quarta-feira, 4 de junho de 2014

Era feliz e sabia...
















Meu meio ambiente
Pezinho no chão,
corria pelo quintal.

Horta para semear,
Legumes e verduras para colher.
Galinhas para cuidar.

Plantinhas para regar,
em um belo jardim a enfeitar.
Das árvores, deliciosas frutas,
para saborear.

Agrotóxico? Que palavrão...
Água abundante,
de uma bica cristalina,
pureza a me hidratar.

De poluição não ouvia falar...
Corria livre, solta:
trepava em árvores,
brincava no balanço,
jogava bola e peteca,
pique- esconde, estilingue,
passa anel, pipas,
e, cirandinhas...

Final do dia,
estava marronzinha
de terra!
Asfalto não tinha...
E muito menos enchentes...
Natureza e humano – puros!


Célia Rangel

16 comentários:

  1. Viver assim é bom demais.
    A vida na cidade é uma loucura =/

    bjokas =)

    ResponderExcluir
  2. E como era bom!! Outros tempos! beijos,chica

    ResponderExcluir
  3. Ai que gostoso né Celinha....Imaginei aqui cada detalhe desta vida feliz beijos :)

    ResponderExcluir
  4. Célia, eu amo esses ambientes cheios de natureza. Passei boa parte de minha infância transitando entre o rural e o urbano. Adoro terra, mato e água correndo limpinha, chamando a gente pra brincar.
    Boa lembrança!

    ResponderExcluir
  5. Ô vida boa! Quem dera pudéssemos todos viver assim neste contato imediato com a natureza, talvez vivessemos mais tempo.
    Aguardo sua assinatura para salvar um bichinho lá no meu blog tá.
    um beijinho carioca

    ResponderExcluir
  6. Que delicia Célia, me lembrou a casa da minha bisavó onde passava minhas férias, um quintal enorme cheio de descobertas e muita natureza, adorava! Bjossss

    ResponderExcluir
  7. Ai, que inveja! Sério mesmo que você viveu isso tudo, Célia? Minha infância foi quase toda urbana, presa em casa. Passei apenas um ano no sertão, onde raramente se encontravam árvores frutíferas. Parabéns pelo poema!

    ResponderExcluir
  8. Olá,Boa noite,Célia
    era feliz e sabia...sim, e que bela felicidade.... épocas maravilhosas, na infância, que sentimos saudades, e momentos inesquecíveis, ainda mais , se compararmos com a realidade... dos dias de hoje.
    Agradeço pelo carinho com my blog, obrigado,belos dias, beijos!

    ResponderExcluir
  9. Celia,que tempo bom! Sua poesia ficou simplesmente linda! Gostei de saber mais de sua infancia. bjs,

    ResponderExcluir
  10. Tínhamos uma vida top!
    Adorei ouvir a brincadeira passa-anel, não lembrava mais.
    Meus filhos foram criados em apartamento... que diferença!
    beijos.

    ResponderExcluir
  11. Célia
    Belo poema, a enaltecer outros temos que lá vão. Que não se sente, nem volta mais em nome desta nova civilização..
    beijos

    ResponderExcluir
  12. OI CÉLIA!
    ASSIM FOI MINHA INFÂNCIA TAMBÉM.
    AMEI LER TEU TEXTO, ME FEZ FAZER UMA VIAGEM AO PASSADO E COMO BEM DISSESTE, ERA FELIZ E SABIA.
    ABRÇS
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  13. O tempo era o mesmo que "deveria" ser nos dias de hoje; como se processavam as coisas na menoridade da civilização. Espanta-me que digam que agora é que há civilização!...
    Ajudaste-me a regressar ao meu passado.

    Beijos


    SOL

    ResponderExcluir
  14. Disse bem, era feliz e não sabia! Perdemos tudo isto, a tecnologia engoliu tudo, bom de uma lado, mas sem exageros! Beijos

    ResponderExcluir
  15. Muitas coisas mudaram.Que um dia possa voltar td novamente.Bjs

    ResponderExcluir

Seu comentário evidencia o seu 'pensar'.
Saiba que aprendo muito com você.
Obrigada, meu abraço,
Célia Rangel,
Autora responsável pelo blog.
Obs.: NÃO POSTAREI COMENTÁRIOS ANÔNIMOS.