sábado, 7 de setembro de 2013

PÁTRIA


                                        

 
 
                         SEMANA DA PÁTRIA

 

A Semana da Pátria convida à reflexão sobre o que é ser patriota. Cidadãos, Famílias e Instituições de Educação podem participar de desfiles e de outras comemorações cívicas; no entanto, patriotismo vai além da participação em tais eventos. O patriotismo deve existir sempre, ultrapassar a barreira da Semana da Pátria. Em se tratando de educação, patriotismo é formar bons cidadãos, comprometidos com o presente e o futuro do país.

Trabalhar a disciplina é essencial na formação do bom cidadão. O conceito de disciplina está diretamente ligado à formação para a cidadania. Formar bons cidadãos é missão de toda a sociedade, com destaque para a família e para a escola.

A família, primeira educadora, fonte de afeto e de segurança, transmite, pela vivência, as virtudes da sociabilidade. O respeito por si próprio e pelo outro; o respeito pelo meio ambiente e pelos bens públicos; o respeito pelas normas do trânsito e pelos bons costumes; o respeito pelas leis; enfim, o respeito pela vida, tudo faz parte de uma disciplina interior, transmitida primeiramente no aconchego familiar.

A escola aprofunda e amplia a disciplina transmitida em casa. Sem base familiar, a educação escolar não se sustenta; sem base escolar, a educação familiar não se complementa. A educação integral, ou seja, a educação de todas as dimensões, como a cognitiva, a ética, a social, a espiritual, entre outras, cabe a ambas. Por isso, por uma questão de bom senso, a família e a escola devem ser parceiras.

A disciplina é um movimento positivo, uma energia canalizada para a criatividade, para as relações humanas, para o respeito ao meio ambiente, para a construção de conhecimento, para o crescimento pessoal e social. A palavra disciplina vem do latim, disciplina, que significa “ensinar”.  Pela disciplina, ensina-se à criança e ao adolescente a viverem mais produtivamente e com amor.

É importante sempre lembrar que a disciplina é meio, não fim. O fim é a pessoa, e a disciplina é meio de ajudá-la a ser feliz consigo mesma, com a família e com a sociedade. Quem determina a medida da disciplina é o amor. Às vezes, é preciso ser flexível, outras vezes é necessário diminuir os espaços. Não é possível falar de disciplina sem falar em ética e limites.

Amor e razão não são dicotômicos. Não se excluem. Antes, se atraem. Quando não há amor, a razão torna-se pedra; quando não há razão, o amor torna-se água.  Pela mistura justa e equilibrada da água e da pedra erguem-se construções sólidas e duradouras.

E é bom que fique claro que a indisciplina pode se manifestar em todos os graus. Desde um xingamento a um colega até um ferimento grave; desde um simples risco na carteira escolar até a danificação de um bem público; desde o desperdício de água até a poluição de um rio; desde a provação de um cigarro ou um gole de cerveja até o vício em drogas ilegais; desde o suborno a um guarda de trânsito até o hábito da corrupção. Enfim, um grande cabedal de pequenos e grandes exemplos poderia ser citado.

O maior problema está no exemplo que os adultos dão às crianças e aos adolescentes. Mais que nas palavras, a grande força educativa está no exemplo. Antes de educar pela palavra, o grande educador educa pelo que é e pelo que faz. As crianças e os adolescentes vivem num mundo que não construíram. Não foram eles que criaram tantos problemas sociais e ambientais. Sejamos nós, educadores, os primeiros em recuperar o sentido da disciplina e oferecer às novas gerações um mundo de paz, de ordem e de justiça.

Desde São Marcelino Champagnat, há 200 anos, o lema do Marista é “formar bons cristãos e virtuosos cidadãos”. A seriedade na educação torna o Marista uma Instituição comprometida com o bem da Pátria.

                           

                                                           Ir. Lauro Daros, marista.

15 comentários:

  1. Irmão Lauro Daros , esse é o artigo que um dia eu gostaria de ter escrito.

    ResponderExcluir
  2. Oportuno e verdadeiro. Parabéns pela publicação deste texto, que relembra valores que, às pressas, vão sendo tratados como o Amarildo.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  3. Belas reflexões sempre necessárias à essa data e sempre! beijos,chica

    ResponderExcluir
  4. Olá!Boa tarde
    Célia
    Muito belo texto...Lauro Daros...
    nada a acrescentar, diria: assinaria onde?
    penso que todos precisamos tornar-se racional, e não se nasce racional, mas "racionável" (Kant), e por isso precisamos da família, primeira educadora, fonte de afeto e de segurança e ponto inicial das virtudes da sociabilidade... e do educador, comprometidos com o conhecimento a fim de evoluir a consciência do ser humano na sua complexidade e assim,formar uma sociedade consciente e melhor.E um pouco mais além, o fortalecimento da identidade nacional da nação por sua cultura, por seus valores...
    Agradeço
    Belo final de semana
    Beijos

    ResponderExcluir
  5. ♪♫° ·.
    Passei para uma visitinha.
    Tudo isso deveria acontecer: família e escola se apoiando.

    No entanto... vivemos num mundo onde a maioria é excluída e apela para a violência. Não está certo, mas é necessário que o dinheiro dos impostos seja investido no povo!... enquanto isso.... é o que vemos em todos os lugares, até na roça a violência já chegou e a vida já não vale mais nada para a maioria das pessoas que vivem com medo o tempo todo.

    Bom fim de semana!
    Beijinhos.
    ♪♫° ·.
    º° ✿✿ ·.

    ResponderExcluir
  6. Amiga Célia, bela escolha do post, bem a propósito em tempos que muitos pais, ainda bem que nem todos, delegam às escolas a educação de seus filhos!
    Há que haver a disciplina familiar e complementada com a escolar, pois somente assim poderemos ver um futuro melhor, antigamente era assim, me lembro bem, respeito tínhamos e era quase que geral, pena que muitas coisas se perderam ao meio do caminho!
    Abraços minha amiga!

    ResponderExcluir
  7. Que escolha boa para o dia de hoje! Gostei de ler as reflexões. Um abraço, Yayá.

    ResponderExcluir
  8. Publicação pra lá de oportuna quando diante de um Brasil desgovernado e perdido em sua essência de Pátria tão mal representada por políticos e governantes desprovidos do que há de mais elementar naquilo que refere-se ao patriotismo. O Brasil carece de forte ação em favor da manutenção da ordem e do progresso a partir de postura séria, digna e respaldada pelo que nos eleva a uma Nação que verdadeiramente é amada por seus filhos.
    Cadinho RoCo

    ResponderExcluir
  9. Oi querida, lindo texto, pena que eu cheguei tarde kk
    Tenha um bom domingo e uma ótima semana, beijos!!

    ResponderExcluir
  10. Que bela explanação sobre disciplina e educação! Oxalá pudéssemos ver isto na prática em nosso Brasil e no mundo todo! Família e Escola trabalhando juntas e disciplinando nossas crianças e jovens, como seria bom! Irmão Lauro explicou tudo isto muito bem! Gostei muito! Beijos

    ResponderExcluir
  11. Infelizmente, estamos longe do atendimento a essas necessidades. Escola e família não vivem a harmonia indispensável a uma educação eficaz. Um ótimo, fundamentado e coerente texto. Bjs.

    ResponderExcluir
  12. Texto sensato, uma raridade hoje em dia, Célia. Li com prazer. Beijos!

    ResponderExcluir
  13. Ótimas reflexões...é sempre um presente ler um texto escrito pelo Ir. Lauro, um grande filósofo. bjs

    ResponderExcluir
  14. Que beleza de texto!Não conhecia o autor.De fato,educar começa pelo exemplo!Bjs e boa semana,

    ResponderExcluir

Seu comentário evidencia o seu 'pensar'.
Saiba que aprendo muito com você.
Obrigada, meu abraço,
Célia Rangel,
Autora responsável pelo blog.
Obs.: NÃO POSTAREI COMENTÁRIOS ANÔNIMOS.