sábado, 6 de dezembro de 2014

Tarde rosa




O meu olhar se dobra diante tamanha beleza


Transpassa minha retina um brilho natural


Quando o Criador esbanja beleza abençoando


A arte de mais um entardecer da primavera!


Quanta beleza natural terei que deixar...


Bendigo o toque mágico que ainda recebo


De o meu natural viver


E amar!


Ao provável ato de sair de cena


E agradecer o afeto recebido


Tão generosamente!



Célia Rangel






14 comentários:

  1. Que linda tarde rosa e poesia! bjs, ótimo e tranquilinho domingo! chica

    ResponderExcluir
  2. CÉLIA RANGEL,

    na provável hipótese de qualquer um de nós sairmos de cena e, como acredito na vida após a morte, tenho certeza que os céus da primavera serão até muito mais rosas e nossas existências em planos superiores muitissimos mais coloridos pelas luzes mágicas que emanarão DELE, unica razão de tudo!!!

    Que linda poesia, Célia...

    Um abração carioca.

    ResponderExcluir
  3. Agradecer sempre - eis aí. Imerecedores de tanto que, aplicadíssimos, nos dedicamos a destruir sem dó, nem piedade. Nosso caminhar deveria ser sempre marcado por duas notas fundamentais: gratidão e pedidos de desculpa.
    Abraço grande. E obrigado pela solidariedade lá em Pretextos-elr.

    ResponderExcluir
  4. Que lindo, tanto a imagem quanto o poema, é mesmo uma grande benção poder apreciar essas belezas!
    Também curto isso demais!
    Adorei ver e ler!
    Abraços linda amiga, tenhas uma linda noite de sábado!

    ResponderExcluir
  5. Sempre surpreendente a Natureza!!

    Lindas palavras, Célia!

    Beijos róseos

    ResponderExcluir
  6. Que lindo poema, Célia!
    Um domingo feliz para você. Abraços das meninas.

    ResponderExcluir
  7. Há entardeceres tão belos que tocam a nossa alma.
    Maravilhoso poema.
    Beijinhos
    Maria

    ResponderExcluir
  8. Célia, já me peguei algumas vezes pensando no meu "sair de cena". E penso nisso quando estou diante de muito beleza (da natureza), e emociona. Deixar de ver, de participar... e muitas das vezes me perguntei o porquê. E quis saber a razão das coisas. A gente só entende certas coisas se tiver fé, é através dela, caso contrário fica muito complicado. Seu poema é triste, Célia, mas incrivelmente belo por deixar transparecer exatamente isso, a finitude.
    Beijo!

    ResponderExcluir
  9. Oi, Célia.
    É um prazer contemplar o amanhecer, o entardecer, o anoitecer, a beleza da natureza, através das belas palavras dos poetas.
    Cabe a nós apreciarmos as dádivas da vida, com respeito.
    Obrigada pelas palavras gentis no meu Blog.
    Boa semana querida.
    Beijos.





    ResponderExcluir
  10. Que lindoooo!!! :)
    Que possamos ver,contemplar e não deixar passar a beleza.Bjs

    ResponderExcluir
  11. Bom dia Célia.. beleza esta em tudo.. em cada focar do nosso olhar podemos ver a mesma.. tem gente que não consegue perceber isso pq não se acalma na correria do dia criada por si mesma.. abração

    ResponderExcluir
  12. Oi querida Célia, que lindo post, linda imagem!
    Tenha uma excelente semana, beijos e fique com Deus!!

    ResponderExcluir
  13. ~ ~ Terno e amoroso poema enaltecendo a rara beleza da Primavera!

    ~ ~ Não menos ternos, os belos retratos, verdadeiros poemas visuais.

    ~ ~ Os nossos poentes outonais tingem-se de brilhantes vermelhos e ocres.

    ~ ~ ~ ~ Beijinho com votos de dias animados e felizes. ~ ~ ~ ~
    ~ ~

    ResponderExcluir
  14. Que lindo! E saber que as próprias mãos do homem estão destruindo tudo isto! Beijos

    ResponderExcluir

Seu comentário evidencia o seu 'pensar'.
Saiba que aprendo muito com você.
Obrigada, meu abraço,
Célia Rangel,
Autora responsável pelo blog.
Obs.: NÃO POSTAREI COMENTÁRIOS ANÔNIMOS.