domingo, 16 de fevereiro de 2014

Tarde... muito tarde...

















Eu posso te esquecer
Você, não.

Marquei sua vida
Com ferro em brasa.

Já você passou
Como um vendaval,

Muito destruiu
Mas, reconstruí.

E vi no entulho das emoções
Nada a reciclar.

Não mais bem-me-quer...
Foi pura ilusão!


Célia Rangel

14 comentários:

  1. Triste fato e lindos versos! bjs,chica

    ResponderExcluir
  2. Poesia muito linda e que emociona,Celia! Nem sempre o amor é só felicidade! bjs,

    ResponderExcluir
  3. Oi, Célia. Concordo com Chica. Triste fato, más lindos versos! Obrigada amiga pela visita. è sempre um prazer ter vc por lá. Bjos e bom fim de tarde e semana!!

    ResponderExcluir
  4. Amiga Célia, que lindos versos de um amor que não deu certo, ainda bem que há algo a poder dizer que valeu, a reconstrução da própria vida!
    Abraços minha amiga poetisa!

    ResponderExcluir
  5. Quantos vendavais passam pela vida? quantas vezes temos que nos reconstruir? É a vida! E você expressou muito bem essa trajetória no seu poema.

    ResponderExcluir
  6. A reconstrução é uma dádiva de Deus. Sem ela, o que seria de nós perante nossas decepções?

    ResponderExcluir
  7. Muito giro, Célia!! Muito leve (aparentemente...) Roubei...

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  8. Há quanto tempo, Célia....resolvi dar uma passada por aqui e encontro esse poema decididamente franco. Gostei. A mim soou como um desabafo com um certo tom de alívio. Acertei? beijo

    ResponderExcluir
  9. A gente sabe quando marca a vida de alguém.
    Cadinho RoCo

    ResponderExcluir
  10. Um vendaval que deixou escrito a poesia de um sentimento, que seguiu levando as folhas de um amor que marcou de ilusão o coração...

    Célia vim desejar-lhe uma semana de bençãos e saúde, que sobre carinho e sorrisos para enfeitar-nos a alma de poesia!

    ResponderExcluir
  11. A-do-rei! Grande Célia! Tem uma aura de "Olhos nos Olhos", porém, mais sucinta, vai direto ao ponto. Arrasou. Beijos!

    ResponderExcluir
  12. Nunca vi tristeza nas suas declarações de Amor, mas acho que tem momentos que pesamos tudo e desabafamos! Beijos

    ResponderExcluir
  13. Celia, a poesia sempre da um jeito nas tristezas,
    elas viram lembranças.
    nem boas nem ruins, apenas lembranças.
    Sou Catiaho , la do Blog Espelhando e venho te apresentar meu
    blog de frases.
    Bjins

    ResponderExcluir

Seu comentário evidencia o seu 'pensar'.
Saiba que aprendo muito com você.
Obrigada, meu abraço,
Célia Rangel,
Autora responsável pelo blog.
Obs.: NÃO POSTAREI COMENTÁRIOS ANÔNIMOS.