segunda-feira, 9 de junho de 2014

Afinados
















Sempre que nos predispomos a aprender, significa que transformações virão. Aprendizagem não só de diversos conhecimentos, mas também e principalmente ‘aprender e apreender’ a rica experiência com o outro.

Aprender a aceitar. Aceitar para gostar. Gostar para amar. Reconhecer que o amor que cresce em mim e contagia o outro é fonte essencial para uma convivência feliz, em total sintonia de afeto, respeito e benquerer. É sustentar o olhar que dignifica!

Ele é o meu próximo!
Eu sou o próximo dele!
Assim e, só assim, nos completamos.

Conhecer a realidade interior de ambos, pluralizar as relações: imenso desafio.

Ser digna dessa fidelidade, dessa abertura, expressar emoções e acolhê-las torna-se imensa a perspectiva de expansão de vidas. Atinge-se um alto grau de maturidade!

Estar afinados numa relação, numa comunicação é entoarmos o mesmo som, o mesmo ritmo, a mesma música sem titubear. Sem privilégios. Autênticos. Sabemos o que queremos. Atingimos o ideal de felicidade e cumplicidade com o outro.

Como diz John Powell... “o verdadeiro encontro pessoal, deve basear-se na comunicação honesta, aberta, visceral”.

Em suma, é o respeito a si próprio e ao outro. Isso é possível  e, muito tranquilo, quando vejo no outro e sou para ele... uma segunda pele.


Célia Rangel

4 comentários:

  1. Seus escritos estão a lapidar as reflexões e comportamentos, Célia, de seus leitores, nas relações interpessoais. Concordo que é a comunicação honesta o que proporciona o verdadeiro encontro pessoal.
    Abraço!

    ResponderExcluir
  2. Oi, Célia! Com algumas pessoas, conseguimos nos comunicar bem, logo de cara. Com outras, precisamos refinar o ajuste. Em geral, vale a pena tentar. Beijos!

    ResponderExcluir
  3. E isso é fácil?!
    Boa, muito boa reflexão, porém!

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  4. Célia bem hoje este texto caiu como uma luva, tenho amizade com uma senhora de 76 anos, gosto muito dela, ela me ligou dizendo que estava triste porque alguém que ela deve dinheiro ligou pra ela, não cobrou, apenas ligou, mas ela tinha certeza que ligou só para lembrá-la e tinha vontade de mesmo sem poder pagar de uma vez. Menina fui falar pra ela que ela estava vendo tudo do pior lado, que pode ser que a mulher ligou só pra saber dela, desabafar, mas se tivesse ligado pra dar um sutil toque, ela estava no direito dela, vai saber o que está passando. Pronto Célia a minha querida amiga me disse que eu penso diferente dela e que nem sabe porque me ligou pra desabafar, eu não entendo mesmo, desligou e eu fiquei aqui, muito triste comigo mesma, eta mania de falar o que pensa, beijos Luconi

    ResponderExcluir

Seu comentário evidencia o seu 'pensar'.
Saiba que aprendo muito com você.
Obrigada, meu abraço,
Célia Rangel,
Autora responsável pelo blog.
Obs.: NÃO POSTAREI COMENTÁRIOS ANÔNIMOS.