quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

Brincar de quê?














Quando criança, sem responsabilidade,

Logo pela manhã era bolar brincadeira,

Quintal e a rua eram locais apropriados,

Trocas, discussões e competições,

Cenário único das estratégias.

Se nada desse certo se resolvia em tapas e puxões de cabelos,

Choros, risos e “pito-pitou” eram as descargas emocionais.


Depois, quando nos achamos adultos, donos da verdade,

Assumimos agendas e compromissos mil – nosso centro das atenções...

Assumimos tanto, que sumimos dos contatos queridos e amáveis...

Quando percebemos, longe vai o caminho da liberdade!

Sim!

Escravizamo-nos em busca do ter, do poder, do fazer, do ganhar, do lucrar...

E, o que fizemos com os verbos: Amar, Conviver, Relacionar?

Total é a deficiência deles em nosso ser automatizado,

Estresses, depressões, exclusões diversas,

Foi em que nos transformamos.

Acordar! Sim! Ainda há “Tempo para sermos Felizes”!


Célia Rangel


13 comentários:

  1. Célia sempre leio seus comentários no Blog da Sheila e gosto muito de seus conteudos
    forte abraço
    elisa

    ResponderExcluir
  2. É amiga Célia, saudade de simplesmente brincar sem levar tão a sério essa vida adulta que nos sufoca os caminhos... Quero brincar com você todos os dias, para que a nossa amizade não se perca da criança em nós e possamos juntas sorrir pra vida compartilhando nossas alegrias... Um apertado abraço fraterno de quem te quer bem!

    Regilene

    ResponderExcluir
  3. Temos que brincar sempre e retomar as antigas brincadeiras é legal! bjs praianos,chica

    ResponderExcluir
  4. Célia, Célia! Tudo muito lindo, Concordo demais e coisa e tal, mas o que é "pito-pitou"? É o mesmo que levar pito, levar bronca? Procurei na rede e não descobri. Por favor, desfaça as brumas de minha ignorância. :) Beijos!

    ResponderExcluir
  5. Celia,tem total razão nessa poesia! Crianças resolvem tudo com muito mais facilidade! E nós nos esquecemos de muita coisa quando crescemos. bjs,

    ResponderExcluir
  6. Que lindo é ainda poder lembrar das brincadeiras de crianças e dos amigos daquela época, pois é minha amiga, uma das minhas amigas de infância me encontrou no Facebook, nossa, foi mágico, tentamos colocar em dia os papos atrasados, mas amiga, não dá, naquele tempo havia a magia da simplicidade, da ingenuidade da infância, embora tenha ficado lindas lembranças! Que pena, mas é assim, viver é assim, acredito que até possa parecer lembranças de "vidas passadas" mesmo ainda estando por aqui!
    Amei ler, como todos os seus bons textos que me fazem lembrar muitas boas coisas de minha vida! Recordar é mesmo viver!
    Abraços, te quero muito bem, muito mesmo!

    ResponderExcluir
  7. Texto cheio de realidade, por isso me policio para não deixar que a criança que existe em mim morra. Precisamos brincar mais, dar boas gargalhadas, sermos inocentes no bom sentido da palavra.
    Tenha uma abençoada semana. Bjs

    ResponderExcluir
  8. Lembro que jogávamos betisse: assim chamava o jogo de acertar o tijolo e betiar a bola p bem longe enquanto corríamos a fazer pontos! Era tudo mais relacionado, pessoalmente amado! abraços

    ResponderExcluir
  9. E triste é ver que hoje nossas crianças não tem estas brincadeiras sadias que tínhamos, se encontram e cada uma fica nos seus tablets da vida e nem se comunicam mais!!!!! Beijos

    ResponderExcluir
  10. Ainda há tempo para sermos felizes?
    vamos a ver o que dá este novo ano de 2014...
    Esperemos que sim!
    beijinho para si!

    ResponderExcluir
  11. Olá,Célia,
    ...a nossa sociedade não é mais hegemônica, mas, muito plural e cujas rápidas transformações nos espantam...valores sociais distorcidos, o que está na moda, sucesso, poder, dinheiro e competição... relações humanas enfraquecidas, os vínculos desvalorizados .. . tornamos instrumento de poder ou seguimos as necessidades do consumo
    ...e se os membros de uma sociedade como a de hoje, submetidos ao poder de se situar em algum lugar, num jogo de forças assumidas, sem a capacidade de expressar-se, e só pensando em ter , continuarem sempre rastejando em nível das necessidades artificiais nunca mais aparecerão os desejos que libertam e apontam para essência, o ser...e quando a mente se acalma e o coração mantém-se em harmonia com o ser, construiremos valores e investiremos em nossa inteligência existencial... pois, ainda há tempo para sermos felizes!
    agradeço pelo carinho,obrigado, boa noitinha de sexta feira e feliz final de semana, beijos!

    ResponderExcluir
  12. É só abrir o olho, partir para a vida na essência e desfrutar o que ela nos proporciona.

    ResponderExcluir
  13. Ao passar pela net encontrei seu blog, estive a ver e ler alguma postagens é um bom blog, daqueles que gostamos de visitar, e ficar mais um pouco.
    Eu também tenho um blog, Peregrino E servo, se desejar fazer uma visita
    Ficarei radiante se desejar fazer parte dos meus amigos virtuais, saiba que sempre retribuo seguido também o seu blog. Deixo os meus cumprimentos e saudações.
    Sou António Batalha.

    ResponderExcluir

Seu comentário evidencia o seu 'pensar'.
Saiba que aprendo muito com você.
Obrigada, meu abraço,
Célia Rangel,
Autora responsável pelo blog.
Obs.: NÃO POSTAREI COMENTÁRIOS ANÔNIMOS.