segunda-feira, 3 de novembro de 2014

SILÊNCIO




É fácil trocar as palavras,
Difícil é interpretar os silêncios!
É fácil caminhar lado a lado,
Difícil é saber como se encontrar!
É fácil beijar o rosto,
Difícil é chegar ao coração!
É fácil apertar as mãos,
Difícil é reter o calor!
É fácil sentir o amor,
Difícil é conter sua torrente!
 
Como é por dentro outra pessoa?
Quem é que o saberá sonhar?
A alma de outrem é outro universo
Com que não há comunicação possível,
Com que não há verdadeiro entendimento.
 
Nada sabemos da alma
Senão da nossa;
As dos outros são olhares,
São gestos, são palavras,
Com a suposição
De qualquer semelhança no fundo.
 
Fernando Pessoa

16 comentários:

  1. Às vezes o silêncio é necessário simplesmente porque o final do ano está chegando e as tarefas aumentam. Por falar nisso, desde já peço desculpas se postar menos comentários e apenas ler os textos. Um abraço, Yayá.

    ResponderExcluir
  2. ~ ~ Fernando Pessoa, um dos grandes mestres da Língua Portuguesa foi um homem triste, atormentado e solitário, porque não teve coragem de enfrentar os preconceitos da sua família e classe, assumindo a sua paixão por uma datilógrafa.

    ~ ~ Talvez não tivesse morrido precocemente se não tivesse sido pusilanime.

    ~ ~ ~ ~ Abraço amigo. ~ ~ ~ ~

    ResponderExcluir
  3. Ler Pessoa é um encanto sempre! Escolheste muito bem! bjs, chica e linda semana!

    ResponderExcluir
  4. Eu não me lembrava desse poema, Célia. Valeu. Beijos!

    ResponderExcluir
  5. Célia

    Será impossível, um poema de Fernando Pessoa, não conter uma mensagem, como o que apresentas. É mesmo muito importante, nos debruçarmos, sobre cada um dos seus poemas, até da sua prosa, que também publicou, pelo menos em artigos.
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. É mesmo! Ninguém sabe o que vai dentro da alma de cada um de nós!
    Amei e vou compartilhar lá no Face na minha página Momentos Lilases. Confira.
    um beijinho carioca

    ResponderExcluir
  7. Quanta sabedoria estão contidas nas palavras que dão vida a essa bela poesia do Fernando Pessoa. Querida Célia, um beijo no seu coração.

    ResponderExcluir
  8. Célia, amei ler, sempre aprendo com poemas de Fernando Pessoa, meu poeta quase que predileto, pois têm muitos e entre eles Machado de Assis, que também me faz pensar!
    A alma é incógnita até a nossa própria, muitas vezes nos vemos caindo em contradição, quanto mais as almas das outras pessoas!
    Amiga, escolheste muito bem o poema, o silêncio é dificílimo de ser interpretado, tem até uma frase popular que diz que "quem cala consente", não acredito nisso, pois muitas vezes nos calamos por sermos pegos de surpresas, eu mesma muitas vezes me vejo sem palavras diante de algumas situações, pois é, bem assim, depois com calma vou analisando, nem sempre consigo entender, até me sinto "burra" por isso, mas é como diz o poeta:" A alma de outrem é outro universo..."
    Amei demais ler aqui, bem escolhido o poema, não o tinha lido ainda!
    Abraços minha amiga!

    ResponderExcluir
  9. Nossa, Célia! Como é difícil falar sobre a alma da gente. Abraço!

    ResponderExcluir
  10. OI CÉLIA!
    FERNANDO PESSOA E UMA AULA DE MAESTRIA.
    SE NÃO SABEMOS NEM DE NÓS MESMOS, POIS MUITAS VEZES NOS SURPREENDEMOS TOMANDO ATITUDES IMPENSADAS, IMAGINA NOS ARVORARMOS A CONHECEDORES DAS ALMAS ALHEIAS, SERIA MUITA PRETENSÃO NOSSA.
    ABRÇS AMIGA
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  11. Fernando Pessoa nos encanta! Parabéns pela escolha!
    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  12. Bom dia querida Célia.. não é a toa que fiz um soneto a este ser e que adoro ler o mesmo..
    muita sabedoria no que ele deixou..
    cabe a cada um de nós assimilar.. abração

    ResponderExcluir
  13. Bom dia querida Célia.. não é a toa que fiz um soneto a este ser e que adoro ler o mesmo..
    muita sabedoria no que ele deixou..
    cabe a cada um de nós assimilar.. abração

    ResponderExcluir
  14. Minha amiga como gostei de ler isso, estamos novamente vivendo momento de luto em família e de repente percebo que não sei a palavra certa e o silêncio permitindo que apenas a presença fale é o que impera, bjos Luconi

    ResponderExcluir
  15. Olá, Célia.

    Pessoa. Como sempre, versos de uma singular profundidade. Coisa de poeta plural.

    Um abração.

    ResponderExcluir
  16. Lindo poema! Somos um enigma um para o outro! Beijos

    ResponderExcluir

Seu comentário evidencia o seu 'pensar'.
Saiba que aprendo muito com você.
Obrigada, meu abraço,
Célia Rangel,
Autora responsável pelo blog.
Obs.: NÃO POSTAREI COMENTÁRIOS ANÔNIMOS.