sexta-feira, 23 de maio de 2014

Era Vento?























Desfigurado seu rosto em nossos lençóis
  
Pousa em mim um semblante vazio

Sem nenhuma palavra verdadeira

Interrogo nossa versão derradeira

Que se desfez em redemoinhos

Invento nova fórmula

Alicerçando sobre pedras meu viver

De onde brota calor e gelo

Amenizadores da saudade

Que ficou nos lábios o seu nome

Testando sentimentos e emoções

Da insensatez do amar...


Célia Rangel




16 comentários:

  1. Bom dia, Célia!
    Vim me abastecer de poesia para este final de semana meio chuvoso, mas lindo, adoro tempo assim e com uma poesia tão bem feita como esta, meu final de semana está perfeito.
    um abraço carioca da serra.

    ResponderExcluir
  2. Estimada, amiga, Célia.
    Olá, bom dia.
    E chegamos ao fim de semana. Com saúde, paz espiritual. uns com os seus desejos, outros com as suas manias, e outros sem desejos e sem manias. Mas, o importante, é que atravessamos, mais esse mar de nuances, vivos.
    Que o Criador, tenha sempre compaixão de nós. Precisamos.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  3. Linda e inspiradora poesia. Desejo um dia lindo. Bjss

    ResponderExcluir
  4. Celia, o coração da gente é mesmo insensato! Não pensa no sofrimento, só ama! Uma beleza de poesia e escolheu muito bem a canção! bjs,

    ResponderExcluir
  5. Olá, Boa noite, Célia
    insensatez de amar...belo é o sentimento entre pessoas, que com certeza tem um porque , mesmo que não seja aparente e que não dê para entender em um primeiro plano, mas que permaneça por todo o sempre possível e não passe como uma leve brisa...
    Obrigado pelo carinho,belo domingo, beijos!

    ResponderExcluir
  6. Célia,
    Lindo domingo!
    Maravilhoso ler aqui.
    Encantada com a
    suavidade.

    Bjins e meus sonhos e delírios
    CatiahoAlc./ReflexodAlma

    ResponderExcluir
  7. Célia, minha amiga... há coisas que não compreendemos no amor e por ser insensato assim é que vamos amando.
    Um beijinho!!!

    ResponderExcluir
  8. Olá, Célia. O amor é tudo, quando dividido entre as pessoas e tem sempre um porquê. Tudo vale a pena! Lindo! Lindo! Obrigada poetisa. Bjos e bom domingo!

    ResponderExcluir
  9. Amar e amar e amar...essa é ordem que impera, do insensato coração (ou seria mais no alto?)...Não sei, sé sei que assim...sempre! E mais, faz brotar belas poesias, essa insensatez, como a que li nessa ensolarada manhã...Além de ouvir o TOM! Muito bom, amiga Célia!
    Bom domingo e produtiva semana.
    Meu abraço

    ResponderExcluir
  10. O amor se faz de versões... as derradeiras principalmente!
    Lindo!
    Grande abraço Célia! Boa semana!

    Leila

    ResponderExcluir
  11. OI CÉLIA!
    AMOR É SINÔNIMO DE INSENSATEZ, FAZENDO, MUITAS VEZES, COM QUE UMA DAS PARTES, ENGANE A SI MESMA, POIS MESMO SABENDO NÃO SER CORRESPONDIDA, INSISTE...
    MAS, DIZER QUE TEU TEXTO FICOU LINDO, É LUGAR COMUM.
    ABRÇS
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  12. Oi, Célia! O amor sempre me pareceu um torvelinho de insensatez. Haja alicerce! Beijos!

    ResponderExcluir
  13. É vento sim, Célia. Ora ameno, ou mais duro, ou mais frio. Esquenta também. Você descobriu esta. Gostei... O amor é como o vento.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  14. o amor tem seu lado insensato principalmente quando está lado a lado com a paixão, esta sim nos faz perder toda sensatez rssr bjoss

    ResponderExcluir
  15. Com um fundo musical deste o poema fica ainda mais lindo! Beijos

    ResponderExcluir

Seu comentário evidencia o seu 'pensar'.
Saiba que aprendo muito com você.
Obrigada, meu abraço,
Célia Rangel,
Autora responsável pelo blog.
Obs.: NÃO POSTAREI COMENTÁRIOS ANÔNIMOS.