quinta-feira, 23 de janeiro de 2014

Reflexão


Se eu fosse um padre


Se eu fosse um padre, eu, nos meus sermões,
não falaria em Deus nem no Pecado
— muito menos no Anjo Rebelado
e os encantos das suas seduções,

não citaria santos e profetas:
nada das suas celestiais promessas
ou das suas terríveis maldições...
Se eu fosse um padre eu citaria os poetas,

Rezaria seus versos, os mais belos,
desses que desde a infância me embalaram
e quem me dera que alguns fossem meus!

Porque a poesia purifica a alma
...e um belo poema — ainda que de Deus se aparte —
um belo poema sempre leva a Deus!

Mário Quintana


Texto extraído do livro "
Nova Antologia Poética", Editora Globo - São Paulo, 1998, pág. 105.


12 comentários:

  1. Amiga Célia, que linda escolha do poema, amei ler, também acho isso, o poema nos leva a Deus, pois sempre nasce da alma, como a alma é o nosso espírito, o que anima nosso corpo e acredito que sendo criado por Deus, todos nós somos em essência "Divinos", abraços minha linda e sensível amiga!

    ResponderExcluir
  2. Nossa! Amei vir aqui ler poesia mais que bela! Abçs.

    ResponderExcluir
  3. Olá, Célia!
    Mario Quintana ....adoro!
    Bela escolha para reflexão
    ...diz ele...se eu fosse um padre, usaria para doutrinar , em vez de escrituras sagradas, a poesia... pois "a poesia purifica a alma"e consegue, assim, levar os indivíduos ao mérito do arrependimento, para,
    depois, conduzi-los a Deus... a poesia conduz até Ele...
    agradeço pelos comentários carinhosos em meu blog, sempre, muito obrigado, boa noite e feliz sexta feira, beijos!

    ResponderExcluir

  4. "Se eu fosse um padre eu citaria os poetas".
    E eu também! Nada de sermões.
    Quintana será eterno. Seus poemas que falam de tudo, de uma maneira translúcida, com uma deliciosa ironia e um sarcasmo ferino. Mas assim era ele: dava a impressão de que brincava com a vida. Esse é o meu poeta!
    Abraços, Célia.

    ResponderExcluir
  5. Se leva a Deus, eu não sei, mas que esse poema produziu uma série de arrepios nos meu braços, isso é fato. Então, com base naquela história de "imagem e semelhança", Deus também deve estar comovido e divinamente arrepiado. :) Beijos, Célia!

    ResponderExcluir
  6. Que lindo, Célia!
    Remeteu-me a um texto que li esta semana num blog amigo, também de Mário Quintana:
    "O poeta é belo como o Taj-Mahal
    feito de renda e mármore e serenidade

    O poeta é belo como o imprevisto perfil de uma árvore
    ao primeiro relâmpago da tempestade

    O poeta é belo porque os seus farrapos
    são do tecido da eternidade".

    Ele foi um poeta maravilhoso. Quanta sensibilidade para descrever o efeito de uma bela poesia na alma de um leitor.

    Obrigada pelo carinho lá no meu espaço.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  7. Claro que leva a Deus, pois, com certeza os poetas são inspirados por Ele! Bela inspiração de Quintana! Beijos

    ResponderExcluir
  8. Nossa que lindo e profundo.
    Poetas são jornalistas da alma, e conseguem ir a fundo dos sentimentos alheios, que por vezes, nenhuma religião é capaz.

    Fique na paz.
    Dan
    http://gagopoetico.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Eu não conhecia este poema do Quintana, Célia. Muito bonito... Concordo que os lindos poemas nos levam a Deus. Obrigada por este bom momento.
    Um abraço!

    ResponderExcluir

Seu comentário evidencia o seu 'pensar'.
Saiba que aprendo muito com você.
Obrigada, meu abraço,
Célia Rangel,
Autora responsável pelo blog.
Obs.: NÃO POSTAREI COMENTÁRIOS ANÔNIMOS.