segunda-feira, 9 de fevereiro de 2015

O Carnaval


Corpos excitados pela cultura do prazer,

Devorados por olhares extasiados, ávidos

Para satisfazer uma sensualidade despertada

Em outros corpos que ali se projetam na volúpia do querer.

 

Estacionam-se sentimentos. Movem-se instintos:

Mãos, olhos, bocas, línguas, corpo e pele.

Cheiro, suor e som!

Ritmos alucinantes embalam o tesão,

Da morena, da mulata, da loira.

De homens e mulheres de todas as raças.

 

O povo segue cantando, batucando...

Tentando assim abafar o som da melancolia

De vidas subumanas pelas desigualdades,

De dívidas penduradas, do desemprego,

De famílias desestruturadas pela violência.

 

Na ilusão de uma fantasia, colorem-se os sonhos.

No alegórico dos estandartes carregam-se as ilusões

Da Escola? Escola da vida.

Que no asfalto distribui diplomas aos pobres e ricos,

Poderosos e inferiorizados,

Magnatas e marginais,

Todos glorificados

Em um só ritmo: o de mascarar a alegria do sofrimento diário.


Célia Rangel

 

17 comentários:

  1. Bela descrição do Carnaval...O povo nele esquece o sofrimento e cai na folia .É "feliz "por 3 dias.Se entrega à tudo e depois...Bem, depois é depois! bjs, tudo de bom,chica

    ResponderExcluir
  2. Grande crítica, Célia! Faz lembrar a canção:

    «A felicidade do pobre parece
    A grande ilusão do carnaval
    A gente trabalha o ano inteiro
    Por um momento de sonho
    Pra fazer a fantasia
    De rei ou de pirata ou jardineira
    E tudo se acabar na quarta-feira.»

    Belos poemas/canções têm vocês, queridos irmãos brasileiro....

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  3. Olá Célia! Por um lado a alegria, por outro a tristeza sob mascara. Até gosto de carnaval, mas gastar o nosso dinheiro com ele, acho uma afronta, porque não deixar apenas para os clubes, empresários né, abração

    ResponderExcluir
  4. Celinha, uma ótima crítica, como muitos de seus textos, com muita verdade nas entrelinhas, porém, assim como cada um faz o seu natal, seu réveillon, seu dia das mães, sua páscoa, temos o carnaval: uma festa deliciosa, típica, colorida, recheada de marchinhas inesquecíveis. Nem preciso dizer que amo né? kkkkk beijosss <3

    ResponderExcluir
  5. Olá, Célia.

    Ritmos de ilusão, travestida alegria fingida, fugitiva da realidade. E os sentidos imperam, ditam, entorpecem uma fugaz fantasia que finda em cinzas de desilusão.

    Um abração e um bom recesso carnavalesco.

    ResponderExcluir
  6. Bom dia, Célia!
    Pois é, eu sei que carnaval é um folclore e por isso respeito ainda, mas, sinceramente, do jeito que este folclore foi transformado nas grandes capitais como o Rio, sei não, tá mais pra decadência geral de costumes e valores.
    Ainda se vê carnaval de verdade em ruas como em Olinda, com uma dança típica brasileira, mas por aqui, beijo na boca de qualquer um e olhares ávidos apenas atrás de sexo.
    Se o bloco da Preta Gil conseguisse arrebanhar aquele número de pessoas para o Impeachment da Dilma, o Brasil estaria entrando numa nova era, mas não há como esperar nada de cabeças como aquelas.
    E vamos levando!
    beijos cariocas


    ResponderExcluir
  7. Oi, Célia! Se não fosse pela grande quantidade de palavrões, eu deixaria aqui o link pro "Samba Enredo do Grêmio Recreativo da Casa do Car@##%$". Essa refinada obra-prima de 2011 resume boa parte do que eu penso sobre o Carnaval. Agora, o seu poema, é claro, abordou o assunto em alto nível. Parabéns!

    ResponderExcluir
  8. Célia
    O teu poema, tem a beleza e o condão, de projetar o carnaval no bom sentido da universalidade. Gostei da ideia subjacente.
    beijos

    ResponderExcluir
  9. Oi Célia,

    Concordo, seu texto retrata a cara do Brasil....

    Excelente!

    Bjos

    ResponderExcluir
  10. .
    ~ Para muitos e muitos são dias de descanso,
    ~ Para outros tantos, noites de Cinderela, que terminam numa quarta-feira de cinzas...
    ~ Gosto da alegria do Carnaval, mas não do monstruoso despropósito!

    ~ ~ Bem analisado e exposto, Célia. ~ ~

    ~ ~ ~ Abraço cúmplice. ~ ~ ~
    ~ ~ ~ ~

    ResponderExcluir
  11. Olá, querida Célia
    Vou me retirar pra fazer aflorar a alegria verdadeira...
    Murto bom o seu poema do que vamos outra vez viver!!!
    Bjm frateral

    ResponderExcluir
  12. A vida já está sendo um carnaval, todos fantasiados para não viver esta dura realidade que o mundo se encontra. Um bom carnaval! Beijos

    ResponderExcluir
  13. Viva o "Bloco do Eu Sozinho". Quero mais é mantras e mantas nesses dias. Abraços, Celia.

    ResponderExcluir
  14. OI CÉLIA!
    ASSIM COMO O DIZES É, DIAS DE ALEGRIA, NOS QUAIS AS PESSOAS SE ENTREGAM A FOLIA, MAS, TUDO VAI ACABAR NA QUARTA FEIRA, AI AMIGA, VEM A REAL.
    ABRÇS
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  15. ... E a alegria de desfilarem como reis e rainhas, de pisarem no luxo por uma noite vale o sacrifício de um ano inteiro. Parece que esse período tem o poder de renovação e de esquecimento para os carentes, os depressivos, os desiludidos, os infelizes, os tristes, os alegres. E tudo fica valendo até o próximo carnaval!
    Eu vivo como um dia qualquer. Não assisto, espero passar a folia. Questão de gosto.

    Beijo, Célia!

    ResponderExcluir
  16. Retrato perfeito dum Carnaval de Vida, que se repete incessantemente.
    Parabéns pela Poesia do Texto.


    Beijos


    SOL

    ResponderExcluir
  17. Também tenho a mesma opinião. O carnaval sempre foi uma forma de extravasar sentimentos contidos e refreados pela imposição do comportamento ético-social.
    Abraço.

    ResponderExcluir

Seu comentário evidencia o seu 'pensar'.
Saiba que aprendo muito com você.
Obrigada, meu abraço,
Célia Rangel,
Autora responsável pelo blog.
Obs.: NÃO POSTAREI COMENTÁRIOS ANÔNIMOS.