quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

EXPRESSÕES


Posso até ver ondas em seu rosto
Sulcadas no viver pleno
De afeto quando você me olha
De anuência quando falamos
De cumplicidade quando silenciamos

Posso até checar expressões profundas
Vasculhar mente e alma
De um tempo de euforia contida
De tristeza desequilibrada
De fatalidades a alto preço

Posso até me enjoar da rotina
A ponto de gritar pela libertação
De idas e vindas infindas
De falas levadas ao vento
De crenças castradoras das emoções

Sei que posso tudo desvendar
Mas o significado resultante
Pode não me agradar
Então, 'ostraciono-me'
Para me lapidar e me doar.

Célia Rangel



12 comentários:

  1. Às vezes é o único caminho para harmonizar e seguir e amar e doar! abração

    ResponderExcluir
  2. Conseguimos muito perceber pelas expressões apenas! Palavras nem são necessárias! bjs, chica

    ResponderExcluir
  3. Mas, sonhar e fantasiar é necessário e muito saudável ;)

    ResponderExcluir
  4. Muitas das vezes é preferível olvidar ignorando; belo e profundo é teu poema!

    ResponderExcluir
  5. A gente fica bem qdo sabemos que somos cuidados e amados, as expressões e gestos nós deixam mais seguras.
    Quebramos a rotina com a alegria.

    bjokas =)

    ResponderExcluir
  6. Oi, Célia! Às vezes, a gente precisa se recolher um pouquinho para ganhar forças e enfrentar o que vier. Beijos!

    ResponderExcluir
  7. Sim, tudo isso pode acontecer. O importante é seguir em frente.

    Abraço

    Olinda

    ResponderExcluir
  8. Ato de contrição, por toda a vida !
    Um abraço, Célia!

    ResponderExcluir
  9. Lindo poema Célia. Realmente tocante!
    Mergulhamos neste mar de expressões, mas precisamos sempre voltar à tona para respirar. Lindo!
    Grande abraço e ótimo domingo.

    ResponderExcluir
  10. Cèlia,
    adorei vir aqui nessa manhã de domingo,
    adorei o poema e
    essa parte em especial:
    "Pode não me agradar
    Então, 'ostraciono-me'
    Para me lapidar e me doar.

    Célia Rangel
    "

    Feliz mes de março pra nós!

    Bjins
    CatiahoAlc.

    ResponderExcluir
  11. O último verso diz tudo:

    "Sei que posso tudo desvendar
    Mas o significado resultante
    Pode não me agradar
    Então, 'ostraciono-me'
    Para me lapidar e me doar".

    Sempre precisamos de um tempo nosso, sozinhas após a Bonança ou a Tempestade dos sentimentos, para voltar ao equilíbrio, à normalidade.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  12. É nestes momentos que nos conhecemos bem para servirmos melhor! Beijos

    ResponderExcluir

Seu comentário evidencia o seu 'pensar'.
Saiba que aprendo muito com você.
Obrigada, meu abraço,
Célia Rangel,
Autora responsável pelo blog.
Obs.: NÃO POSTAREI COMENTÁRIOS ANÔNIMOS.