domingo, 9 de novembro de 2014

Deus, o Amor e o Homem.


 
Na convenção dos homens, o amor só pode ser carnal. Procede desde Adão & Eva...

Nos ensinamentos de Deus, o amor ocupa uma esfera maior, a espiritual.

Aquele que caminha com Ele no coração, poderá usufruir de uma forma muito meiga e nobre de amar.

Como se fosse possível ter-se várias formas! Na realidade, para amar só existe uma. A de sentir com a alma as sensações que o corpo delega para a mesma.

Amar a si próprio.

Amar ao outro.

Amar um filho.

Amar alguém que está com você.

Amar aquele que esteve com você.

Amar aquele que está ausente.

Amar a grandiosidade da vida.

Amar a um Ser Supremo – força maior – Deus.

Amar pura e simplesmente – Amar.

A sensação de paz que o Amor nos traz é a beleza maior que se pode alcançar.

 

Amar. Adorar. Venerar. Estar. Gostar. Cuidar. Doar. Ser. Desejar. Ter. Conciliar. Conceder. Somar. Repartir. Dividir. Multiplicar. Viver.

 

Essas e tantas outras ações constituem a base de todo um grande amor que seres vivos almejam em suas vidas. Observe que em nenhuma há a conotação de competição. Não é jogo. É uma existência a dois ou mais, com o mesmo ideal. E principalmente, com a responsabilidade do respeito e da aceitação das individualidades. Recebe-se o maior de todos os presentes do Pai quando Ele nos concede o direito de Amar. Uma rica sensibilidade não adquirida, mas herdada e carinhosamente cuidada – um dom maior – o existir em seu corpo toda uma energia voltada a quem é sua herança amorosa. Dedicação e devotamento em troca do prazer e da alegria. A química. O querer agradar sempre. O cuidar bem. A empatia.

A fidelidade a uma felicidade aconchegada no mais intimo do humano – o coração! Pulsa. Corpo e alma estremecem-se ao ver o ente amado. O toque. Gagueja-se, desconecta-se do mundo real. O insight. Sonha-se de olhos abertos! O devaneio. Um ar de inocência, a cumplicidade, sem saber-se ao certo o que virá depois dessas sensações. Ilusões. Boas. Incontroláveis. Deixam doces e eternas lembranças do êxtase de um bem querer. Na fantasia envolvente, de vidas que se encontram a união que celebra toda essa vivência. Registra-se nos anais de almas transcendentes, o eterno envolvimento. Infinito. Encontrar um amor verdadeiro é encontrar um grande tesouro. É usufruir da graça divina. Não necessita de cofre, de banco para depositá-lo. Mas, sim, de uma extensão de sua alma para aconchegá-lo infinitamente. Assim é a essência do verdadeiro, sublime e sublimado Amor!

Feliz quem o encontrou.

 

Célia Rangel

 

16 comentários:

  1. Olá, Célia.

    Amar é permitir que Deus se faça presente no coração humano. O amor é a grande oração que dispensa palavras, saberes... ´É a plenitude da criatura a caminho da essência do Criador.

    Um abração e uma bela semana.

    ResponderExcluir
  2. Boa tarde, Célia.
    O seu texto está perfeitamente encaixado no contexto do que é o amor, concordo com tudo o que escreveu.
    Você foi de uma sabedoria singular ao expôr com tanta sensibilidade um vasto sentimento tão imprescindível que a muitos falta.
    Amar a Deus e a nós mesmos é fundamental para amar o nosso próximo e formarmos com ele uma relação estreita.
    Pena quando deixamos morrer, ou matamos sem piedade com as nossas ações, qualquer tipo de amor.
    Que Deus tenha misericórdia de nós.
    Tenha uma semana de paz.
    Beijos na alma!
    Amei!

    ResponderExcluir
  3. Aplaudindo daqui! Lindo, verdadeiro e profundo teu post! bjs, chica

    ResponderExcluir
  4. Que lindo texto, Célia! Minha vida é um incessante podar das ramagens ruins que vão crescendo no coração, para que ele possa pulsar sem os sentimentos que impedem o amor de ser sublime, se é que pode ser chamado de amor o que não é sublime. Um grande abraço! Tenha uma linda semana!

    ResponderExcluir
  5. Oi Célia querida


    Lindo texto...

    Feliz de quem o encontrou...

    Beijos
    Ani

    ResponderExcluir
  6. Aplausos para teu excelente texto, amor é amor, mas o amor se transforma, principalmente o amor dos amantes, primeiro um amor louco, depois com o tempo um amor fraterno que só engrandece o amor, sem este amor impossível conviver anos e anos e depois este amor fraterno transforma-se num amor mais puro o Ágape onde sentimos que o que realmente nos importa é ver o ser amado feliz, não importando se conosco ou não, este é o amor maior, o amor que Cristo sentia por todos nós e que tanto quis nos ensinar, bjos Luconi

    ResponderExcluir
  7. ~ ~ Parabéns pelo alto nível e qualidade do magnífico texto, Célia. ~ ~

    ~ ~ ~ Uma deliciosa e inspirada semana primaveril. ~ ~ ~

    ResponderExcluir
  8. Pensei que você ia falar sobre eros, ágape e fileo, Célia. Você foi mais longe. Parabéns!

    ResponderExcluir
  9. Oi Celia,
    Achei lindo e culto seu jeito de escrever sobre Deus, o Amor e o Homem.
    Eu vou viajar, onde o blog não foi convidado para me acompanhar. Quero descansar muito e mais tarde, quem sabe, acordar n'outro mundo, onde inexiste a inveja - o maior cancro da humanidade.
    Vou sentir saudades
    Beijos no coração
    Lua Singular

    ResponderExcluir
  10. Boa tarde, Célia. Um texto belo oriundo de um coração transbordante de amor, uma mensagem edificante de valiosa contribuição àqueles que desconhecem o amor fraterno e todas as suas formas de amar.Sabedoria é o que não lhe falta, nobre poetisa..
    Noite de paz!
    Fraterno abç!

    ResponderExcluir
  11. Olá, boa noite, Célia
    Fabuloso texto...concordo plenamente com tudo e principalmente quando "dito" que "na realidade, para amar só existe uma. A de sentir com a alma as sensações que o corpo delega para a mesma."...e "na convenção dos homens, o amor só pode ser carnal." Procede desde Adão & Eva"...e esse, agora talvez
    seja tão grande quanto antes, apenas que, nos últimos tempos, a procura é ainda maior por corpos bem delineados, daqueles daquelas que perdem parte da vida ou toda a vida sem conhecer o verdadeiro Amor, na existência, com o mesmo ideal e o respeito e da aceitação das individualidades, pois ao se relacionar com uma outra pessoa, nos defrontamos com coisas diferentes de nós. Às vezes estamos preparados para aceitar; às vezes, não. E o amor nos mostra que é necessário que exista diálogo, tolerância, respeito, confiança e independência. Sim, o amor verdadeiro é desvelado, sublimado, em sua essência mais pura, sublime, nada exige em troca, nada espera, não condena, perdoa , o amor de Deus... Feliz quem o encontrou....
    Obrigado pelo carinho,bela semana,paz e luz, beijos!

    ResponderExcluir
  12. As sensações acordam o espírito, e no amor amalgama sua origem! abraços

    ResponderExcluir
  13. Amemos pois, humana e divinamente. Abraços, Célia!

    ResponderExcluir
  14. Parabéns, Célia, por essa pérola de texto! O verdadeiro amor não arde em ciúmes. O homem carnal pensa no amor de maneira diferente, mas o espiritual pensa no amor como Deus nos ensinou: não é vingativo.não se ensoberbece, não é traidor, etc.
    Que possamos viver o amor que Jesus nos legou!
    Abração.

    ResponderExcluir
  15. Amor Ágape, Eros e Filo. Cada um com seu significado, mas sempre Amor! Beijos

    ResponderExcluir

Seu comentário evidencia o seu 'pensar'.
Saiba que aprendo muito com você.
Obrigada, meu abraço,
Célia Rangel,
Autora responsável pelo blog.
Obs.: NÃO POSTAREI COMENTÁRIOS ANÔNIMOS.