sábado, 27 de setembro de 2014

Na Balança do Existir


Se você se nubla,

eu ensolaro

fertilizando-nos.

 

Olhá-lo no cinza,

não é atraente

prefiro azulá-lo.

 

Na confluência de vidas,

o encontro de gerações

marca registrada no DNA.

 

Se hoje nuvens acinzentam meus cabelos,

se caminho devagar com minhas limitações,

é pelo peso das emoções acumuladas.

 

As marcas no rosto, nada mais são

que, as estradas percorridas

com o olhar de quem muito viu.

 

Não vejo a velhice como mal, ao contrário,

é a soma de vidas vividas

de todas que por nós passaram.

 

Fica a saudade de mágicos encontros,

mas se dermos acolhida com serenidade

outros virão preenchendo-nos com amores.

 

Célia Rangel


 
             (Google)

22 comentários:

  1. ~ ~ Célia, aprecio muito a sua poesia positiva. Tocante, mas sem pinceladas pueris.

    ~ ~ ~ Que este primeiro fim de semana primaveril seja jovial e aprazível. ~ ~ ~

    ResponderExcluir
  2. Muioto bem abordado o tema da velhice.Lindo poema! bjs, chica

    ResponderExcluir
  3. Eu também aprecio a longevidade e admiro as experiências adquiridas. Um abraço, Yayá.

    ResponderExcluir
  4. OI QUERIDA
    Que postagem linda. Veja a velhice como experiencias vividas. Um feliz domingo.
    Ana

    ResponderExcluir
  5. Boa noite Célia que lindo... Escrevestes muito bem!
    A velhice carrega o peso da sabedoria adquirida.
    Tomara que essa juventude a tenha!
    Beijos de uma boa noite!
    Mariangela

    ResponderExcluir
  6. Percorrer as core (pelo menos algumas), para escrever o poema!
    Beijinhos!

    ResponderExcluir
  7. Velhice, é ter vivido
    Um tempo. Reaprender
    Os erros, sem colorido,
    E prosseguir em viver.



    Belo


    Beijos


    SOL

    ResponderExcluir
  8. Gostei tanto desse azulado que deu á sua poesia! Ficou um encanto,Celia! bjs e bom domingo,

    ResponderExcluir
  9. Caminhaste pelo caminho da vida marcando todas as rugas deixadas, mas desembocando na sabedoria que o viver nos presenteia. Magnífico o teu pensar sobre a inevitável velhice.
    Obrigado pelas palavras lá em Matuto paixão. Tens razão.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  10. Olá, Célia.

    "peso das emoções acumuladas". Gostei demais! Viver é acumular emoções, aprendizado; pavimentar a trilha da evolução. Tristes dos que apenas sobrevivem, acumulando tempo na inutilidade das ilusões.

    Um abração e uma boa semana.

    ResponderExcluir
  11. Olá, querida Célia
    Muito bom vc receber algo não tão bom e transformá-la em positividade...
    Lindo poema e serve pra mim também... estou na fase de transformar açúcar em doce... rs...
    Bjm florido e ótima semana!

    ResponderExcluir
  12. Olá Célia,
    diante de um poema tão lindo... Uma feliz velhice para todos nós! Beijos!

    ResponderExcluir
  13. Lindooo! Todo lindo! Esse "ensolaro" ficou o máximo. Parabéns, Célia!

    ResponderExcluir
  14. Lindo poema! Rugas, sinal de sabedoria e vivência! Beijão

    ResponderExcluir
  15. Olá, Boa noite, Célia
    ...o prazer passa. A dor também.O tempo passa. Aproveitemos, portanto, a vida,em todas as suas fases. "Não vejo a velhice como mal, ao contrário,é a soma de vidas vividas de todas que por nós passaram", e, de preferência , gastando-as no amor. Quem assim vive, na justa-medida e o domínio sobre si mesmo, vai construir sua identidade com as experiências vividas, vai viver na plenitude ,deixando sempre as marcas de sua passagem , o seu existir...
    Obrigado pelo carinho, belos dias, beijos!

    ResponderExcluir
  16. O cinza, belo cinza, adorna os cabelos, ornando com as belezas reais! abraços

    ResponderExcluir
  17. Bela reflexão da vida e da maturidade. Grande abraço, Célia.

    ResponderExcluir
  18. Com o envelhecer, de tempos em tempos, reclusos em nós, nos vêm reminiscências dos feitos e desfeitos, invariavelmente, nos enchendo de nostalgia...

    ResponderExcluir
  19. Sua linda poesia, amiga, lembrou-me o mestre Manoel de Barros.
    Todos os tempos de nossas vidas são belos, até mesmo quando o branco colore o cinza de nós.
    um beijo carioca bem primaveril.


    ResponderExcluir
  20. Hum... sim, Célia, um show de sabedoria, maturidade e equilíbrio!
    Gostei, levo pra minha vida.
    Abraços do sul!

    ResponderExcluir
  21. Oi Célia,
    A velhice, para mim, é o acúmulo de prazeres e experiências, pois não chegar nessa etapa não viveu toda a sua plenitude.
    Beijos no coração
    Lua Singular

    ResponderExcluir
  22. Bom dia , Célia! Muita sabedoria expressa em versos. Feliz de quem atinge a maturidade, pois, muitos não tiveram a sorte de vivenciar as coisas boas da vida. Sua poesia é muitíssimo verdadeira! Amei! Abçs!

    ResponderExcluir

Seu comentário evidencia o seu 'pensar'.
Saiba que aprendo muito com você.
Obrigada, meu abraço,
Célia Rangel,
Autora responsável pelo blog.
Obs.: NÃO POSTAREI COMENTÁRIOS ANÔNIMOS.