quarta-feira, 23 de abril de 2014

Além dos meus silêncios...


















, na miséria humana acomoda-se um corpo

, simplesmente se anula em muitas coisas

, há sempre uma tristeza que se apossa

, de um ser que derrapa em lembranças

, há uma solidão conflitante

, que ora quer ser ausente

, ora presença marcante

, refúgio da fraqueza invasora

, em coleção de desafetos

, no gráfico das ilusões

, persistem em queda

, os sonhos.


Célia Rangel

17 comentários:

  1. Oi, Célia! Lindo poema. Só não entendi o porquê das vírgulas no início dos versos. Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Carla... pensamentos inconfessáveis que dispensam reticências e se agarram nas vírgulas... onde cada leitor terá a liberdade de criar segundo seu pensar... Sei que irei causar... pois abusei da licença poética... Valeu seu comentário! Obrigada!
      Beijo. Célia.

      Excluir
  2. Muito bom! Na verdade somos uns miseráveis em sentimentos - o principal. Basta abrir um pouquinho os olhos para ver as atrocidades de que somos capazes. Não levo fé na 'espécie'. Por mais que tente, que releve,

    Beijo.

    ResponderExcluir
  3. É Taís, cada vez mais endosso sua opinião. Infelizmente. Há sempre um grande interesse envolvido em sentimentos impuros. Obrigada pelo comentário precioso!
    Beijo. Célia.

    ResponderExcluir
  4. No seu inspirado texto, as verdades aparecem descortinando a realidade. Isso é obra de sua doce inspiração e de seu talento evidentemente. Um beijo no seu coração.

    ResponderExcluir
  5. Realmente, Paulo César... não é ficção... infelizmente!
    Obrigada por sua leitura e comentário!
    Abraços. Célia.

    ResponderExcluir
  6. Além dos meus silêncios me encontro...

    Verdadeiro e belo ...

    Abçs

    ResponderExcluir
  7. Olá, Vanessa! Obrigada pelo seu comentário! É um incentivo.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  8. Célia, convivemos com uma realidade desalentadora. Em todos os cantos do mundo há gritos de dor. O ser humano se afasta dos bons sentimentos e caminha por perigosas trilhas. E acabamos nos alimentando de desesperança, quando sonhamos com mudanças. Bjs.

    ResponderExcluir
  9. Oi, Marilene mudar exige que comecemos em nosso íntimo para externarmos mudanças positivas. Autenticidade é a questão. Obrigada por sua presença e comentário.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  10. Ameiiii... posso te confessar que é bem como me sinto, tantas vezes diante da vida... e dos meus tantos momentos de silêncio...parabéns pelo seu sempre talento e sensibilidade, Célia, adoro te ler.
    Beijo,
    Valéria

    ResponderExcluir
  11. Valéria! Demais o seu comentário! Obrigada pelo incentivo efetivo e afetivo!
    Grande abraço,
    Célia.

    ResponderExcluir
  12. OI CÉLIA!
    PARA MIM, AS VÍRGULAS NO INÍCIO DAS FRASES ME DÃO A IDEIA DE QUE IDÉIAS NÃO REVELADAS ESTÃO ALI, CADA UM, TERÁ A LIBERDADE DE AS LER OU NÃO...
    SEMPRE INTELIGENTE E NOS FAZENDO PENSAR NÉ AMIGA?
    ABRÇS

    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  13. Ok! Zilani! Fiz realmente deixando com que cada um se transportasse para antes das vírgulas. A interpretação segue o pensamento de cada leitor. Gosto de interagir. Valeu sua opinião!
    Beijos da Célia.

    ResponderExcluir
  14. Todos nós passamos por momentos onde o silencio é sofrido,dolorido! Linda e tocante poesia! bjs,

    ResponderExcluir
  15. Pois é, Anne... são as lapidações da vida... Existem para dignificarmo-nos.
    Obrigada pelo seu comentário.
    Abraços da Célia.

    ResponderExcluir
  16. Diante de todas as adversidades que passamos, se não fossem os sonhos........ se não fossem!!!!! Beijos

    ResponderExcluir

Seu comentário evidencia o seu 'pensar'.
Saiba que aprendo muito com você.
Obrigada, meu abraço,
Célia Rangel,
Autora responsável pelo blog.
Obs.: NÃO POSTAREI COMENTÁRIOS ANÔNIMOS.