sábado, 10 de janeiro de 2015

"O tamanho das pessoas"




 Os tamanhos variam conforme o grau de envolvimento.

 Uma pessoa é enorme para você, quando fala do que leu e viveu,

 quando trata você com carinho e respeito,

 quando olha nos olhos e sorri destravado.

 É pequena para você quando só pensa em si mesma,

 quando se comporta de uma maneira pouco gentil,

 quando fracassa justamente no momento em que teria que demonstrar

 o que há de mais importante entre duas pessoas: a amizade, o carinho,

 o respeito, o zelo e, até mesmo, o amor.

 Uma pessoa é gigante para você quando se interessa pela sua vida,

 quando busca alternativas para o seu crescimento,

 quando sonha junto com você. E pequena quando desvia do assunto.

 Uma pessoa é grande quando perdoa, quando compreende,

 quando se coloca no lugar do outro,

 quando age não de acordo com o que esperam dela,

 mas de acordo com o que espera de si mesma.

 Uma pessoa é pequena quando se deixa reger por

 comportamentos clichês.

 Uma mesma pessoa pode aparentar grandeza ou miudeza dentro de um relacionamento, pode crescer ou decrescer num espaço de poucas semanas.

 Uma decepção pode diminuir o tamanho de um amor que parecia ser grande.

 Uma ausência pode aumentar o tamanho de um amor que parecia ser ínfimo.

 É difícil conviver com esta elasticidade: as pessoas que se agigantam nas críticas e se encolhem quando estão diante dos olhos que sabem "seus segredos íntimos e suas atitudes covardes fruto de sua própria insegurança".

 Nosso julgamento é feito não através de centímetros e metros,

 mas de ações e reações, de expectativas e frustrações.

 Uma pessoa é única ao estender a mão; e ao recolhê-la inesperadamente,

 se torna mais uma.

 O egoísmo unifica os insignificantes.

 Não é a altura, nem o peso, nem os músculos que tornam uma pessoa grande... é a sua sensibilidade, sem tamanho...

 E ainda dizem que "interferência" é atrapalhar o caminhar do próximo. Na maioria das vezes é despertar a "coragem e a capacidade" nos covardes e incompetentes.

 A esperança está na certeza que estes se rendem diante da própria imagem diante do espelho que se olham a cada dia mais infelizes.
Martha Medeiros


Nota: Versão adaptada da crônica "A Fita Métrica do Amor", de Martha Medeiros: Link. Por vezes é erradamente atribuída a William Shakespeare.

10 comentários:

  1. Gostei muito dessetexto e Martha toca muito bem no tema!!!bjs praianos,chica

    ResponderExcluir
  2. Gostei muito dessetexto e Martha toca muito bem no tema!!!bjs praianos,chica

    ResponderExcluir
  3. Aí estão algumas verdades!1

    Isabel Sá
    http://brilhos-da-moda.blogspot.pt

    ResponderExcluir
  4. Oi Célia, que lindo!
    Não se mede o tamanho de uma pessoa pela sua altura, mas sim pela grandeza de seus atos!
    Beijos e tenha uma excelente semana, beijos e fique com Deus!

    ResponderExcluir
  5. ~ Muito interessante, Célia.

    ~ Todos conhecemos estas verdades, mas a exposição e narração estão ótimas.

    ~ ~ ~ Abraço amigo. ~ ~ ~
    .

    ResponderExcluir
  6. Claro, o que conta é o carácter da pessoa.
    Bom domingo, Célia.

    ResponderExcluir
  7. Um texto magnífico que trazes a ler. Foi uma boa escolha, ou eu ando um pouco por baixo e a necessitar das palavras da Martha.



    Beijos


    SOL

    ResponderExcluir
  8. com certeza uma decepção pode sim diminuir o amor , a consideraçao que tinhamos pelo outro ,
    forte abraço
    Célia , um bom domingo
    elisa

    ResponderExcluir
  9. Grande Célia! Bela escolha de texto! Beijos!

    ResponderExcluir
  10. Gostei! Nossa pequenez é demonstrada nas atitudes egoístas e sem amor! Beijos

    ResponderExcluir

Seu comentário evidencia o seu 'pensar'.
Saiba que aprendo muito com você.
Obrigada, meu abraço,
Célia Rangel,
Autora responsável pelo blog.
Obs.: NÃO POSTAREI COMENTÁRIOS ANÔNIMOS.