segunda-feira, 10 de março de 2014

Aroma Outonal






















Há outonos que sempre retornam.
Vida, ainda com vida, para ser ressuscitada.

Ação de amor pós - vida,
renasce para revivermos histórias
de um aprendizado em relacionar-se,
que hoje não se descortina em empresas,
mas em família.

Processar alimento vital para o físico e alma,
buscando elementos gratificantes de paz,
harmonia e amor - sempre possíveis.
Deixar a individualidade, o autismo social,
miscigenar-se com a coletividade,
sendo mais um, no desempenho de sua missão.

Bem maior não há...

Outonos que desfolham, com a força do vento,
mas que deixam raízes,
onde tudo brotará a seu tempo,
com seu aroma inconfundível
incensado no ar gélido outonal.

Isso é divino!
Só para almas místicas! 



Célia Rangel

12 comentários:

  1. Divino também é te ler com tanta inspiração! Belíssimo! bjs, chica

    ResponderExcluir
  2. Olá querida Célia, então já estamos no outono, nossa o ano voando novamente, lindo poema amiga Bjossss

    ResponderExcluir
  3. Minha querida

    Como sempre uma mensagem de vida e esperança. Lindo e profundo pensar.

    Beijinho com carinho
    Sonhadora

    ResponderExcluir
  4. Célia, é incrível como vc consegue poetizar - espiritualizar - ensinar a ser gente, nós essas "gentes" tão comuns. Só passamos pra dizer que amamos vc e que ser sua aluna na universidade da vida, tem nos feito um enorme bem. Beijos!

    ResponderExcluir
  5. O outono é minha estação favorita, Célia. Seu poema antecipa o que há de magia nessa época. Obrigada! Eu estava mesmo precisando de um adiantamento outonal. Beijos!

    ResponderExcluir
  6. Uhhh que beleza de inspiração para este dia! Eu amo o outono e espero por ele, sempre, com muita ansiedade, além de ser o período do meu aniversário, acho a mais linda estação do ano.
    Na verdade nosso outono só começa a partir do dia 21 de março, mas já conseguimos sentir o cheirinho dele e a calmaria que vai começando a chegar depois deste verão escaldante.
    Adorei seus versos!
    um beijo grande e carioca


    ResponderExcluir
  7. OUTONO:

    Paixão des-medida
    In-determinada
    Água minada do veio da terra
    Folhas des-clorofiladas no chão de outono
    Raios de sol minguando
    Rastro de lua no céu da tarde...

    ResponderExcluir
  8. Felicito-a por estes lindos versos. A Célia está quase no outono e eu na primavera.
    Bjs

    ResponderExcluir
  9. O outono é mesmo mágico.
    Cadinho RoCo

    ResponderExcluir
  10. Olá, querida Célia
    "Deixar a individualidade, o autismo social,
    miscigenar-se com a coletividade"...
    sendo mais um, no desempenho de sua missão.
    Isso é possível, basta crer e arregaçar as mangas...
    Bjm fraterno

    ResponderExcluir
  11. Oi Celia, que maravilha. Isso é um vislumbro, divino.

    Abraços

    ResponderExcluir
  12. Poesia linda como a estação que está por vir! Grande beijo amiga

    ResponderExcluir

Seu comentário evidencia o seu 'pensar'.
Saiba que aprendo muito com você.
Obrigada, meu abraço,
Célia Rangel,
Autora responsável pelo blog.
Obs.: NÃO POSTAREI COMENTÁRIOS ANÔNIMOS.