quarta-feira, 30 de abril de 2014

Dia do Trabalho e do Trabalhador.





















TERAPIA DO TRABALHO
Daniel Grippo
Paulus

Trabalho significa realização, satisfação, aprendizado, crescimento e gratificação. É o meio pelo qual deixamos nossa marca no mundo.
No entanto, ele também produz ansiedade, frustração, tensão, tédio e desapontamento. O trabalho – ou a falta dele – pode fazer-nos sentir abatidos, inúteis, inadequados, fracassados.

Se o trabalho estiver trazendo-lhe mais estresse que satisfação, ou se sua jornada de trabalho estiver causando-lhe mais aborrecimento que alegria, você pode estar precisando de terapia do trabalho.

1.  O trabalho, como o amor, é radiante.

2. Todo trabalho tem dignidade. Orgulhe-se de seu trabalho – e de você mesmo, por realizar o que realiza.

3. O trabalho não precisa ser pago para ter valor. Repare o quanto de trabalho realmente importante na vida não envolve pagamento.

4. Todo trabalho pode ser criativo. Seu trabalho é parte da contínua criação do mundo. Veja-se como um co-criador com Deus.

5. Todo trabalho deveria preservar a criação e estar em harmonia com ela.

6. Lembre-se dos momentos em que você sentiu profunda satisfação no trabalho: quando teve uma ideia brilhante, participou de um grupo de trabalho amigável, descobriu a resposta para uma questão complicada...

7. Valorize os momentos de alegria na sua jornada de trabalho.

8. Confira equilíbrio, harmonia e dinamismo ao seu trabalho. Trabalhe tanto com as mãos quanto com a cabeça, tanto com a imaginação quanto com a razão, tanto sozinho quanto em grupo.

9.Conheça a diferença entre ser eficiente e ser eficaz. Eficiência é fazer as coisas de maneira certa. Eficácia é  fazer as coisas certas. Ambas são importantes; não sacrifique a eficácia por causa da eficiência.

10. A regra de outro se aplica ao seu local de trabalho: trate seus companheiros de trabalho e seus clientes como gostaria de ser tratado.

11. Encare os conflitos no trabalho com caridade, perdão e sabedoria. A verdade tem muitas facetas. Procure, com meios criativos, ajudar a resolver brigas.

12. Se algo está quebrado ou errado, não espere que outra pessoa venha consertá-lo.  Contribua, usando suas habilidades e talentos, para tornar as coisas melhores.

13. Todo emprego tem lá suas coisas piores, suas dificuldades e momentos de desânimo. Faça uma lista de todas as coisas boas sobre seu trabalho; recorra-as nos dias difíceis.

14. E você está pensando em deixar o cargo ou procurando obter uma transferência, relacione aspectos positivos e negativos entre permanecer e mudar. Considere-os atentamente. Não tome decisões precipitadas.

15. Se você está convicto de que é tempo de mudar, faça-o. Mas não destrua pontes. Deixar um emprego não significa deixar os bons amigos. Permaneça em contato com eles.

16. Se você perder o emprego ou uma promoção, não perca a confiança em si mesmo. Você é mais que o seu emprego, e o seu valor é bem maior que um salário.

17. Quando você estiver procurando trabalho, use todos os recursos: amigos, agências, classificados, lista de telefones. Considere o próprio processo de procurar emprego um tempo integral de aprendizagem. Nunca fala mal do emprego anterior ou do emprego que está pretendendo deixar.

18. A perda de um emprego pode ser uma oportunidade para aprender, crescer, mudar, definir-se a si mesmo de uma maneira nova. Avalie seus dons e preste atenção ao que seu coração está lhe dizendo.

19. Cultive interesse para com o mundo exterior, de maneira que sua vida seja mais que seu emprego.

20. O trabalho voluntário não torna felizes apenas aqueles que o recebem; ele é uma grande fonte de satisfação e crescimento também para aqueles que o oferecem. Encontre um meio para estender a mão e fazer do espaço em que você vive um lugar melhor.

[Indicação de Ir. Lauro Daros, marista.]

sexta-feira, 25 de abril de 2014

FEMININA





















Meigamente derrama sobre mim o amor divino,
Em enorme profusão como se ainda fosse possível,
Amar sem medidas humanas.
Amando você, você e você.
Sob várias formas, sentidos e sentimentos,
Sensações exuberantes do físico para a alma...
Uma paz, um enlevo, uma nostalgia,
Que, se delega de um a outro, sem resistência alguma.
Amar o ausente, o presente, o feliz, o infeliz, o carente...
Na magia do existir, saber partilhar a maior doação de todas,
O amor puro, envolvente, ternurizante,
Que se acopla em nosso ser,
Sem pressa, sem tempo, sem cobranças...
Apenas na espera de ser em si mesmo,
A herança amorosa que transcende ao infinito,
Em extensão de almas que se aconchegam...
Sublimando a serenidade de amar.

Célia Rangel
                                                                         



quinta-feira, 24 de abril de 2014

Reflexão




"A ternura de uma escuta é permitir que o outro tenha a possibilidade não

 só de se exprimir, mas também de se escutar." 

[Cativando a Ternura - Jacques Salomé) 

quarta-feira, 23 de abril de 2014

Além dos meus silêncios...


















, na miséria humana acomoda-se um corpo

, simplesmente se anula em muitas coisas

, há sempre uma tristeza que se apossa

, de um ser que derrapa em lembranças

, há uma solidão conflitante

, que ora quer ser ausente

, ora presença marcante

, refúgio da fraqueza invasora

, em coleção de desafetos

, no gráfico das ilusões

, persistem em queda

, os sonhos.


Célia Rangel

terça-feira, 22 de abril de 2014

Refletindo sobre a riqueza do Planeta

DIA INTERNACIONAL DA TERRA
Ir. Lauro Daros

No Planeta verdejante não há espaços ermos,
os tempos criam,
a vegetação aceita e abriga a diversidade.

O mineral, o vegetal e o animal coexistem,
a existência possibilita a vida,
o ser inteligente cuida do seu habitat.

Os seres abióticos e bióticos se condicionam,
a seleção natural garante o equilíbrio,
a morte é um processo natural e estético.

O ambiente natural e o cultural completam-se,
o ser humano aceita-se natureza,
a Terra é cenário de alegria e de celebração.




sábado, 19 de abril de 2014

Esperanças Renovadas!



FELIZ PÁSCOA


A alegria não se desenha em cenários e tempos remotos,

mas aqui e agora,

na presença do Cristo Ressuscitado.

O cristão crê no Amor de Deus,

que se manifesta na Vida plena.

Fonte do Amor e da Vida,

Deus nos oferece o seu Reino de Justiça e Paz,

onde  não há dias especiais.

Para o Cristão,

sempre é tempo de Alegria e de Graça,

sempre é tempo de Vida e de Amor,

sempre é Páscoa, sempre é Natal,

sempre é tempo de Deus.

FELIZ PÁSCOA

a quem toca o coração das pessoas

pela bondade e alegria

e a quem se deixa tocar

pela ternura de Deus.

Ir.Lauro Daros, marista.

sexta-feira, 18 de abril de 2014

quarta-feira, 16 de abril de 2014

ERRANTE

Errante


Final de tarde extasiante

Na doce e terna visão de um dia que se esvai...

Despede-se da grandiosidade divina.


Alma errante recolhe-se em novas expectativas

Arrepende-se por sua eterna insatisfação

Acolhe-se na fé todo o enfrentamento.


Surpreende-se com a força da cumplicidade

Comprometimento do encontro que harmoniza

Vida, o único tráfego para novas experiências.


Na cumplicidade o olhar da lapidação

Como luzes de um longo caminho

Pisca alerta para promessas fragilizadas.

A alma? Sabe esperar no tempo divino...


Célia Rangel






domingo, 13 de abril de 2014

Retorno à Vida...





RAMOS


... verde de vida que brota

... aceno de vitória

... luz divina

... triunfo humano

... bênçãos de renovação

... ressurreição autêntica

... momento terno e orante



Célia Rangel

quarta-feira, 9 de abril de 2014

Orando...

Eclesiastes, 3

1. Para tudo há um tempo, para cada coisa há um momento debaixo dos céus:

2. Tempo para nascer, e tempo para morrer; tempo para plantar, e tempo para arrancar o que foi plantado;

3. Tempo para matar, e tempo para sarar; tempo para demolir, e tempo para construir;

4. Tempo para chorar, e tempo para rir; tempo para gemer, e tempo para dançar;

5. Tempo para atirar pedras, e tempo para ajuntá-las; tempo para dar abraços, e tempo para apartar-se.

6. Tempo para procurar, e tempo para perder; tempo para guardar, e tempo para jogar fora;

7. Tempo para rasgar, e tempo para costurar; tempo para calar, e tempo para falar;

8. Tempo para amar, e tempo para odiar; tempo para a guerra, e tempo para a paz.

9. Que proveito tira o trabalhador de sua obra?

10. Eu vi o trabalho que Deus impôs aos homens:

11. todas as coisas que Deus fez são boas, a seu tempo. Ele pôs, além disso, no seu coração a duração inteira, sem que ninguém possa compreender a obra divina de um extremo a outro.

12. Assim eu concluí que nada é melhor para o homem do que alegrar-se e procurar o bem-estar durante sua vida;

13. E que comer, beber e gozar do fruto de seu trabalho é um dom de Deus.

14. Reconheci que tudo o que Deus fez subsistirá sempre, sem que se possa ajuntar nada, nem nada suprimir. Deus procede desta maneira para ser temido.

15. Aquilo que é já existia, e aquilo que há de ser, já existiu; Deus chama de novo o que passou.

16. Debaixo do sol, observei ainda o seguinte: a injustiça ocupa o lugar do direito, e a iniquidade ocupa o lugar da justiça.

17. Então eu disse comigo mesmo: Deus julgará o justo e o ímpio, porque há tempo para todas as coisas e tempo para toda a obra.

18. Eu disse comigo mesmo a respeito dos homens: Deus quer prová-los e mostrar-lhes que, quanto a eles, são semelhantes aos brutos.

19. Porque o destino dos filhos dos homens e o destino dos brutos são o mesmo: um mesmo fim os espera. A morte de um é a morte do outro. A ambos foi dado o mesmo sopro, e a vantagem do homem sobre o bruto é nula, porque tudo é vaidade.

20. Todos caminham para um mesmo lugar, todos saem do pó e para o pó voltam.

21. Quem sabe se o sopro de vida dos filhos dos homens se eleva para o alto, e o sopro de vida dos brutos desce para a terra?

22. E verifiquei que nada há de melhor para o homem do que alegrar-se com o fruto de seus trabalhos. Esta é a parte que lhe toca. Pois, quem lhe dará a conhecer o que acontecerá com o volver dos anos?

Bíblia Ave Maria - Todos os direitos reservados.






segunda-feira, 7 de abril de 2014

A dor passa, a beleza permanece...

Embora Henri Matisse fosse 28 anos mais jovem que Auguste Renoir, os dois grandes pintores eram muito amigos e saíam sempre juntos.

Quando Renoir ficou confinado em casa, na ultima década de sua vida, Matisse o visitava diariamente.

Quase paralítico em função da artrite e apesar dos incômodos da doença, Renoir continuou a pintar.

Um dia, enquanto o contemplava pintando em seu ateliê, e gemendo de dor a cada pincelada, Matisse perguntou:

- Auguste, porque continua a pintar, com tanto sofrimento?

Renoir respondeu simplesmente:

- A dor passa, a beleza permanece!

Até os últimos dias, Renoir levou tinta às telas. Um de seus quadros mais famosos, “As banhistas”, foi terminado
dois dias antes de sua morte, 14 anos depois que ele foi atingido pela enfermidade.











Renoir







Colaboração - Ir. Lauro Daros, marista.

sábado, 5 de abril de 2014

COISIFICADA


Femeamente
Entregue e submissa
Em seus desejos
Do amanhecer ao anoitecer
Farta-se reduzindo ao outro
Depreciada vende
De sabonetes a carros top de linha
Vulgaridade pelo consumo
Resta pouco do que foi
Conveniente ou conivente
De vida fácil verdadeira serva
Esquecida por Deus e de Deus
Pulsa sempre em seu combustível
Alimentando e  sendo alimentada
Remete-se a olhares
Ditos pecaminosos
Que pecado ela faz
Se em sua genitália
Desenha-se o coração da vida
Que em sua penetração
Seria amor, doação e reprodução
Hoje poderia ser seu filho,
Seu companheiro
Seu pai
Seu irmão
Mas, restaura-se no que resta.


Célia Rangel