terça-feira, 18 de março de 2014

ENTRETANTO...



Ainda que o outono

Borrife entre nós

Alguma nota triste

Não darei a manchete

Agradeço e reverencio

O encarte oferecido

Desempenho-o sem drama

Lamúrias ou constrangimentos

Envolta na nuvem que ameaça

A energia do amor impulsiona-me

Sei dissipar tempestades.


Não fecharei portas ou janelas

Quero a aragem fria no rosto para relativizar

E a dimensão do encantamento para aquecer

Na ternura de seus poemas embriagar

Nos labirintos da vida perder caminhos

Vivenciar adversidades do esquecimento

Lubrificar-me com seu sorriso e gentilezas

Sem, entretanto, perder o brilho do olhar

A fim de desvendar e interpretar

Os personagens do meu poema eterno.


Célia Rangel




15 comentários:

  1. E que a interpretação do dia seja leve e fluida. Belo poema!
    Bom dia.

    ResponderExcluir
  2. Bom dia amiga Célia, logo cedo ler isso aqui é de me deixar bem feliz, amo todas as estações climáticas, mas outono, ah, é belo, encantador, essas lindas folhas secas nos inspira a lindas poesias!
    O sol é mais brilhante, menos quente, mas nos convida ao aconchego!
    Amei ler, também quero "...a aragem fria no rosto..."!
    Abraços minha amiga sempre querida!

    ResponderExcluir
  3. oi Ce

    Lá fora é outono, mas aqui dentro é sempre primavera.

    bjokas =)

    ResponderExcluir
  4. E o duro é ver o outono chegar, com o seu estio, sem que o verão trouxesse antes suas chuvas - pelo menos aqui, na minha região. Um abraço, Célia.

    ResponderExcluir
  5. Celia,lindo demais! Saber dissipar tempestades não é pra qualquer um. Bjs,

    ResponderExcluir
  6. Celia, um bonito poema que, por força atrai os olhares. O mesmo é dizer gostei!
    B js

    ResponderExcluir
  7. Sem palavras Célia, a beleza no poema extravasa sua magnitude!

    ResponderExcluir
  8. "Sei dissipar tempestades" é lindo, Célia. Só três palavras fazendo um grande efeito. Preciso aprender isso. Beijos!

    ResponderExcluir
  9. Boa tarde Célia! Um bonito poema. Por cá, estamos à espera da primavera, já falta pouco.
    Bjs

    ResponderExcluir
  10. As estações da natureza e da vida apresentam características especiais e belas. É preciso senti-las, apreciá-las, para se caminhar com tranquilidade e sem medo de tempestades. Bjs.

    ResponderExcluir
  11. Muito belo! E cheio de força!!
    Beijos primaveris...

    ResponderExcluir
  12. Olá,Boa noite, Célia
    ...a vida só é possível quando temos tanto o bom tempo quanto o mau tempo, quando temos inverno e verão, primavera e outono, dia e noite, bonança e tempestade...
    se conseguirmos , mover entre as duas polaridades,aprendemos a se equilibrar...e com um pouco de tudo, combinado com um pouco de nada , voaremos até a estrela distante de nosso poema eterno!
    Obrigado pelo seu carinho,sempre, comigo, bela semana,beijos!

    ResponderExcluir
  13. Olá, Célia. Gostei da palavra personagem, cada poema se torna um personagem para o leitor, eu gosto disto e da maneira com a qual você faz poema. Um abraço, Yayá.

    ResponderExcluir
  14. Acabamos de passar (há poucos segundos), aqui em Portugal, para a maravilhosa Primavera; lamento que desse lado do Globo não hajam passado para uma Estação tão perfumada, mas cuja beleza estética do Outono nada deve á Primavera que nos chega.O exemplo é a ilustração do teu Poema: uma belíssima imagem de antologia.
    Como não podemos ter tudo a um só tempo, reconfortemo-nos no que a Natureza nos legou.
    O teu Poema é belo e tem significado. Parabéns, Amiga.


    Beijos


    SOL

    ResponderExcluir
  15. Viver cada estação com seus encantos, e nós com os nossos, muitas vezes não tão encantados!!!!! Beijos

    ResponderExcluir

Seu comentário evidencia o seu 'pensar'.
Saiba que aprendo muito com você.
Obrigada, meu abraço,
Célia Rangel,
Autora responsável pelo blog.
Obs.: NÃO POSTAREI COMENTÁRIOS ANÔNIMOS.