segunda-feira, 14 de outubro de 2013

Viés















Se bem urdido, dá um bom acabamento

na vida de quem faz uso.

 

Se na obliquidade dos valores, destoa

em todas as situações.

 

Se colorido manifesta vivacidade

mas, se desbotado esvai-se.

 

Ponto a ponto na máquina humana

há tentativas inúmeras para imprescindível ser.

 

Fatores outros enviesaram olhares

inábil em sua fibra natural,

maculou-se em desvios vis – sua silhueta...

 

Célia Rangel  


18 comentários:

  1. Celia, uma bela e genial poesia! Uma bonita analogia! bjs e boa semana pra vc,

    ResponderExcluir

  2. Linhas de um corpo bem usado, como poesias em linhas talhado! abraços

    ResponderExcluir
  3. Parabéns minha querida amiga de outras vidas passadas e futuras pela data de hoje, que deveria ser lembrada e valorizada TODOS os dias, principalmente pelo poder público...um beijo grande ;)

    ResponderExcluir
  4. Parabéns pelo seu dia, que não é só hj mais é todos os dias.

    bjokas =)

    ResponderExcluir
  5. Sutil, delicado, sofisticado. Célia, você é impossível. Sempre surpreendente. Beijos!

    ResponderExcluir
  6. Olá!Boa tarde
    Célia
    Delicado e inteligente poema...
    ...nossa propensão a inferir estados mentais alheios e nossa tendência para reconhecer padrões e temos a receita para querer ter mais do que ser...e o ser humano passa a ser uma ostentação de vitrine...
    Agradecido pelo carinho
    Bela semana
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Querida Amiga

    Quando se modela com perseverança, a Obra sai perfeita e resulta; a entrada apresenta-se brilhante e luminosa.


    Beijos

    SOL (debaixo das núvens negras)

    ResponderExcluir
  8. Eu dou os parabéns a quem sabe fazer viés, pois um viés bem feito chama a atenção e acrescenta qualidade, belíssimas imagens poéticas. Um abraço, Yayá.

    ResponderExcluir
  9. Minha querida

    Tudo se vai modelando com o tempo. Lindo sempre.


    Um beijinho com carinho
    Sonhadora

    ResponderExcluir
  10. Boa noite, amada poeta, pois tal como os anjos, quem escreve poesia não tem sexo. Acabei de ler Viés. Tatá e eu ficamos encantadas com a sensibilidade, a leveza, a sua enorme capacidade de descrever o vidamor.
    Parabéns pelo seu dia, professora Célia.
    Obrigada por todos que você formou.
    Parabéns cidadã Célia Rangel.
    Obrigada por ser quem é e respeitar o que a vida lhe forjou.
    Mil beijos nossos com muito carinho, admiração e respeito.

    ResponderExcluir
  11. Gostei da maneira de escrever. O brilho torna-se especial.
    Abraço.
    Jorge

    ResponderExcluir
  12. Um poema de entrelinhas, de viés plural, aberto a muitas interpretações. Muito bom, Célia.

    ResponderExcluir
  13. Olá, bom dia, Célia.

    As linhas do corpo nos tangem para uma direção só: o observar, é esses o viés do olhar atento que nunca desvia.
    Grato, por comentares no meu blogue. Abraços.

    ResponderExcluir
  14. Em tudo caímos naquela velha questão do jeito que usamos o que nos é disponibilizado. Muito bom!
    Cadinho RoCo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A Poesia embeleza a Vida e esta sua Poesia é muito bonita !

      Excluir
  15. BOM DIA MINHA AMIGA DAS LETRAS !
    AQUI ,ALÉM DO PURO LUXO EM LITERATURA,TEMOS A DEUSA DA LITERATURA...LINDO POEMA EM VIÉS ...
    BJS DE FINAL DE SEMANA!

    ResponderExcluir
  16. Belo e complexo poema, pois muitas vezes sabemos fazer lindos bordados, mas nossos viés não ficam tão belos! Questão de treinamento! Beijos

    ResponderExcluir

Seu comentário evidencia o seu 'pensar'.
Saiba que aprendo muito com você.
Obrigada, meu abraço,
Célia Rangel,
Autora responsável pelo blog.
Obs.: NÃO POSTAREI COMENTÁRIOS ANÔNIMOS.