívio, se nem isso podemos ver, as coisas desvirtuaram!
    Mas nada está perdido, ainda bem, creio nesse lindo amor, nesse seu lindo amor minha amiga!
    Abraços, amei ler aqui!

    ResponderExcluir
  6. Olá, Célia.

    Sem comentário. Bela a geografia do amor. Aplausos!

    Um abração.

    ResponderExcluir
  7. O mundo se apequenou, Célia. Mal tem espaço para afeições passageiras. Feliz de quem conheceu um grande amor. Beijos!

    ResponderExcluir
  8. Caber cabe só que transborda...Amar intensamente e sem medidas, com desapego e com coragem, com todas as ternuras.

    Um privilégio trilhar nessa tua trajectoria,nessa georgrafia tão bela Célia.

    Congratulações pelo teu dom,escreves com o coração.

    Um abraço carinhoso,boa terça

    ResponderExcluir
  9. Amor tão lindo e grande que se expande cada vez mais!Um poema muito lindo,amei!bjs,

    ResponderExcluir
  10. Lindo esse amor... Amor assim só senti pela minha filha...

    Beijão

    ResponderExcluir
  11. Minha querida

    Que amor lindo esse que te enche a alma de ternura e desagua neste belo poema.

    Um beijinho com carinho
    Sonhadora

    ResponderExcluir
  12. Oi Célia, adorei o post, muito lindo!
    Vim lhe desejar uma ótima tarde de quarta, beijos!

    ResponderExcluir
  13. Oi Célia querida, passando para lhe desejar parabéns pelo lindo post e uma linda semana para ti, beijos e fique com Deus!

    ResponderExcluir
  14. E eu que nem sei medir tamanho do amor?
    Cadinho RoCo

    ResponderExcluir
  15. Lindo amiga! Ainda bem que tem amigos para distribuir este amor! Beijos

    ResponderExcluir
  16. Este imenso amor transborda mesmo de várias formas, e certamente nunca secará a sua fonte, pois uma vez que ele é sentido, jamais deixa de pulsar dentro do ser humano, beijos Luconi

    ResponderExcluir
  17. Querida amiga vim agradecer
    A sua presença carinhosa no meu cantinho
    Me dando força para seguir meu caminho
    Com serenidade paz e alegria.
    Tenha uma linda semana, coberta de muita paz e amor!
    Com carinho
    Abraço amigo!
    Maria Alice

    ResponderExcluir
  18. Eu só reconheço o amor quando ele é desprovido de qualquer sentimento de posse, de egoísmo, de pressa, de interesse. É sublime. E tem sua diretriz, dirige-se calmamente em busca do que já sabe dar.
    Lindo poema, Célia!
    Beijo.

    ResponderExcluir
  19. Boa tarde, Célia. Lindo o seu poema.
    O coração vive a espalhar amor, pois sem ele é frio, sem vida, e preparando novos sorrisos, mas cansou-se de tanta frieza, incredulidade, e raiz de amargura.
    Mas um amor verdadeiro é persistente, ele não conforma-se com o canto da solidão, com o que vê da maldade humana, insiste numa alma lavada por suas águas de felicidade, quantas vezes necessárias julgar preciso!
    Parabéns!
    Beijos na alma e paz!

    ResponderExcluir
  20. Célia, Querida

    Amor é o espaço imenso que une, liga, gruda, cresce e sempre está no lugar onde o procuramos.
    Saber Amar, é saber percorrer os Caminhos que nos conduzem ao sentir e á necessidade de cada momento.
    Amor. é... Amor. Está bem demarcado na sua geografia.


    Beijos



    SOL

    ResponderExcluir
  21. Um amor tão grande assim, não cabe em você e vira poesia...
    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  22. Nossa que escrito lindo!

    Olá Célia conheci seu blog através de um blog amigo...
    Bem, diante desse escrito que amei, fico por aqui!

    Beijos! Fernanda Oliveira
    http://nandamusicpoesia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Seu comentário evidencia o seu 'pensar'.
Saiba que aprendo muito com você.
Obrigada, meu abraço,
Célia Rangel,
Autora responsável pelo blog.
Obs.: NÃO POSTAREI COMENTÁRIOS ANÔNIMOS.