terça-feira, 3 de fevereiro de 2015

Deduções...



Olhos de que e de quem,
percorriam aquele espaço
delineado em sombras azuis?


Descortinavam situações intuitivas
que os impulsionavam à vida!


Viu-se na paisagem bucólica
de sua infância
contornada pela simplicidade.


Percorreu ruas,
outrora, transformadas em seu play ground,
hoje, corredor de loucuras do fazer, do ter e do poder!


Encolheu-se na sarjeta, sem ser reconhecida
olhando aos que passavam e sendo desprezada...
O tempo traçou caminhos que o olhar seguiu.


Legado mágico por um instante de total consciência
do desprendimento metafísico das futilidades
entrega-se ao desconhecido:
_ O que olhará?


Célia Rangel







13 comentários:

  1. Uma volta ao passado e retorno ,para tudo tão diferente! Linda! bjs, chica

    ResponderExcluir
  2. Olá,boa noite,Célia...penso que faz parte da natureza humana esperar que o futuro se assemelhe ao presente e esse ao passado. Mas , racionalmente, é algo que não podemos defender, talvez, por um instante de total consciência. Do passado somente poderemos deduzir o que foi, não o que há de ser e nem o que é -entrega-se ao desconhecido-..._ "O que olhará?- tem que olhar um futuro que volte ao passado , onde bem vivemos , sabemos e aprendemos ...
    agradeço pelo carinho,belos dias,beijos!

    ResponderExcluir
  3. Tudo muda a todo instante.

    bjokas =)

    ResponderExcluir
  4. Oi, Célia! Que experiência estranha essa de retornar a lugares onde passamos a infância. É como redimensionar o passado. Estou passando por isso porque tenho que desmontar a casa de meus falecidos avós, a mesma casa onde meu pai morreu. São camadas e camadas de recordações apontando para a finitude. É um exercício de crescimento e desapego. Beijos e parabéns pelo poema!!

    ResponderExcluir
  5. CÉLIA,

    quando nos falta o que olhar,isto é bem o fundo do poço,nosso pior momento, ,e só recordações povoam nossas mentes, um relicário maravilhoso do que passou, mas,existiu!

    Ter existido já nos enche de glórias.

    Concorda?

    Como dizia o poetinha, se nada é eterno que seja bom enquanto dure. (Vinicius de Morais

    Um abração carioca

    ResponderExcluir
  6. Nada é eterno, nem as muralhas de Roma, tudo se transforma...

    ResponderExcluir
  7. Olá, querida Célia
    A terceira estrofe é muito linda e me identifiquei com ela...
    Bjm fraternal

    ResponderExcluir
  8. Ai a «paisagem bucólica» das nossas infâncias, das nossa adolescência! Tudo tão diferente do que agora é!

    O poeta Correia Garção da nossa Literatura do séc. XVII tem um poema delicioso - Marília de Dirceu - que trata dos sítios de ontem e de hoje que são iguais, mas que nós vemos de forma diferente. Muito belo.

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  9. Uns se reportam ao passado, bela infância que ficou marcada, anos felizes ou catastróficos; outros querem só viver seu presente, não toleram falar do passado; outros se projetam no futuro, como se fosse a tábua da esperança...E montam seus projetos de vida. Vá entender esses seres complicados! Mas cada um com suas lembranças, suas fantasias, suas esperanças. Assim somos nós, assim é a vida. No final, tudo muda e na verdade o que teria de mudar, não muda: nós!
    Beijos, Célia.

    ResponderExcluir
  10. Olá amiga, vim agradecer suas visitas nos meus blogs e me desculpar pela ausência, motivo pelo qual, marido para ser operado, depois se recuperando, graças a Deus deu tudo certo e a recuperação caminha muito bem.
    Obrigada pelos votos de que tudo desse certo, valeu todos os pensamentos positivos, obrigada!
    Já estou de volta as aulas e com o tempo limitado, visito os blogs amigos com este recadinho colado, mas os agradecimentos a você, são verdadeiros e com muito carinho.
    Desejo uma noite abençoada e um amanhecer de paz e iluminado por Jesus.
    Abraços da amiga Lourdes Duarte
    http://professoralourdesduarte.blogspot.com.br/
    http://filosofandonavidaproflourdes.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  11. Olá Célia,

    "O que olhará"? Parece-nos não nos restar possibilidades de tornar a ver um cenário tão lindo, feliz e coroado pela simplicidade como o foi outrora na vida de muitos de nós. Tudo mudou drasticamente e também nós mudamos, o que é inevitável. Todavia, esse olhar para fases felizes e marcantes da vida adoça a alma e reenergiza o espírito para os dias que virão, fortalecendo a esperança de novos tempos 'impulsionadores à vida'.

    Ótimo final de semana.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  12. Olá,
    As mudanças fazem parte da nossa trajetória,nós também estamos sempre mudando.
    Que o olhar seja só um passeio pelas memórias, onde buscamos inspiração para novos dias.
    Sônia

    ResponderExcluir
  13. .
    ~ ""... corredores de loucura do fazer, do ter e do poder! ""

    ~ ""... futiidades ... ""

    ~ ~ Muito interessante, Célia.

    ~ ~ ~ Beijinho. ~ ~ ~
    ~ ~ ~ ~

    ResponderExcluir

Seu comentário evidencia o seu 'pensar'.
Saiba que aprendo muito com você.
Obrigada, meu abraço,
Célia Rangel,
Autora responsável pelo blog.
Obs.: NÃO POSTAREI COMENTÁRIOS ANÔNIMOS.