domingo, 16 de março de 2014

Porta-retrato
















Seu olhar pregou-se em mim,

Não há porta - retrato que o poste,

Sequer quadro em parede alguma.

Minha imaginação emoldurou-o em meu interior.

Difícil é relembrar o olhar de quem já se despediu...

Vitrificou imagem de um ser distante.

Secaram as palavras...

As lágrimas...

As emoções...

Ficou a realidade.



Célia Rangel 

15 comentários:

  1. Os retratos no fundo da alma são os mais contundentes! abraços

    ResponderExcluir
  2. Profundidade e muita beleza na poesia! bjs,chica

    ResponderExcluir
  3. Lindo, profundamente lindo... às vezes, olhando antigas fotos, eu tento captar a emoção daquele olhar que não olha mais nesse mundo. Meu sobrinho, meu pai, minha mãe, meu sogro... todos se foram. Para onde foram os olhares?

    ResponderExcluir
  4. Ao ler-te Célia, me veio a imagem de meu pai, que tantas vezes fecho os olhos e fico tentando trazer à tona a ternura do olhar que ele tinha...sim, lágrimas e emoções sempre me invadem.

    Muito linda tua poesia.
    Beijos de uma ótima semana.

    ResponderExcluir
  5. Tem hora que a realidade se faz dura demais.
    Cadinho RoCo

    ResponderExcluir
  6. O porta-retrato vazio acompanhando o poema ficou comovente, Célia. Combinação perfeita. Parabéns!

    ResponderExcluir
  7. Oi Célia, adorei!!!
    Um olhar cheio de mistério!
    Beijos e tenha uma ótima semana!!

    ResponderExcluir
  8. Muito bonito! Tocante.

    Beijinhos cá do Norte...

    ResponderExcluir
  9. Olá, Boa noite,Célia
    ...belo e comovente "porta -retrato"...estranho demais relembrar o olhar de quem já se despediu...olhar e não reconhecer. Ver e não conseguir enxergar o que um dia acreditou ser. Vasculhar as afinidades e ver que algumas se foram. Duvidar da radicalidade das mudanças. Procurar no recôndito da alma e não mais encontrar sentimentos,só a realidade.E mesmo com todas estas ausências, sorrir e agradecer...
    Obrigado pelo carinho,bela semana,beijos!

    ResponderExcluir
  10. Teu poema calou fundo em minha alma, lindo mas traduz uma saudade que nunca passa, beijos Luconi

    ResponderExcluir
  11. Célia, suas palavras em forma de poesia me fizeram refletir e relembrar, principalmente de meu pai que já se foi há anos. Fiquei por muito tempo sem conseguir olhar uma foto dele, eu sofria imensamente. Hoje, o tempo aplacou esta dor e já sinto prazer em olhar e relembrar certos momentos.
    Linda poesia!
    beijo carioca

    ResponderExcluir
  12. Você tocou em um ponto tão real! Nossas fotografias mentais não nos permitem reviver a emoção lida no olhar de quem se ausentou. Bjs.

    ResponderExcluir
  13. E muitas vezes a realidade é dura e fugimos para as lembranças dos dias felizes! Beijos

    ResponderExcluir
  14. "Rita Lavoyer, aqui está o que você perdeu de Célia Rangel no Google"
    Essa é a mensagem que eu estou lendo agora, 24/01/2015
    Veja como eu sou boa nesse negócio de receber recado, Célia.

    ResponderExcluir
  15. Fotografar sentimento não é para qualquer pessoa. Somente quem tem sensibilidade desenvolvida consegue vitrificar uma imagem tão distantemente dentro de si.

    ResponderExcluir

Seu comentário evidencia o seu 'pensar'.
Saiba que aprendo muito com você.
Obrigada, meu abraço,
Célia Rangel,
Autora responsável pelo blog.
Obs.: NÃO POSTAREI COMENTÁRIOS ANÔNIMOS.