terça-feira, 4 de novembro de 2014

Poesia de Vida!


Ainda me levanto

 

Maya Angelou

 

 

Podes inscrever-me na História

Em mentiras amargas e retorcidas.

Podes espezinhar-me no chão sujo

Mas ainda assim, como a poeira, vou-me levantar.

 

 Minha impertinência incomoda?

Por que ficas soturno

Ao me ver andar como se tivesse em casa

Poços de petróleo jorrando?

 

Como as luas e como os sóis,

Como a constância das marés,

Como a esperança alçando voo,

Assim me levanto.

 

Querias ver-me alquebrada?

Cabeça pensa e olhos baixos?

Ombros caídos como lágrimas,

Enfraquecida de tanto pranto?

 

Minha altivez o ofende?

Não leve tão a peito assim:

Eu rio como quem minera ouro

Em seu próprio quintal

 

Podes fuzilar-me com palavras

Podes lanhar-me com os olhos

Podes matar-me com malevolência

Mas ainda assim, como o ar, eu me levanto

 

Minha sensualidade perturba?

Por acaso te surpreende

Que eu dance como quem tem diamantes

Ali onde as coxas se encontram?

 

Do fundo das cabanas da humilhação

Me levanto

Do fundo de um pretérito enraizado na dor

Me levanto

 

Sou um oceano negro, marulhando e infinito,

Sou maré em preamar

Para além de atrozes noites de terror

Me levanto

Rumo a uma aurora deslumbrante

Me levanto

Trazendo as oferendas de meus ancestrais

Portando o sonho e a esperança do escravo

Ainda me levanto

Me levanto

Me levanto


Fonte:
Walnice Nogueira Galvão, professora emérita da FFLCH da USP                  
 

10 comentários:

  1. Há uma capacidade natural dentro do ser de levantar e seguir o seu caminho! abração

    ResponderExcluir
  2. Linda poesia e a inspiração na força de uma mulher que não se deixa vencer!! bjs, chica e ótimo dia!

    ResponderExcluir
  3. Bom dia linda amiga Célia, lindíssimo poema, bem escolhido!
    Lição de força e coragem para enfrentar as adversidades!
    Amei ler, sempre aprendemos, todos os dias novas mensagens que nos iluminam e aquecem nossas almas!
    Abraços!

    ResponderExcluir
  4. ~
    ~ ~ ~ U m a ~ m a r a v i l h a ! ~ ~ ~

    ~ O incentivo da força e da coragem.
    ~ Numa linha semelhante aos seus...
    ~ Destes geniais estímulos estamos todos precisados.

    ~ ~ ~ Gratíssima, Célia. ~ ~ ~ ~ Abraço amigo. ~ ~ ~

    ResponderExcluir
  5. Adorei!!!
    Muita gente tem prazer de ver o outro sofrendo e triste no momento da fraqueza.
    Mas ganhamos força e a gente levanta e continua a caminhada.
    E se a gente cair de novo?
    A gente levanta, qtas vezes forem preciso.

    bjokas =)

    ResponderExcluir
  6. Célia

    O teu poema, é uma verdadeira ode ao positivismo. Temos mesmo de convir, que nos devemos sempre empertigar, para vencer os obstáculos de toda a ordem que, nos aprecem pela frente.
    beijos

    ResponderExcluir
  7. Ótimo poema! Só faltou o "sacode a poeira, dá a volta por cima". Beijos, Célia!

    ResponderExcluir
  8. Um poema de força, de luta e de resiliência!
    O que muitos de nós precisa hoje para continuar na luta. E vamos que vamos!
    um abraço carioca


    ResponderExcluir
  9. Boa tarde Célia.
    Belíssimo poema de força estampada sem medo dos "quês" de outros.
    Fabulosa escolha.
    abço

    ResponderExcluir
  10. E se não levantarmos com os tombos que a vida nos dá, vamos fazer o que? Beijos

    ResponderExcluir

Seu comentário evidencia o seu 'pensar'.
Saiba que aprendo muito com você.
Obrigada, meu abraço,
Célia Rangel,
Autora responsável pelo blog.
Obs.: NÃO POSTAREI COMENTÁRIOS ANÔNIMOS.