domingo, 28 de julho de 2013

Entre várias artes...


A arte de perder
 
A arte de perder não é nenhum mistério;
Tantas coisas contêm em si o acidente
De perdê-las, que perder não é nada sério.
Perca um pouquinho a cada dia.
Aceite, austero, A chave perdida, a hora gasta bestamente.
A arte de perder não é nenhum mistério.
Depois perca mais rápido, com mais critério:
Lugares, nomes, a escala subsequente da viagem não feita.
Nada disso é sério.
Perdi o relógio de mamãe.
Ah! E nem quero lembrar a perda de três casas excelentes.
A arte de perder não é nenhum mistério.
Perdi duas cidades lindas.
E um império que era meu, dois rios, e mais um continente.
Tenho saudade deles.
Mas não é nada sério.
– Mesmo perder você (a voz, o riso etéreo que eu amo) não muda nada.
Pois é evidente que a arte de perder não chega a ser mistério por muito que pareça
Escreve! Muito sério
 
Elisabeth Bishop

13 comentários:

  1. Não é nenhum mistério, mas por vezes custa tanto!...

    Bela escolha, contudo. Beijinhos

    ResponderExcluir
  2. Uma verdadeira beleza, esta "Arte de perder".
    Adorei!
    Obrigada por partilhar.

    Beijinhos
    Mariazita

    ResponderExcluir
  3. Sem mais delongas, para eu não perder, vou copiar isso agora pra mim. Obrigada pela aula de saber perder, Célia, por Elisabeth Bishop. Amei isso!

    ResponderExcluir
  4. Excelente minha amiga, saber perder é muito importante, aliás nenhuma perca é em vão, sempre é um aprendizado, Deus a abençoe, beijos Luconi

    ResponderExcluir
  5. Gostei do texto amiga Célia!
    Na vida, saber perder algo que todos tem que aprender.

    Beijos! Fernanda Oliveira

    ResponderExcluir
  6. Uma poesia muito bonita! Arte de saber perder,é muito reflexiva,
    e aos mesmo tempo, é vivendo que se aprende, é um aprendizado muito importante, é saber perder com dignidade.


    Parabéns!

    bjs

    Maria Machado

    ResponderExcluir
  7. Célia, depois de um tempo de férias, aqui retorno para me encantar com suas poesias!
    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  8. Bom dia amiga Célia, linda escolha desse poema sobre perda, pois é muito difícil lidar com perdas, mas muitas vezes somos obrigados a perder para aprender a valorizar o que se tem!
    Abraços e tenhas um lindo começo de semana!

    ResponderExcluir
  9. Tem um tratado de filosofia nestas poucas linhas. Muito, muito bom! Valeu, Célia. Um abraço.

    ResponderExcluir
  10. Esse poema é maravilhoso, Célia. E olha que a Elisabeth Bishop não perdeu pouca coisa. Beijos!

    ResponderExcluir
  11. Oi, Célia!
    Que beleza de poema, daqueles pra se ler em voz alta e entender todo o significado da mensagem.
    Eu já perdi algumas coisas e ganhei outras também, faz parte da vida, e é assim que tem que ser aceito.
    adorei!
    um abraço carioca


    ResponderExcluir
  12. Ninguém gosta muito de perder,mas faz parte da vida e sempre deixa um bom ensinamento.Uma bela poesia,Celia!bjs,

    ResponderExcluir
  13. É muito triste pensar assim, mas ao poeta tudo é permitido. Um abraço, Yayá.

    ResponderExcluir

Seu comentário evidencia o seu 'pensar'.
Saiba que aprendo muito com você.
Obrigada, meu abraço,
Célia Rangel,
Autora responsável pelo blog.
Obs.: NÃO POSTAREI COMENTÁRIOS ANÔNIMOS.