quarta-feira, 12 de novembro de 2014

Minha Proclamação é minha Bandeira







 
No meu amanhecer filosófico
Estaciono-me em certos pensares
Do existir... Do amar... Dos símbolos
Do meu país.
Foco nos mesmos minha identidade?
Ou me entrego aos faróis do meu olhar
Em novos horizontes.
 
O que via pelos céus, eram asas sobrevoando justiça,
O que vejo agora é o retorno para casa,
Como filho pródigo, na indulgência do perdão!
É minha exigência a ética soberana de moral ilibada.
Afinal, existo no século XXI.
Pago minhas contas e impostos,
Sem nenhuma trapaça ou jeitinho.
 
De tropeços e cegueira me bastam
Há um embargo na voz ao cantar hinos:
Nacional, da Bandeira ou da Proclamação,
Qualidade e essência que deveriam ser pujantes
Ofuscam-se em nosso caráter embaçado.
Vivamos não como máquinas, mas como humanos.
Dignidade é a meta.
 
Célia Rangel




17 comentários:

  1. Lindo e profundo e a dignidade é o mínimo que esperamos! beijos, ótimo dia! chica

    ResponderExcluir
  2. ~ ~ Concordo integralmente com Pessoa, quando afirmou que a sua pátria era a Língua Portuguesa, mas o nosso país é o nosso lar maior...
    ~ ~ Não há nenhum lugar que nos ofereça mais aconchego e desperte o nosso carinho do que o nosso lar, por pior que seja...
    ~ ~ Conformemo-nos. ~ ~

    ~ ~ ~ Abraço amigo. ~ ~ ~

    ResponderExcluir
  3. Excelente, Célia. Parabéns! 'O que via pelos céus, eram asas sobrevoando justiça...'
    E via-se mais onde, parece, dignidade parecia ser meta mais 'alcançável'. Abraço grande.

    ResponderExcluir
  4. Dignidade, já! Mas, se pudesse ser pra ontem, eu preferia. :) Mandou bem, Célia. Beijos!

    ResponderExcluir
  5. oi Cé

    Pq nas escolas já não cantam mais os hinos?
    Nossa na minha época que não faz muito tempo rs... toda sexta era dia de irmos para o pátio e cantarmos o Hino Nacional.
    Tantas práticas importantes foram extintas, uma pena.

    bjokas =)

    ResponderExcluir
  6. Boa tarde Célia.. falou bem como penso.. vivamos como humanos..mas muito vemos máquinas controlando outras máquinas..
    certo é que estamos numa terra merecida.. mas ainda temos muito que ver ela se equilibrar para o Brasil ser o Brasil não é.. bjs

    ResponderExcluir
  7. OI CÉLIA!
    A NOSSA BANDEIRA, SÍMBOLO DO PAÍS QUE AMAMOS E SEMPRE AMAREMOS E PARA A QUAL EXIGIMOS A TÃO POUCO, SÓ QUE SEJA RESPEITADA.
    MUITO LEGAL TEU TEXTO.
    ABRÇS

    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Tens o meu endosso, só não o faço em versos primorosos como são os teus!

    ResponderExcluir
  9. Excelente Celinha!!!!! Parabéns amiga ;)

    ResponderExcluir
  10. Perfeito Célia, sim a dignidade é tudo que temos e que esperamos, aplausos minha amiga, bjos Luconi

    ResponderExcluir
  11. Caráter....nosso povo precisa.
    Beijo Lisette

    ResponderExcluir
  12. Olá, boa noite,Célia
    Ficou lindo...
    ...dignidade é um sentimento inexistente numa época em que os atos de corrupção e de privilégios imperam por toda a parte, e por isso , a nossa consciência moral em ação -a ética soberana de moral ilibada - condena os desvios e os excessos. Precisamos ( nós,o povo) entender os valores morais e as normas éticas e o direito em geral- Qualidade e essência que deveriam ser pujantes- ou a falta deles, pois isso pode ser o diferencial que pode elevar o nosso Brasil ou destruí-lo.
    ♪Liberdade! Liberdade!Abre as asas sobre nós!Das lutas na tempestadeDá que ouçamos tua voz!♪
    Obrigado pelo carinho,belo domingo,belos dias, beijos!

    ResponderExcluir
  13. Como gostaria que tudo fosse diferente, alcançar a meta estipulada para me orgulhar de alguma coisa. Mas a pobreza de espírito, de vontade, o egoísmo e o crime é tanto nesse país que, em mim, tudo rolou ladeira abaixo. Não tenho apego a mais nada - infelizmente.
    beijo!

    ResponderExcluir
  14. «Vivamos não como máquinas, mas como humanos» - desejo cada vez mais dificil de conseguir...

    ResponderExcluir
  15. É amiga, teria que ser a meta, que pena! Beijos

    ResponderExcluir

Seu comentário evidencia o seu 'pensar'.
Saiba que aprendo muito com você.
Obrigada, meu abraço,
Célia Rangel,
Autora responsável pelo blog.
Obs.: NÃO POSTAREI COMENTÁRIOS ANÔNIMOS.